>O Caso Aécio

Posted on abril 25, 2011. Filed under: Sem-categoria |

>

Por Ricardo Noblat*
Ulysses Guimarães, ao mesmo tempo presidente do PMDB, da Câmara dos Deputados e da Assembléia Nacional Constituinte nos idos de 80 do século passado, bebia bem, muito bem. Assim como Miguel Arraes, Tancredo Neves (menos), Lula e Fernando Henrique Cardoso (discretamente), escreveu, ontem, neste jornal Jorge Bastos Moreno. Matéria oportuna.
Mas nela não há registro de que um só desses políticos tenha dirigido seu próprio carro depois de ter bebido além da conta. Ou de que tenha sido detido em alguma blitz. Ou ainda que tenha se recusado a fazer o teste do bafômetro. Não havia bafômetros na época, embora motoristas embriagados, muitas vezes, fossem parar em delegacias.
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi pego por uma blitz no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro. Dirigia seu Land Rover. Estava acompanhado da namorada. Aplicaram-lhe duas multas. Uma por dirigir com a carteira de habilitação vencida há um mês. Outra por dirigir alcoolizado. É o que consta de auto de infração do Detran do Rio.
Não foi a recusa de Aécio em se submeter ao teste do bafômetro que levou a autoridade policial a autuá-lo por dirigir supostamente sob efeito de álcool. A recusa apenas fortaleceu a impressão da autoridade de que estava diante de uma pessoa que havia bebido e que, no entanto, conduzia um veículo. O que é proibido por lei.
Ninguém é obrigado a produzir provas que o incriminem. Está na lei. Aécio, portanto, não era obrigado a soprar no bafômetro. Mas esse tipo de teste equivale mais ou menos ao exame de DNA para comprovação de paternidade. Quando alguém se recusa a fazer o exame de DNA é porque receia que o resultado seja positivo.
No passado, aqui e em toda parte, a imprensa fingia desconhecer certos comportamentos censuráveis dos políticos e de poderosos em geral. Prevalecia o entendimento de que a vida privada de homens públicos somente a eles interessava a mais ninguém. Ao público deveriam interessar os atos derivados do exercício do poder público.
O presidente John Kennedy foi um farrista emérito. Divertia-se com garotas de programa na piscina da Casa Branca sob a proteção de agentes do Serviço Secreto. Se a primeira dama Jaqueline estava para chegar ao local, ele era avisado a tempo de abandonar a piscina e de dispensar as garotas sem correr o risco de um flagrante.
Não havia um só jornalista importante em Washington que desconhecesse os prazeres desfrutados por Kennedy. Mas ninguém ousava escrever a respeito. Esse tipo de cultura mudou por lá e um pouco em outros lugares. Aspirantes a candidato à presidência dos Estados Unidos desistem de concorrer porque traíram suas mulheres.
O primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi meteu-se em apuros porque não resiste a um rabo de saia. E era casado até um dia desses… Promoveu festas de arromba em sua mansão. Valeu-se de recursos públicos para isso. Responde a processo por ter atraído uma marroquina de menor para uma sessão de sexo coletivo.
Aécio é solteiro. Pode namorar quem quiser. E trocar de namorada quantas vezes quiser. Ninguém tem nada a ver com isso. Se quiser também pode ficar de porre com freqüência desde que não seja na hora do expediente como senador. Nem em locais públicos para não dar o mau exemplo. Porque beber muito provoca danos à saúde.
Dirigir depois de ter bebido, isso Aécio não pode. Ninguém pode porque fere a lei. Põe em risco a própria vida e a vida dos outros. É natural que o bom exemplo seja dado por quem pode mais. E que se cobre de quem pode mais o bom exemplo. A aplicação da lei não deveria distinguir entre os que podem muito e os que nada podem.
Entre nós, infelizmente, os encarregados de aplicar a lei costumam distinguir entre o cidadão comum e o que se imagina incomum. O policial que atirou no assassino de crianças em Realengo foi elogiado e promovido. Por que não fazer o mesmo com o policial que multou Aécio?

*E-mail para esta coluna: noblat@oglobo.com.br
BLOG DO NOBLAT: http://www.oglobo.com.br/noblat

Make a Comment

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...

%d blogueiros gostam disto: