Aécio

>Eleições 2010: Derrotado, José Serra corre risco de isolamento político

Posted on novembro 1, 2010. Filed under: Aécio, última chance, Derrotado, Dilma Rousseff, eleições 2010, FHC, Geraldo Alckmin, isolamento político, José Serra, Lula, Palácio do Planalto, PSDB, São Paulo, sucessão |

>

Maurício Savarese, UOL
“Vocês não estão vendo que esta é a minha última chance?”, esbravejou o então pré-candidato ao Palácio do Planalto, José Serra, ao esmurrar uma mesa cercada de aliados.

O candidato derrotado José Serra (PSDB) fala após divulgação de resultados

O relato, feito por participantes do encontro, parece atual. Reflete o espírito ansioso e autocentrado de quem diz ter se preparado “a vida inteira” para comandar a República. A história ajuda a explicar a obstinação do tucano neste ano, cheio de ombradas nos rivais.

Mas aconteceu há oito anos, quando, como ministro da Saúde, almejava a cadeira do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Serra não teve sucesso, mas a vontade nunca sumiu. Hoje, aos 68 anos de idade e pela segunda vez derrotado em sua busca, o tucano tem seu projeto político novamente rejeitado pelas urnas.

Em um segundo turno mais equilibrado do que o previsto pelos institutos de pesquisa, o candidato tucano conseguiu expressivos, porém insuficientes 43.711.299 milhões de votos, ou 43,95% do total. Sua rival, a petista Dilma Rousseff, amealhou 55.752.493 de votos (56,05% do total).

Há semelhaças entre as campanhas de 2002 e 2010. Quando perdeu as eleições que deram o primeiro mandato a Luiz Inácio Lula da Silva, após um impopular segundo governo de FHC, Serra também se esforçou para não parecer candidato do governo nem da oposição.

Em ambas as disputas presidenciais, manteve a fama de centralizador e impetuoso, organizando a própria agenda e as próprias políticas sem consultar aliados. Rachou o PSDB por ter ofuscado as conquistas do governo que ajudou a conduzir, como a modernização da telefonia. Tudo para evitar o rótulo de “estatista”, eleitoralmente mal visto.

“Sou como se diz em latim na bandeira de São Paulo: não sou conduzido, conduzo”, costuma dizer. Pois novamente os aliados –principalmente os não-paulistas– foram minguando.

Na campanha pelo segundo turno, o ex-governador mineiro e senador eleito Aécio Neves até ensaiou se engajar. Mas não foi o bastante para evitar o triunfo de Dilma, nascida em Belo Horizonte. Serra foi conduzido a mais uma derrota.

Quando se elegeu prefeito de São Paulo (2004) e governador paulista (2006), Serra ainda não tinha a idade como empecilho para tentar o Palácio do Planalto.

Derrotado, fica sem mandato político e com maior concorrência numa eventual nova chance de buscar o cargo, já que o partido conta com os mais jovens Aécio e Geraldo Alckmin na fila da sucessão.

Leia mais em Derrotado, Serra corre risco de isolamento político após campanha errática

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Opinião: Dilma, a aposta perigosa de Lula

Posted on fevereiro 20, 2010. Filed under: Aécio, Ciro, Dilma, Dilma Rousseff, Fernando Henrique Cardoso, Lula, Marina, Serra |

>

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em artigo publicado no Estado de São Paulo, ao dizer que a Dilma é um espelho de líder, mas não é líder, botou ordem na casa. Lula desfruta de uma popularidade altíssima e, a julgar pelos programas eleitorais do PT, vai fazer de tudo para transferir parte de seu capital eleitoral para sua candidata Dilma. Bater de frente contra o muro da popularidade do Lula é antecipar o resultado das eleições: Dilma na cabeça.

O que FHC fez foi colocar no debate a seguinte pergunta: Quem é Dilma Rousseff? Em outras palavras: como pode uma pessoa que nunca teve um voto sequer na vida se julgar credenciada para ocupar o cargo mais importante do País?

O passado de Dilma é uma incógnita. O que se conhece dela, não a credencia. Sabe-se, que quando era ainda bastante jovem, naquela idade em que são movidos mais pelo gosto de aventura, pela adrenalina, do que por idealismo, entrou na luta armada. Participou do assalto de alguns bancos no Brasil. Diz-se que era para financiar a luta armada pela resistência contra a ditadura militar instalada no Brasil. Quem vai saber as causas que a levaram a participar de uma quadrilha de assaltantes de bancos? Na ignorância dos fatos prevalece a versão: a de que Dilma lutou por idealismo. Mesmo prevalecendo essa versão dos fatos, ainda, assim isso não credencia ninguém a ser Presidente da República.

Todos os demais candidatos, Serra, Aécio, Ciro e Marina, entre outros, já passaram pelo teste das urnas e têm experiência administrativa. Serra foi senador por São Paulo, prefeito e governador, secretário de Planejamento e ministro da mesma pasta, além da de Saúde. Aécio, herdeiro político de Tancredo Neves, de quem era neto e assessor, foi deputado Federal, presidente da Câmara dos Deputados, governador de Minas Gerais, reeleito com 78% dos votos mineiros e considerado o melhor governador do Brasil. Ciro Gomes foi prefeito de Fortaleza, governador do Ceará e atualmente é deputado Federal eleito com a maior votação proporcional do Brasil, além de ter sido ministro duas vezes: da Fazenda no governo Itamar Franco e da Integração no governo Lula. Marina Silva é senadora pelo Acre e foi ministra do Meio Ambiente, no governo Lula. Todos têm experiência administrativa e já passaram pelo teste das urnas. Mesmo Lula, somente chegou a presidente na quinta eleição que disputou e depois de ter corrido o Brasil de ponta a ponta, na sua caravana da cidadania. Além de ter sido deputado Federal constituinte por São Paulo.

E Dilma? Nunca foi sequer vereadora do menor município do Brasil. Nada se sabe de Dilma. Não se conhece um livro que ela tenha escrito, um artigo, nada que tenha comprometido seu pensamento. Nada se conhece de Dilma antes do governo Lula. É uma incógnita.

Tenho para mim que Dilma não passa da manifestação do superego do Lula. Dentre tantas opções, mais credenciadas para o posto, Lula resolveu demonstrar sua força. Quer mostrar para o Brasil e para o mundo que consegue eleger até um poste. E o poste é Dilma.

Dilma não passa de uma aposta de Lula. Mas uma aposta perigosa, pois tem chances reais de vencer as eleições. Mas e depois? Terá Dilma condições de governar o Brasil? Não administrativamente, pois para isso basta nomear uma boa equipe de ministros, que o corpo técnico e a burocracia cuidarão de fazer a máquina caminhar. A preocupação é com relação à área política. Pois, o jogo político, o chamado sistema, é bruto.

O arco de alianças políticas que se está formando em torno da candidatura Dilma vai cobrar um preço alto. Somente uma forte liderança para controlar e amainar os apetites fisiológicos desses partidos políticos. O jogo político não respeita regras. Quem não tiver liderança para se impor na negociação será triturado pela máquina.

Num passado recente tivemos uma experiência sintomática com Collor de Mello, mesmo tendo muito mais credenciais políticas do que Dilma, se apequenou frente o poder e foi defenestrado do posto. Enganam-se os que pensam que Collor foi tirado do poder por corrupção. Foi também, mas isso foi apenas o argumento utilizado pela máquina para atrair apoio popular para a causa: sua retirada da cadeira. Collor caiu porque não teve liderança para domar o sistema. Teve para vencer as eleições, mas não a teve para governar.

Nem mesmo um partido forte terá a Dilma para lhe dar sustentação. O PT, depois do mensalão e outros escândalos diminuiu e hoje é apenas um espectro do partido que foi no passado. No primeiro mandato de Lula, o PT era um partido no poder. Hoje é apenas mais um partido na coligação do governo. Dilma ficará nas mãos de partidos como o PMDB, com sua reconhecida voracidade.

Concluo, então, que até hoje Dilma tem se valido da liderança do Lula. Mas e depois da posse? Dilma vai permitir que Lula lhe faça sombra? Será que Lula será um Putin brasileiro: o poder atrás do poder, como na Rússia? Dilma, sabidamente, tem um gênio forte. É muito difícil imaginar que ela aceite governar na sombra de Lula.

É melhor não pagar para ver.

Autor: Waldir Serafim é economista em Mato Grosso.- Fonte: Olhar Direto

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Em política as coisas nunca são o que parecem, Aécio Neves continua no páreo

Posted on dezembro 18, 2009. Filed under: Aécio, candidatura, páreo, tucano |

>

<!– function paginaSlideShow218472(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A desistência de Aécio Neves coincide com seu rápido crescimento nas pesquisas para presidente, daí a surpresa. Mas em política as coisas nunca são o que parecem. Esse movimento de peça, no xadrez, deve provocar o contrário: fortalecimento da candidatura do tucano mineiro.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Eleição 2010: Serra sobe para 38%, Dilma para 17% e Ciro cai para 13%, segundo pesquisa CNI/Ibope

Posted on dezembro 7, 2009. Filed under: Aécio, Ciro, Dilma, Eleição 2010, Ibope, pesquisa, pesquisa CNI/Ibope, Serra |

>

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, melhoraram seus desempenhos na última pesquisa de intenção de voto para a eleição presidencial realizada pelo CNI/Ibope. O tucano passou de 35% das intenções de voto, na pesquisa realizada em setembro, para 38% na nova de pesquisa. Já a petista, no cenário com Serra, passou de 15% para 17%. Como o crescimento de Dilma está dentro da margem de erro, considera-se apenas que ela oscilou positivamente.

Mais sobre a pesquisa

No cenário com Serra, Dilma passou de 15% em setembro para 17% em novembro. Já o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) teve queda de 17% para 13%. A senadora Marina Silva (PV-AC) também caiu, de 8% para 6% das intenções de voto.

No outro cenário de pesquisa estimulada, no qual Serra é substituído pelo governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), Ciro tem 26%, Dilma 20%, Aécio 14% e Marina 9%. A diferença entre Ciro e Dilma na pesquisa de setembro era de 10 pontos percentuais e foi reduzida para 6 pontos na nova pesquisa.

Foram ouvidas 2.002 pessoas em 143 municípios. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Dilma tem maior índice de rejeição
Entre os cinco pré-candidatos à Presidência em 2010, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) é a que tem a maior rejeição: 41% dos eleitores dizem que não votariam nela “de jeito nenhum”. Em seguida, aparece a senadora Marina Silva (PV), com 40%.

Eleições 2010

Levantamentos selecionados dos principais institutos de pesquisas

O governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), tem 36% e o deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) registrou 33% de rejeição. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), é o candidato com a menor rejeição: 29% dos eleitores dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

Além de ter a menor rejeição, Serra também é o candidato mais conhecido, com 69%. Na pesquisa de setembro, o índice era de 66%.

Os índices de Ciro e de Dilma se mantiveram estáveis desde setembro. Ciro é conhecido por 45% dos entrevistados e Dilma por 32%.

Aécio Neves subiu de 27% para 30%. Já Marina subiu de 18% para 21% no período.

Temas prioritários para 2010

A segurança pública deve ser o tema prioritário da sociedade em 2010. Segundo os dados divulgados pela CNI, 33% dos brasileiros consideram que a segurança será a principal preocupação no próximo ano.

A melhoria da qualidade de educação está em segundo, com 17%. Em seguida, a pesquisa mostra o combate à corrupção (16%), a redução de impostos (9%), o meio ambiente (6%) e o crescimento econômico (5%). Fonte: Notícias Uol

#uolcelular { clear: both; margin:1.5em 0 0 0; font-size:0.8em; } #uolcelular h3 { background:#efefef;color:#000;font:bold 1.1em arial;padding:3px;height:12px;display:block;margin:0;padding-left:1em;} #uolcelular #borda { height:3em;border:1px solid #efefef;color:000;font:normal 13px arial;background:url(http://img.uol.com.br/wap-ico.gif) 1em 0.4em no-repeat;padding:0;padding-top:1.1px; } #uolcelular #borda #txtCel { margin: 0.2em 0 1em 4em; *margin-bottom:1em; } #uolcelular #borda #txtCel a {color:#666666; text-decoration:none; } #uolcelular #borda #txtCel a:hover { text-decoration:underline; } #uolcelular #borda #txtCel a strong {color:#000000;}

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Ciro Gomes diz que Serra se dará conta da derrota e desistirá do Planalto, ele quer coligar com Aécio

Posted on dezembro 3, 2009. Filed under: Aécio, Ciro Gomes, críticas, Nordeste, Serra |

>

O deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) afirmou, em entrevista exclusiva ao colunista do UOL Notícias e da Folha de S. Paulo Fernando Rodrigues, que José Serra, governador de São Paulo pelo PSDB, dificilmente será candidato à Presidência em 2010. Segundo ele, Serra “se dará conta da derrota e abandonará a disputa já em março do ano que vem”.

Na avaliação do deputado, o mais provável é que José Serra concorra novamente ao governo paulista. “Ele [Serra] é intragável no Nordeste e intolerável no Norte. O Aécio [Neves, governador de Minas Gerais] é mais aceito no Sudeste e no Sul. Mas em São Paulo , ninguém ganha do Serra”.

Ciro traça um possível panorama da disputa para explicar porque haverá a eventual a desistência do governador paulista.

“O Serra, com apoio da grande imprensa e dos setores conservadores, deve começar em primeiro nas pesquisas com algo ao redor de 32%. A Dilma [Rousseff, ministra da Casa Civil], com apoio do PT, com apoio do presidente Lula, vai a 25%, 26% fácil. Então haverá 58% do eleitorado entre eles dois. Sobram aí uns 42% para mim e para a Marina [Silva, senadora (PV-AC)]. Eu vou crescer. Desses 42%, 30% pode ser pra mim. A probabilidade de eu estar em segundo lugar é real. Nesse caso, o Serra desiste e concorre ao governo de São Paulo, que é mais garantido pra ele”.

Ciro afirmou ainda que Serra será “um retrocesso para o país”, caso seja eleito presidente. “O Serra não gosta de pobre. […] O cara se elege prefeito de São Paulo, nomeia para a Prefeitura setores conservadores, como o DEM, e depois fica posando de progressista”, declarou.

Na semana passada, José Serra subestimou a candidatura de Ciro à Presidência. “Nem candidato ele é. O Ciro não vai fazer nada que o [presidente] Lula não queira”, disse o governador em entrevista à rádio Jovem Pan de São Paulo.

Ciro comentou a declaração: “O Serra quis me diminuir por eu ser aliado do [presidente] Lula, mas eu não tenho vergonha disso, eu assumo com orgulho. Mas ele é aliado do FHC [ex-presidente Fernando Henrique Cardoso] e não assume. Por quê? Eu faço esse desafio a ele”.

Candidatura à Presidência
Ciro Gomes disse estar decidido a concorrer à Presidência em 2010. Mas seu partido, o PSB, que compõe a base aliada do governo Lula, reluta em lançar candidatura própria. A cúpula do partido trabalha para que o desejo do PT – que Ciro se candidate ao governo de São Paulo – se cumpra.

“Já tomei a decisão [de concorrer à Presidência]. Agora só falta romper a barreira no meu partido. […] Eu sei que iríamos sozinhos [na candidatura à Presidência], mas isso não é tão ruim. Ir sozinho permite falar com mais pureza, com mais clareza doutrinária”.

Se a decisão for confirmada, será a terceira vez que Ciro Gomes disputará eleição ao Planalto. Em 1998, ficou em terceiro lugar, com 11% (10,97%) dos votos, atrás de FHC e Lula. Em 2002, ficou em 4º lugar, com 12% (11,97%) dos votos – atrás de Lula, José Serra e Anthony Garotinho.

O deputado não descartou, no entanto, a possibilidade de disputar o governo de São Paulo em 2010. “Pretendo concorrer à Presidência, mas não descarto ser candidato ao governo de São Paulo. Até março tudo isso estará definido”.

Há dois meses, um dia antes do final do prazo estabelecido pelo TSE(Tribunal Superior Eleitoral), Ciro mudou seu domicílio eleitoral do Ceará para São Paulo, gerando ainda mais expectativas sobre uma possível candidatura ao governo do Estado.

Aliança PMDB-PT
Ciro Gomes faz severas críticas à possível aliança entre PT e PMDB para as eleições de 2010. Para ele, ao se coligar com PMDB, “o PT engoliu, com casca e tudo, as contradições de governar”.

“Infelizmente, PT e PMDB fizeram um ajuntamento que é de base fisiológica, clientelista, do poder pelo poder, da política pela política, e isso me incomoda”.

Para o deputado, a aliança entre os dois partidos será positiva apenas se “a hegemonia moral da candidatura for dada pelos valores que a Dilma [Rousseff, ministra da Casa Civil] representa: decência, compromisso popular, eficiência no serviço público”.

Mensalão do DEM
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, na segunda-feira, que a imagem de José Roberto Arruda (DEM), governador do Distrito Federal, recebendo dinheiro de um assessor, “não fala por si” e que é preciso esperar o aprofundamento das investigações antes de condenar o governador. Ciro concorda com a avaliação do presidente.

“Pode ser montagem. Todo mundo tem presunção de inocência. A imagem diz muita coisa, mas não diz tudo. É preciso investigar pra condenar”.

De acordo com o deputado, “até os homens mais honestos passam por constrangimentos” quando buscam financiamento de campanha. “Não existe campanha sem dinheiro. Esse dinheiro pode ser usado decentemente ou não, mas para isso mudar, temos de encontrar outra forma para financiar as campanhas.” Fonte: Noticias Uol

Ler Post Completo | Make a Comment ( 1 so far )

>Aécio diz que crise no DF pode interferir nas eleições 2010

Posted on dezembro 3, 2009. Filed under: Aécio, crise no DF, eleições 2010 |

>

Foto
AÉCIO NEVES

<!– function paginaSlideShow216953(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), admitiu nesta quarta (2) que a crise no governo do Distrito Federal, liderado por José Roberto Arruda (DEM), “trará desgaste para as eleições presidenciais de 2010”. O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, afirmou
que as denúncias envolvendo Arruda em um suposto esquema de pagamento de propina não devem prejudicar a aliança entre PSDB-DEM, no entanto,ele acredita que o saldo negativo da crise “será contabilizado nas eleições”. Questionado sobre a possibilidade de o PT usar o episódio contra os tucanos em 2010, o governador mineiro ressaltou que os petistas não tem “muita autoridade” pra falar em mensalão do DEM.

Panetones: Arruda não declarou gastos

Valter Campanato/ABr
Foto
MANIFESTANTES EM FRENTE À RESIDÊNCIA OFICIAL DE ARRUDA, EM ÁGUAS CLARAS (DF)

<!– function paginaSlideShow216866(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Não há registro de gastos com panetones na prestação de contas da campanha em que José Roberto Arruda (DEM) foi eleito governador do Distrito Federal. Essa foi a primeira versão apresentada por Arruda para o vídeo em que aparece recebendo R$ 50 mil das mãos do ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa, autor da gravação e das denúncias de corrupção que envolveram o governador, integrantes do primeiro escalão e deputados distritais num escândalo de corrupção do DF batizado de mensalinho do DEM. As imagens constam do inquérito da Operação Pandora, deflagrada pela Polícia Federal na última sexta-feira. Para a PF, o dinheiro que Arruda embolsa seria fruto do pagamento de propina em contratos públicos. O governador disse ter usado os recursos para comprar panetones para crianças carentes em 2006. Nas doações de campanha de Arruda no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), contudo, não se encontram despesas com alimentação nesse valor. O total de despesas com comida, numa campanha que gastou R$ 8 milhões, chegou a R$ 314 mil, segundo apurou a repórter Tainá Falcão para este site. Leia aqui.

TSE pode divulgar ‘fichas-sujas’

<!– function paginaSlideShow216930(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A ONG Transparência Brasil pediu nesta quarta (2), ao Tribunal Superior Eleitoral, a divulgação das certidões criminais dos candidatos para que os eleitores conheçam os chamados “fichas-sujas”. No ofício, a ONG pediu que o TSE crie um instrumento eletrônico para que as informações contidas nas certidões sejam acessadas “de modo eficaz” na internet. A Transparência Brasil ainda sugeriu que o TSE exija do candidato a informação de todas as ocorrências nas quais é citado, o que inclui processos ainda não julgados e processos em tramitação em outros municípios e Estados.

Temer figura lista de doações de
empreiteira, mas nega ter recebido

Wilson Dias/ABr
Foto
DEP. MICHEL TEMER

<!– function paginaSlideShow216948(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Planilha apreendida pela Polícia Federal durante a Operação Castelo de Areia, em março passado, na casa do diretor Pietro Franceso Giavina Bianchi, da construtora Camargo Corrêa, mostra o nome do presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), como o beneficiário de R$ 410 mil em doações da campanha de 1998. O problema é que não há declaração da verba no Tribunal Regional Eleitoral. A operação da PF investiga a Camargo Corrêa pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e o envolvimento em um esquema de caixa dois para financiar políticos e partidos de todo o País. A planilha, publicada com exclusividade pelo portal iG, tem 54 folhas e contém o nome de mais 200 políticos e autoridades. O deputado Michel Temer chamou o caso de “uma infâmia das mais degradantes” e também informou que nunca recebeu nada da empreiteira além da contribuição de R$ 50 mil na última campanha, “que foi declarada à Justiça Eleitoral.

Uribe: Venezuela imita o Muro de Berlim

Foto
PRES. ÁLVARO URIBE

<!– function paginaSlideShow216906(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, acusou a Venezuela de “criar um Muro de Berlim” contra o seu país, por causa do bloqueio imposto pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, aos produtos colombianos. A declaração de Uribe foi feita nesta quarta (2) à emissora de rádio Todelar. O presidente ainda qualificou de “ilegais e injustas” as medidas ordenadas por Chávez em represália à decisão da Colômbia de permitir o uso de bases no país por militares norte-americanos. A Venezuela é o segundo destino mais importante para as exportações colombianas, atrás apenas dos Estados Unidos.

