Archive for junho \30\UTC 2010

>Eleiçoes 2010: Vice de José Serra é o deputado Índio da Costa do Rio de Janeiro

Posted on junho 30, 2010. Filed under: Índio da Costa, DEM, eleições 2010, PSDB, Rio de Janeiro, vice, vice de José Serra |

>

Depois de muitas reuniões e divulgação de informações desencontradas, o DEM e PSDB acabam de decidir o nome do deputado Índio da Costa (DEM-RJ) como vice do tucano José Serra na disputa presidencial.
 Deputado Indio da Costa do DEM do Rio de Janeiro
Juventude, deputado do terceiro maior colégio eleitoral do Brasil e relator do projeto Ficha Limpa, foram motivos levados em conta na indicação do deputado Indio da Costa a vice de José Serra
A escolha é uma vitória pessoal do ex-prefeito do Rio, Cesar Maia, e do presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ). Costa já foi secretário de administração do Rio no governo Cesar Maia.
O martelo foi batido na casa de Serra, onde estavam reunidos o tucano, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e Rodrigo Maia.
Serra irá viajar para Brasília onde ele participará da convenção do DEM. Uma sala foi montado no Hotel Grand Bittar, em Brasília, onde o partido faz a convenção. O vice será anunciado em uma entrevista coletiva marcada para começar às 17h.
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Gafe: supermercado publica anúncio lamentando derrota do Brasil na Copa

Posted on junho 30, 2010. Filed under: Copa 2010, gafe, rede Extra de supermercados |

>

<!– function paginaSlideShow237976(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i<10; i++) { try { if (document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display == "") { index = i; } document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display = 'none'; document.getElementById("link_" +id+ "_" +i).style.fontWeight = ''; } catch (e) {} } switch (num) { case "+": if ((index != -1) && (index 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O jornal Folha de S.Paulo desta terça publicou na página D11 do caderno especial da Copa um anúncio errado da rede Extra de supermercados preparado para a hipótese de o Brasil ser desclassificado durante o jogo contra o Chile, ocorrido na segunda-feira. 
O anúncio (foto) agradece a campanha do Brasil na Copa após sua “eliminação”, onde se lê a mensagem: “A I qembu le sizwe sai do Mundial. Não do coração da gente”. E explica depois que “I qembu le sizwe” significa seleção em idioma zulu. 
O anúncio encerra com “Valeu, Brasil. Nos vemos em 2014”. A rede de supermercados Extra é o patrocinador oficial da Seleção Brasileira e tem como mote de campanha “ser a empresa que mais acredita no Brasil”. De acordo com o grupo Pão de Açúcar, o erro foi da Folha, que se comprometeu em publicar uma retratação na edição desta quarta.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Presidente Lula: Ele devia ser exemplo, mas é multado pela sexta vez por campanha eleitoral ilegal

Posted on junho 30, 2010. Filed under: campanha eleitoral, Lula, multa, presidente Lula, TSE |

>

Fol.ads.dart(9);

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aplicou nesta terça feira nova multa ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no valor de R$ 5 mil, por propaganda eleitoral antecipada em favor da candidata petista Dilma Rousseff.
Essa foi a sexta penalidade sofrida por Lula. No total ele já deve à Justiça Eleitoral R$ 42,5 mil. Nenhuma das multas foi paga até hoje. O dinheiro arrecadado é destinado ao Fundo Partidário.
O tribunal entendeu, por 5 votos a 2, que o presidente Lula promoveu irregularmente a candidatura de Dilma em discurso realizado durante evento comemorativo ao Dia do Trabalhador, em 1º de maio.
O evento aconteceu em São Paulo e foi organizado pela Força Sindical e pela CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil).
A maioria dos ministros modificou entendimento do relator, o ministro auxiliar Joelson Dias, que ao julgar um pedido do DEM, no dia 14 de junho, havia absolvido Lula da multa, por entender que o presidente.
O DEM sustentava que durante o evento, o presidente Lula afirmou: “eu quero que quem venha depois de mim – e vocês sabem quem eu quero -saiba que tem que fazer mais e fazer melhor, e fazer muito mais”.
O plenário do TSE analisou ontem um recurso àquela decisão, feito pelo Ministério Público Eleitoral, que também pedia multa à Dilma, ao deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) e às entidades sindicais organizadoras do evento.
Os ministros Cármen Lúcia, Aldir Passarinho Júnior, Hamilton Carvalhido e Marcelo Ribeiro decidiram aplicar a multa apenas ao Lula. Já o ministro Marco Aurélio opinou por multar todos os representados e ainda sugeriu a pena máxima, que é R$ 25 mil.
Joelson Dias, por sua vez, manteve sua posição inicial e foi acompanhado pelo presidente do tribunal, Ricardo Lewandowski.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Telefónica oferece a Portugal Teleconcom lance pela Vivo para 7,150 bi de euros

Posted on junho 30, 2010. Filed under: lance, Portugal Teleconcom, Telefônica, Vivo |

>

As grandes apostas da telefonia brasileira – A Telefónica aumentou o lance pela participação da Portugal Telecom da Vivo para 7,150 bi de euros, 650 milhões de euros a mais do que a oferta que estava sendo avaliada pelos acionistas pela operadora portuguesa.
Com o novo lance, os espanhóis tentam convencer os acionistas da PT a venderem o controle da operadora brasileira, líder do mercado de celular do país.
Espanhóis e portugueses são sócios na Vivo com 30% de participação cada um.
A Telefónica, acionista da Portugal Telecom com 2% do capital, já havia oferecido 6,5 bilhões de euros pela participação da sócia portuguesa na Brasilcel, joint-venture que detém 60% da Vivo.
Entretanto, o conselho de administração da Portugal Telecom rejeitou a proposta. Os acionistas portugueses fazem parte desse “núcleo duro” da PT contrário à venda têm apenas 34% da Portugal Telecom, enquanto o restante do capital está com investidores internacionais
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Copa 2010: Seleção brasileira já faturou R$ 25 milhões e valor ainda pode dobrar

Posted on junho 30, 2010. Filed under: Copa 2010, faturar, FUTEBOL, seleção brasileira |

>

Copa 2010 A ida para as quartas de final da Copa do Mundo renderá à seleção brasileira uma premiação de US$ 9 milhões (aproximadamente R$ 16 milhões).
 O valor, que será pago pela Fifa após o torneio para as federações participantes, variará de acordo com a posição que cada equipe atingir na competição.
Neste Mundial, a CBF já havia garantido US$ 5 milhões (R$ 8,9 milhões) pela participação nas fases anteriores, totalizando US$ 14 milhões (R$ 24,9 milhões).
Se o Brasil for campeão, o prêmio total será de US$ 30 milhões (R$ 53,4 milhões). Ao todo, a Fifa pagará US$ 420 milhões (R$ 748 milhões) para as 32 seleções participantes.
Fonte: Folha Uol
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>O momento fez o Lula

Posted on junho 29, 2010. Filed under: Alfredo da Mota Menezes, Depressão, Fernando Collor, FHC, Getúlio Vargas, Inflação, Lula, Plano Real, sorte |

> Por Alfredo da Mota Menezes

Existe uma expressão em história que diz que não é o herói ou o líder que faz o momento, é o inverso. O que adiantaria aparecer hoje Napoleão Bonaparte? Ele apareceu no momento certo, que o fez. Sua grande habilidade foi entender o momento. Outros nomes na história não souberam entender e usar o momento.
Alguns exemplos históricos talvez ilustrem esse aspecto. Getúlio Vargas, o primeiro “pai dos pobres”, virou mito, entre outros motivos, porque deu assistência ao trabalhador, incluindo as leis trabalhistas, no momento da grande migração brasileira do campo para as cidades.
O mundo estava investindo no trabalhador, até na Itália fascista. Os EUA, por causa da Depressão econômica, foram por aí também. Na Argentina surge o Justicialismo ou a grande ligação que o trabalhador terá com o peronismo. Foi Perón que fez aquilo ou o momento o conduziu a fazer aquilo? O mesmo se pode dizer de Lázaro Cárdenas no México.
Vindo para casa. O presidente Lula descobriu que se deveria investir no pobre ou foi o momento que o levou a isso? Está se transformando em novo “pai dos pobres” por sorte na política. Goleiro bom e político têm que ter sorte. Lula tem de sobra.
Imaginemos que o Lula tivesse ganho de Fernando Collor a eleição para presidente de 1989. Inflação desbragada, descontrole nas contas públicas, adaptação à nova Constituição. Se ganha do Collor, naquele momento complicado, ele teria tempo e meios para investir no pobre? Teria tirado milhões da pobreza?
Imagine que o Lula ganhasse de FHC em 1994. Para consolidar o Plano Real, que ele era contra, deveria tomar as amargas medidas que o ex-presidente tomou. Todas que a esquerda condena até hoje ou ações neoliberais. Naquele momento de ajustes na economia, Lula teria dinheiro para tantas Bolsas Família? Naquele momento de transição, Lula tiraria milhões da pobreza? Era outro momento complicado para ele assumir a presidência.
Ele assume o governo com as contas públicas se ajeitando, com a Lei de Responsabilidade Fiscal, com um plano econômica em andamento e a economia se estabilizando. As pessoas mais pobres, que sofreram o diabo naquele ajuste fiscal, precisavam de apoio para sair do sufoco. Veio o Lula e caminhou por aí, como o Serra ou outro teria caminhado. O momento conduziu o Lula àquelas ações. O momento o fez e não o contrário.
Com a estabilização da economia mais gente foi incorporada ao mercado consumidor. Outra vez o presidente estava no lugar e na hora certa. O momento o está transformando na pessoa que tirou tantos milhões de uma classe social para outra. O Lula entendeu o momento e foi em frente.
Tem outra característica daqueles que entenderam e usaram com inteligência o momento: o discurso. Napoleão, Roosevelt, Perón, Vargas e agora o Lula. O momento histórico e o discurso convincente fizeram esses mitos. Também o homem de Garanhuns.

Alfredo da Mota Menezes. E-mail: pox@terra.com.br

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Eleições 2010: Wilson Santos deve anunciar deputado Dilceu Dal Bosco como vice

Posted on junho 29, 2010. Filed under: DEM, deputado, Dilceu Dal Bosco, eleições 2010, PSDB, Wilson Santos |

>

Deputado Dilceu Dal Bosco     

O deputado estadual Dilceu Dal Bosco deve ser anunciado oficialmente nesta terça, em entrevista coletiva, como candidato a vice-governador da chapa de Wilson Santos, numa dobradinha PSDB-DEM. O acordo foi fechado nesta segunda, após várias reuniões entre tucanos, democratas e representantes de outros partidos da coligação, como do PTB. A escolha é estratégica e busca, em tese, preencher vazios políticos e espaciais do bloco. O anúncio será feito pelo próprio Wilson, às 9h, na Fiemtec, em Cuiabá.
  
 Dilceu reside em Sinop, cidade-pólo do Nortão, principal base eleitoral do governador Silval Barbosa (PMDB), que busca a reeleição e é considerado como principal adversário. O nome do democrata atende ao acordo de cúpula, segundo o qual caberia ao DEM ficar com a vice. Além disso, a desistência de Dal Bosco da reeleição à Assembleia põe fim a uma crise entre tucanos e democratas que havia se criado com a formação de uma chapão na proporcional. Tucanos e democratas queriam chapa pura, na esperança de eleger entre 2 e 4 deputados estaduais mas, por fim, ficou definido chapão. Isso desagradou principais deputados do grupo que buscam novo mandato.
   
Perfil

    Dilceu é pecuarista, dono de emissoras de rádio e TV em Sinop e de empresa de eletrificação. Começou na vida pública como secretário de Governo no primeiro mandato do então prefeito Nilson Leitão, entre 2001 e 2002. Pelo PSDB se elegeu deputado estadual, nas urnas de 2002. No ano seguinte migrou para o PFL (hoje DEM). Se reelegeu em 2006 pelo mesmo partido. Ocupa hoje o cargo de segundo-secretário da Mesa Diretora da Assembleia.
Fonte: RDNews
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Empresários não acrescentam nada na política

Posted on junho 29, 2010. Filed under: Bimetal, Empresários, Maggi, Mato Grosso, política |

>

A política Mato-Grossense é esquisita. Os políticos estão sendo substituídos pelos empresários. O interessante é que os próprios políticos que criaram esse fenômeno. Em outros lugares os chamados empresários representam a minoria nas assembléias e em outros cargos. Em geral os empresários são chamados para serem vice (Alencar por exemplo) e suplentes de senadores, assim eles fazem boas contribuições e ficam uns quatro a seis meses como senador e todo mundo feliz. 

Aqui é diferente, os empresários tomaram conta do estado. Na verdade, os empresários estão vislumbrando que com o poder do executivo (municipal e principalmente o estadual) os seus negócios irão de vento em popa. É mentira que eles estão interessados em melhorar a vida da maioria dos habitantes do estado e dos municípios, pois basta ver que esses empresários até então nunca realizaram algo em pró da população. As empresas do Blario Maggi dizem que representam muito nos negócios, que tem faturamento muito alto, lucros enormes. Apesar de tudo isso não se vê nenhuma escola Maggi, escola Bimetal do tipo as da fundação Bradesco. Não se vê nenhum centro cultura Maggi, Bimetal, nenhum teatro, ou mesmo um museu, mesmo que da soja e muito menos do metal, nem uma bibliotecazinha, um cineminha.

Agora eles aparecem com os caras mais sérios do mundo, defendendo dignidade e rigor com os gastos públicos, que irão governar o estado ou município como administram as suas empresas.

O ideal é a política ser dominada por políticos profissionais. É bom acompanhar a carreira dos políticos, ver como foi como vereador, deputado estadual, federal, senador e governador, etc. Não necessariamente passar por todos os cargos, pode ir após alguns mandatos de deputado para governador sem problema. Entendo como político profissional, seria um Ulisses Guimarães, Pedro Simon, Mario Covas, Miguel Arrás, Brizola. Políticos quem tem filhos, esposas como herdeiros não são políticos, são coronéis.

Há também vários nomes de políticos mato-grossenses que atuam somente agora que se aproximam das eleições (não citarei nomes para não parecer tendencioso). Necessitamos que mais pessoas possam se interessar pela política. Trabalhadores, profissionais liberais, intelectuais, artistas, e até empresários (estes não para comprar o estado para si). Também a estrutura partidária não permite que apareçam candidatos com esses perfis, somente os últimos que conseguem porque compra a estrutura partidária toda.

Dessa forma o estado de Mato Grosso não avançará na cidadania, nas artes, nos esportes, na educação, e principalmente nas ciências. Ficaremos batendo pé e mantendo nossa agenda política em expansão da agricultura versus desmatamento, pecuária em grande extensão territorial, etc. Essa agenda está sendo impostas pelos empresários do agronegócios e do agroboi. Ninguém pensa em agregar valores nos produtos do estado. Vendemos soja em graos, carne in natura, algodão bruto, etc. Por enquanto, como está, está gerando lucro grande para eles, os impostos recolhidos dessas atividades são devolvidos a eles pela infra-estrutura criada pelo Estado e assim vamos caminhando com essa agenda bem para longe.
Fonte: Megadebate
O leitor que escreveu esta mensagem assina com o pseudônimo  Zé do Pedra
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>"O povo pensa que dossiê é um doce"

Posted on junho 28, 2010. Filed under: Arnaldo Jabor, doce, dossiê |

>Arnaldo Jabor

Não me esqueço de um ataque de riso , muitos anos atrás, quando ouvi a autocrítica de um alto dirigente do PC da China, durante a revolução cultural. Quem foi? Lin Piao? Não me lembro. A “autocrítica” era um dos velhos hábitos comunas, uma espécie de confissão católico-vermelha, só que aos berros diante das massas. E o dirigente se criticou: “Eu sou um cão imperialista, eu sou o verme dos arrozais da China, eu sou a vergonha do comandante Mao” .

Queria de volta as autocríticas do tempo de Mao. Queria ver o Marco Aurélio Garcia, por exemplo, bater no peito se confessando: “Eu sou a praga do cerrado, eu sou um bolchevista fingindo de democrata. Acabei com o prestigio de Lula lá fora, beijando o Armadinejad, isolei o Brasil e provavelmente perderemos mais de 3 bilhões de dólares em benefícios que os Estados Unidos nos davam para exportações, alem da sobretaxa do etanol, que será mantida!”

Depois que conseguiram entrar no Estado, através do Lula, os velhos esquerdistas perderam a aura mística, a beleza romântica que tinham na clandestinidade que os santificava. Eu conheci muitos heróis, sonhando realmente com a revolução, mesmo que utópica, mas honestos, sacrificando-se, morrendo. O comunista romântico não vemos mais.

Hoje, eles não se consideram eleitos por uma democracia, mas guerreiros políticos que “tomaram” o poder. Vemos isso nos milhares de insultos no twitter, emails e bloguinhos que espoucam na internet. Recebo centenas, como outros jornalistas. São apavorantes os bilhetes na web: ofensas e ameaças. Não há uma luta por ideais, mas uma resistência carregada de ódio e medo daqueles que podem, eventualmente, tirar seus privilégios : os “canalhas neo liberais”…

Esses quadrilheiros usurparam os melhores conceitos da verdadeira esquerda que pensa o Brasil no mundo atual, uma esquerda reformada pelas crises internas e externas, que se conscientizou dos erros da agenda clássica. Eles injuriam e difamam o melhor pensamento de uma esquerda contemporânea, em nome de uma “verdade” deformada que teimam em manter. Este crime abstrato muitos intelectuais e artistas não vêem, por temor ou ignorância. Falam de um lugar que seria da “esquerda”, mas que é o lugar de baixos interesses pelegos, de boquinhas a defender uma versão de socialismo decaída em populismo. Se dizem de esquerda, mas são de direita, para usar seus termos. Não só pilharam bilhões de reais de aparelhos do Estado, em chantagem com empresários, em fundos de pensão, contratos falsos, mas roubaram também nossos mais generosos sentimentos. E não é só a mentira que é vergonhosa. É a arrogância com que mentem, ao se apropriar do controle da inflação e de todas as reformas que o governo anterior lhes deixou, que eles chamam de “herança maldita”.

Não há mais “autocrítica”. Hoje temos o desmentido. O “desmentido” é o arrependimento do “se colar colou”. Quando uma ação revolucionaria dá “chabu”, basta desmentir e ainda dizer que foi tudo invenção da vitima. Assim foi o caso Celso Daniel, o caso dos “aloprados” de SP, das cuecas, tudo. “Nunca antes” um partido tomou o poder no Brasil e montou um esquema assim, um plano secreto de “desapropriação” do Estado, para fundar um “outro Estado” ou para ficar 20 anos no poder.

E agora no caso do “dossiê” contra o PSDB e Serra, mentem tranquilos: é a “mentira revolucionária”. Lembro-me do Lula rindo do dossiê dos “aloprados”, dizendo: “Deixa pra lá…o povo nem entende o que é dossiê…pensa que é doce de batata…de abóbora…”

Como não têm um programa moderno para o Brasil, a não ser o imaginário sarapatel de ideologias que vão de um leninismo mal lido, passando por um getulismo tardio, uma recauchutagem de JK fora de época, eles escondem sua incompetência se dedicado à parte “espiritual” da velha ideologia: controle, fiscalização, tutela, espionagem e censura.

Agora, estamos assistindo o inicio da “a porrada revolucionária”, com os “militantes” atacando os “inimigos” do povo. É o zelo dos peôes, dos pés-de-poeira, que se acham os guerreiros de uma missão bélica para impedir que os burgueses do PSDB ganhem (se aliam ao Sarney e Collor e dizem que Serra e FHC, que passaram mais de uma década no exílio são “fascistas neo liberais”…Pode?) .

Os brutamontes da militância se acham imbuídos de uma missão sagrada: “Eu taquei um pé nos cornos daquele tucano filho de uma égua, esfreguei a cara dele no chão até ele gritar “Viva a Dilma! E´ isso que é golpe de esquerda, não é, companheiro?”

Outro feito dos bolchevo-pelegos no poder é a desmoralização do escândalo. As verdades e delitos aparecem, mas, por negaças, recursos políticos e protelações o escândalo definha, entra em agonia e morre. Quantos já houve? Stalin apagava das fotos os membros do partido que ele expurgava; portanto, nunca existiram. Tudo é absolvido pela “mentira revolucionaria”, porque ela vem por uma “boa causa”.

Quase todos esses cacoetes derivam de um sentimento: “Somos superiores”. Quando eu era estudante, um dirigente do PC dizia sempre: “Não estamos com a doutrina certa? Então….é só aplicá-la”. Essa “certeza superior” é encontradiça em homens-bomba, em bispos vermelhos. O autoritarismo e a truculência não são privilegio de fascistas.

A única revolução no Brasil seria o enxugamento de um Estado que come a nação, com gastos crescentes e que só tem para investir 1,5 do PIB. A única revolução seria administrativa, apontada para a educação e para as reformas institucionais, já que, graças a Deus, a macro economia herdada foi mantida e a economia mundial se dirige a países emergentes.