Dnit apresenta medidas
contra irregularidades em obras

Foto
LUIZ ANTONIO PAGOT

<!– function paginaSlideShow216903(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O diretor-geral do DNIT, Luiz Antonio Pagot, informou nesta quarta (2) que foram adotadas várias medidas para reduzir as irregularidades em obras de rodovias. De acordo com o Tribunal de Contas da União, oito obras do Dnit estão paralisadas por causa de irregularidades. No entanto, Pagot garantiu que o departamento já elaborou algumas ações, como a criação de um edital padrão para as licitações, o que reduziu o tempo da etapa licitatória de 10 meses para 90 dias, e o encaminhamento para análise prévia do TCU de alguns contratos mais caros. Além disso, Pagot afirmou que o órgão vai implementar uma tabela de preços regionalizada. Segundo o diretor, o Dnit supervisiona 1.311 contratos de obras, sendo mais de 500 delas relacionadas ao PAC.

Fotografia é história
Olhar de rapina
Foto

<!– function paginaSlideShow216800(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Detalhe dos olhos de uma coruja que habita o gramado situado entre o Palácio Buriti e as futuras instalações da Câmara Legislativa do DF, em frente ao Memorial JK.
Como foiPioneiro da capital, aproveito os sábados e domingos para circular pela cidade onde moro desde 1957. É quando posso – depois dos dias da semana envolvido na cobertura do Congresso, Presidência da República etc. – ficar atualizado com as novas obras no Plano Piloto e no entorno. Passando por esse lugar, deparei-me com o chocante visual dessa coruja. Assim como os espiões, a ave tem a capacidade de enxergar muito além dos seres humanos comuns. Orlando Brito.

Afeganistão: Itália apoia os EUA

Foto
FRANCO FRATTINI

<!– function paginaSlideShow216902(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O chanceler italiano, Franco Frattini, afirmou nesta quarta (2) que a Itália apoia a estratégia do presidente norte-americano, Barack Obama, para o Afeganistão. Obama anunciou ontem (1º) que enviará mais 30 mil soldados à nação ocupada há oito anos, com o intuito de deixa-lo em 2011. Frattini não informou quantos soldados italianos serão destinados ao novo plano da Casa Branca, mas reiterou que seu país “fará sua parte”. Sobre o prazo de dois anos para entregar a segurança às autoridades afegãs, também anunciado por Obama, Frattini disse acreditar que 2013 será a data máxima para a “retirada gradual do Afeganistão”. A Itália mantém mais de 3.000 soldados no país.

Greenpeace invade Parlamento francês

<!– function paginaSlideShow216901(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Integrantes do Greenpeace invadiram nesta quarta (2) a Assembleia Nacional da França durante debate sobre a conferência de Copenhague sobre o clima. O presidente da Assembleia Nacional, Bernard Accoyer, denunciou o Greenpeace por “tentativa de colocar faixas no teto do Parlamento” e pela “invasão” do hemiciclo. Cerca de dez militantes que estavam sentados na arquibancada exibiram camisetas e faixas amarelas pedindo “atos para a redução do CO2”. A cúpula de Copenhague sobre o clima vai reunir 192 países entre os dias 7 e 18 de dezembro.

Tarso: corrupção no DF é ‘lastimável’

Orlando Brito
Foto
MINISTRO TARSO GENRO

<!– function paginaSlideShow216900(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O ministro Tarso Genro (Justiça) disse nesta quarta (2) que o escândalo do mensalinho do DEM no governo do Distrito Federal “é lastimável”. Tarso comparou o suposto esquema de pagamento de propina ao episódio da máfia dos fiscais, ocorrido na gestão Celso Pitta em São Paulo, que consistia na cobrança de propina de camelôs da capital paulista. No entanto, o ministro disse que é preciso cautela antes de se apontar culpados. Ele disse que a “trama” descoberta pela Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, é só a primeira de uma série de ações da PF para desbaratar irregularidades contra os cofres públicos.