O Brasil está pronto para decolar, se modernizar e essa gente quer segurar o avião em nome de interesses de um patrimonialismo de Estado e de um socialismo morto que, em seu delírio, acham que virá. Como recomendou Stedile a seus “sem-terra”: “Tenham filhos; eles vão conhecer o socialismo…”.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>A história não é bem aquela

Posted on junho 28, 2010. Filed under: História do Brasil, Leandro Narloch, Silio Boccanera |

>

Silio Boccanera

Versões menos chapa-branca da história do Brasil raramente encontram espaço nas aulas e nos livros de curso secundário, período escolar em que a maioria dos brasileiros aprende tudo o que vem a saber de História – exceção feita, naturalmente, aos que se dedicam ao assunto depois, em nível universitário, ou por interesse e esforço individual.

Daí o atrativo de um livro como Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil, de Leandro Narloch, que há várias semanas ocupa vaga na lista dos mais vendidos nas livrarias de todo o país. O autor conseguiu a atenção do público para uma versão alternativa e até debochada da história, despida dos mitos de desempenhos heróicos, feitos irretocáveis e explicações conspiratórias.

Não tenho a pretensão de conhecimento especializado na área para poder garantir que tudo seja verdade nos relatos nada oficiais de Narloch, mas consegui me divertir com suas versões de que Santos Dumont não inventou o avião, a feijoada tem origem europeia e quem matou mais índios no Brasil foram os próprios índios, entre outras curiosidades.

A Guerra do Paraguai me despertou interesse imediato no livro de Narloch por causa do esforço de autor em desfazer narrativas consagradas, como a de que brasileiros mataram, naquele conflito, 95% da população masculina do país vizinho, empobrecido até hoje por “nossa” culpa ao embarcar num conflito criado pelo Reino Unido para evitar uma suposta concorrência do Paraguai na área. Sobrevive ainda a versão de que o líder paraguaio Solano Lopez teria sido um déspota esclarecido que sofreu desnecessariamente em mãos brasileiras.

Narloch atribui essas interpretações a historiadores mais interessados em promover sua agenda ideológica – geralmente “antiimperialista” – do que em explicar fatos com base em estudos de documentos de época e relatos deixados por participantes.

O autor do Guia prefere as versões de outros pesquisadores, que fizeram o “trabalho de casa” e chegaram a conclusões opostas. Estabeleceram, por exemplo, que o interesse britânico era justamente de não ter uma guerra numa área onde já tinha considerável domínio econômico.

Quanto à morte em massa de paraguaios em cinco anos de conflito contra Brasil, Argentina e Uruguai aliados, as pesquisas revelam que não existe levantamento estatístico confiável sobre a população paraguaia antes da guerra, para se poder comparar antes-e-depois, o que impede concluir pela existência do suposto genocídio denunciado em tantos livros didáticos.

Além disso, adverte Narloch, a maior parte dos soldados paraguaios não morreu como resultado de combate militar e sim por doenças e fome, em meio ao abandono e à indiferença dos líderes nacionais em relação às suas tropas formadas maciçamente por gente pobre. Como as brasileiras, aliás.

O maior desses líderes foi Francisco Solano Lopez, que a historiografia paraguaia tentou transformar em herói, com substancial ajuda no século XX do ditador Alfredo Stroessner, que teria sido ajudado pela indiferença e a complacência de muitos intelectuais latino-americanos. São pessoas que jamais teriam aceito uma versão oficial de outro ditador direitista, mas engoliram o mito propagado por Stroessner porque se encaixava com as visões pré-concebidas sobre um herói antiimperialista.

Na verdade, escreve Narloch, Solano Lopez, que mandou matar o próprio irmão para garantir sua vaga no comando familiar do país (herdou o poder do pai) era “um presidente vaidoso, cruel, louco e equivocado (…) obcecado em entrar em guerra com o Brasil”.

Narloch observa que a pretensão de Solano Lopez se misturou com estupidez suficiente dele para não ter buscado primeiro, antes de atacar o Brasil, uma aliança com a Argentina e o Uruguai, cujos teritórios ele precisava usar para atacar o vizinho-gigante. Esta falha só serviu para deixar seu país não litorâneo sem um porto para receber armas ou provisões.

Silio Boccanera é jornalista em Londres, Inglaterra. E-mail: silioboccanera@aol.com

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

« Entradas Anteriores

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...