Brasilienses protestam de faróis acesos

<!– function paginaSlideShow216895(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Na manhã desta quarta-feira, no programa Gente Brasília, da BandNews FM, o jornalista Cláudio Humberto sugeriu um protesto silencioso nas ruas da cidade, pedindo uma investigação completa sobre o caso do esquema de corrupção que envolve os mais altos cargos do governo do Distrito Federal. Motoristas de todo o DF passaram todo o dia com as luzes dos carros acesas seguindo a sugestão: “Se você se importa, se você quer luz na escuridão, acendam os faróis para pedir uma investigação às claras”, sugeriu CH na manhã de hoje.

Eramos 6

Eramos 6

Mendes: denúncias contra
Arruda são ‘graves e preocupantes’

Orlando Brito
Foto
MINSITRO GILMAR MENDES

<!– function paginaSlideShow216890(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, disse nesta quarta (2) que as denúncias envolvendo o governador José Roberto Arruda (DEM) “são extremamente graves e preocupantes”. Imagens gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa mostram ele distribuindo dinheiro ao governador Arruda e seus aliados. Mendes defendeu, no entanto, que é preciso aguardar as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público para avaliar o caso com segurança. No entanto ele avisou que o Conselho Nacional de Justiça, que também preside, já observa o possível envolvimento de desembargadores no esquema de corrupção.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Maggi quer área florestal consolidada

Posted on novembro 20, 2009. Filed under: Aécio, Ahmadinejad, Blairo Maggi, Copenhague, florestal, Sponholz |

>

Foto
GOV. BLAIRO MAGGI

<!– function paginaSlideShow215689(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), é a favor que a nova legislação ambiental preserve os direitos dos agricultores que estavam dentro da lei na época em que derrubaram 50% da mata na zona de transição entre floresta e cerrado. Maggi criticou a insegurança jurídica na área ambiental e propôs que as decisões em relação aos zoneamentos sejam tomadas com base em dados da Embrapa. Sobre a compensação na reposição florestal, o governador afirmou que possui duas propostas. A primeira é que a compensação possa ser feita no Estado, sem necessidade de ser a mesma bacia hidrográfica. A segunda diz respeito às áreas de cerrado, onde no mínimo 20% da reposição florestal devem ser feitos dentro da propriedade. Para ele, “é um loucura tirar uma área que produz alimento para plantar cerrado”.

Sponholz

Sponholz

Sarney recebe Ahmadinejad 2ª feira

Foto
PRES. MAHMOUD AHMADINEJAD

<!– function paginaSlideShow215687(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), receberá na próxima segunda (23) o presidente da República Islâmica do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Ahmadinejad visita o Brasil poucos dias depois do presidente de Israel, Shimon Peres. Outro chefe de Estado fará uma visita de cortesia ao presidente do Senado na próxima semana. Na terça (24) será a vez do presidente da República Tcheca, Václav Klaus.

Bandidão ficará longo período no Brasil

Foto
CESARE BATTISTI

<!– function paginaSlideShow215686(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Em razão do recesso no Judiciário, a “análise” prévia do Ministério da Justiça e a demora para a publicação do acórdão da decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a extradição do terrorista Cesare Battisti, o italiano pode ter uma longa sobrevida no Brasil. A expectativa é de que Lula se decida apenas em fevereiro.

Fernando Henrique, o sociólogo
da interação social concreta

Foto

<!– function paginaSlideShow215685(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Na densa produção intelectual de FHC, nenhuma o satisfaz mais do que uma pesquisa realizada no sul do país no início da década de 60. Leva o título de Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. É um livro de 339 páginas lançado em 1962 pela editora Difusão Européia. Era a tese que fez FHC doutor, em 1961, pela Filosofia da USP. Na sinopse que apresenta o livro em seu site, o autor explica que o texto “reconstrói a totalidade social concreta que resultou da interação entre senhores e escravos na sociedade gaúcha”. O livro teve mais duas edições – em 1977 e em 2003. No site www.estantevirtual.com.br, a obra de FHC ainda pode ser encontrado em 36 sebos de seis Estados diferentes – 15 deles só em São Paulo. Dá uma boa idéia teórica do pensamento de FHC, até a “interação social concreta” praticada por ele em 1988 com sua empregada Maria Helena Pereira, uma negra formosa que deu ao então senador um filho, Leonardo.

Sponholz

Sponholz

Fotografia é história
Eduardo x Sabrina
Foto

<!– function paginaSlideShow215654(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Senador Eduardo Suplicy novamente entrevistado por Sabrina Sato. Anteontem, quarta-feira.
Como foiA jeitosa japonesinha Sabrina Sato descobriu maneira peculiar de produzir peças televisivas sobre o Congresso para um programa de tevê do qual é estrela. Os fotógrafos ficamos de olho quando ela aparece por lá para suas entrevistas porque quase sempre têm resultado surpreendente. Há três semanas, deixou o senador paulista Eduardo Suplicy numa tremenda saia justa, ao oferecer-lhe um cuecão vermelho, que o parlamentar vestiu e desfilou. Resultou o maior rebú. Dessa vez o reencontro de Suplicy com as câmaras de Sabrina não rendeu tanto frisson. Ele limitou-se a cantarolar alguns trechos da música preferida do presidente Lula, “A triste partida”, de autoria do poeta cearense Patativa do Assaré. Orlando Brito.

Aécio cobra definição sobre candidatura

Foto
GOV. AÉCIO NEVES

<!– function paginaSlideShow215661(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governador de Minas, Aécio Neves, voltou nesta quinta (19) a cobrar uma definição do candidato tucano à Presidência em dezembro deste ano ou no máximo em janeiro de 2010. Segundo ele, os entendimentos regionais, estaduais podem ser prejudicados com a demora, já que eles dependem do apoio “do eventual candidato à presidente da República”. Aécio disputa a indicação do partido com o governador de São Paulo, José Serra. Ele voltou a afirmar que após janeiro, caso não consiga se viabilizar como candidato à Presidência, irá se dedicar “muito e profundamente” à sua sucessão em Minas Gerais.

Lula decidirá sozinho sobre o terrorista

Orlando Brito
Foto
MIN. TARSO GENRO

<!– function paginaSlideShow215660(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O ministro Tarso Genro (Justiça) disse nesta quinta (19) que o presidente Lula vai decidir “sozinho” sobre a extradição do ex-terrorista italiano Cesare Battisti. Ele também afirmou que não há prazo para a análise do presidente sobre o caso que pode ser favorável ou não à extradição do italiano decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Apesar de não revelar a posição de Lula, o ministro disse esperar que o presidente decida com base em sua visão “humanitária”, podendo encontrar saída jurídica para abrigar Battisti no Brasil. O ministro ainda afirmou que o Brasil tem “orgulho” de ser um destino de refugiados políticos que foram perseguidos em seus países de origem –por isso defende que Battisti fique no país.

Cristovam pede ‘ação’ em Copenhague

Orlando Brito
Foto
SEN. CRISTOVAM BUARQUE

<!– function paginaSlideShow215659(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) fez nesta quinta (19) um apelo ao presidente Lula para que adote uma posição de vanguarda durante a Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP 15), na Dinamarca, que acontecerá em dezembro. Para Cristovam, os compromissos voluntários assumidos pelo governo brasileiro de redução das emissões de gases geradores do efeito estufa, bem como de diminuição do desmatamento na Amazônia, não são suficientes para conter a tragédia ambiental planetária. Cristovam pediu ainda a Lula que participe da conferência “como um ideólogo propondo um modelo novo para a civilização, onde o consumo será limitado, de acordo com as restrições ecológicas”.

‘STF lavou as mãos no caso Battisti’

Foto
SEN. DEMÓSTENES TORRES

<!– function paginaSlideShow215658(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) criticou a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que cabe ao presidente Lula decidir se vai cumprir ou não a extradição do ex-terrorista Cesare Battisti. Para Demóstenes, “a Suprema Corte lavou as mãos e se desmoralizou” ao deixar o caso na mão do Executivo. O senador disse que o STF não pode ficar com a pecha de que cede a pressões de outro poder e acrescentou que, com a decisão tomada, foi como se o tribunal tivesse rasgado o Estatuto do Estrangeiro. Ele reforçou ainda que o STF não pode se comportar como um órgão consultivo.

Mercadante critica falta de fiscalização
nas obras em São Paulo

Foto
SEN. ALOIZIO MERCADANTE

<!– function paginaSlideShow215657(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Em discurso no Plenário do Senado, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) disse nesta quinta (19) que há um problema grave de fiscalização nas obras em São Paulo. Ao comentar sobre a queda de três vigas de sustentação do viaduto em construção do trecho sul do Rodoanel de São Paulo, na última sexta (13), o senador informou que os Tribunal de Contas da União (TCU) identificou 72 irregularidades na obra, que vão desde a alteração de métodos construtivos até a troca de areia por brita. Todas essas alterações, disse o senador, teriam o objetivo de reduzir custos e antecipar a conclusão da obra em 14 meses, para inaugurá-la no dia 27 de março. Mercadante comunicou que vai pedir uma audiência pública para discutir o caso. Fonte: http://www.claudiohumberto.com.br
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...