Amaggi

>Mato Grosso favorece área de investimentos do governador Blairo Maggi

Posted on novembro 19, 2009. Filed under: Amaggi, borracha, Governador Blairo Maggi, Mato Grosso, Michelin, seringal |

>

Uma semana após o anúncio, pelo grupo André Maggi, das negociações para a compra de 8.000 hectares de seringueiras do grupo Michelin em Mato Grosso, o governador Blairo Maggi (PR) anunciou um novo programa de incentivo à produção de borracha no Estado.

O objetivo, segundo o governo, é incentivar o cultivo de 160 mil hectares e transformar Mato Grosso “no segundo produtor de borracha natural do Brasil em um prazo de 20 anos”. O investimento previsto pelo Estado é de R$ 89 milhões.

No lançamento do programa, no sábado, Blairo disse que a cultura da seringueira é um “caminho muito interessante”. “Com a idealização do programa da heveicultura [o cultivo de seringueiras] vamos lutar para a instalação de uma indústria de pneus para máquinas pesadas aqui em Mato Grosso.”

As negociações entre a empresa do governador e a Michelin haviam sido reveladas uma semana antes. Em nota, à ocasião, a empresa confirmou que havia assinado um “Compromisso de Compra e Venda” da área, localizada em Itiquira (350 km de Cuiabá).

Ontem, a assessoria do grupo disse que a negociação ainda não fora concretizada. A oferta, segundo a empresa, partiu da Michelin e o “mais provável” é que, se fechado o negócio, a área seja utilizada para o plantio de soja, milho ou algodão.

Estudos conduzidos pela própria Michelin, afirmou a Amaggi, indicam que a área “já não apresentava a produtividade necessária/rentabilidade financeira para justificar a continuidade da exploração das seringueiras”.

“Independentemente da venda da área, a unidade seria desativada devido à comprovação da baixa produtividade das seringueiras por conta das condições climáticas da região”, declarou a empresa.

A Amaggi já possui um seringal de mil hectares na região do Araguaia –que, segundo a empresa, está arrendado.

A assessoria do governo de Mato Grosso negou que a empresa possa se beneficiar do programa de incentivo à produção de borracha. O público-alvo, segundo o governo, são os pequenos produtores. Questionada sobre um possível favorecimento, a assessoria da Amaggi não ligou de volta até a conclusão desta edição. Fonte: Folha Online

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Grupo de Agronegócio Amaggi anuncia expansão

Posted on novembro 12, 2009. Filed under: agronegócio, Amaggi, armazéns, Commodities, insumos |

>

A Amaggi, uma das maiores empresas do país em beneficiamento e exportação de soja e seus derivados com sede em Mato Grosso, vai atuar no mercado de grãos em quatro estados nas regiões Norte e Nordeste. A empresa firmou parceria com a Louis Dreyfus Commodities para atuar no mercado de grãos da Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins. A joint venture tem como objetivos vender e comprar soja e milho, financiar produtores, trocar fertilizantes, sementes e insumos agrícolas e realizar vendas nos mercados doméstico e internacional.

A nova empresa, que se chama Amaggi & LDCommodities e está sediada no município de Luis Eduardo Magalhães (BA), deverá faturar R$ 700 milhões e movimentar um milhão de toneladas de grãos em cinco anos com investimento de US$ 100 milhões em armazéns e instalações portuárias na região. Segundo Pedro Jacyr Bongiolo, presidente do Grupo André Maggi, as negociações vêm acontecendo há um ano. “Dentro do planejamento estratégico de crescimento já estávamos contemplando estas regiões. Como a Louis Dreyfus já estava instalada lá surgiu a oportunidade de parceria. Por isso estamos apenas fazendo uma antecipação do que já tínhamos programado”.

Ambas empresas já estão consolidadas em outras regiões do país e esta joint venture é a oportunidade de unir experiências e trabalho em uma região promissora. Atualmente, a região conhecida como “Matopiba” (palavra formada pelas siglas dos quatro estados) produz 6 milhões de toneladas de soja. Na Bahia também são cultivadas 1,7 milhão de toneladas de milho.

“Como a região da Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins é a nova fronteira agrícola do país, acreditamos que há grande possibilidade de expansão dos nossos negócios, principalmente com estudos e investimentos em novas alternativas logísticas”, afirmou Bongiolo, reforçando que faz parte do planejamento estratégico do Grupo André Maggi atuar em todos os estados brasileiros produtores de soja.

A joint venture que cria a Amaggi & LDCommodities terá estrutura própria administrativa e comercial. Serão 12 unidades de armazenagem de milho e soja com potencial de geração de aproximadamente 300 empregos diretos e 900 indiretos. A empresa inicia atividades com dois armazéns com capacidade de 60 mil toneladas cada, um em Luis Eduardo Magalhães (BA) e outro em Correntina (BA).

Fonte: A Gazeta


Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Amaggi compra 51% da Denofa S.A.

Posted on julho 14, 2009. Filed under: Amaggi, Denofa, esmagamento de soja, Grupo André Maggi |

>

Ampliando os negócios no mercado europeu, o Grupo André Maggi fechou a compra de 51% das ações da empresa norueguesa Denofa S.A. A empresa tem como principal atividade o esmagamento de soja e tem capacidade para processar 430 mil toneladas/ano e atua também no beneficiamento do óleo de colza (canola), em uma planta localizada na Polônia. O grupo mato-grossense, acionista majoritário da empresa, adquiriu ações da Agrenco (40%) e da Norgrain (11%). Os 49% restantes da composição acionária são da Norgrain.

O presidente do Grupo André Maggi, Pedro Jacyr Bongiolo, afirma que a planejamento do grupo é crescer como produtor de soja, tradding, neste último com atuação não só no mercado nacional como também fora do Brasil. Ele conta que a empresa mantém um escritório na Holanda desde 2008 e sempre busca ampliar os negócios.

No caso da Denofa, explica ele, a empresa já atua no mercado dando prioridade à soja não transgênica, o que também faz parte dos negócios do grupo estadual. “Com a empresa teremos condições de enviar a produção não transgênica de Mato Grosso para a Europa, para ser processado lá e atender o mercado europeu, que é mais criterioso e exigente quanto a este produto. Lá este produto tem mais valor”.

Bongiolo acrescenta que a empresa recém-adquirida já tem mercado comprador consolidado a exemplo da própria Noruega, Suécia, Dinamarca e Finlândia. “Já éramos fornecedores de soja para a empresa e agora teremos um destino garantido do nosso produto, além de poder comprar a soja de outros fornecedores”.

A soja importada pela Denofa, principalmente a não transgênica, é esmagada e comercializada na forma de óleo, farelo e lecitina. Toda a produção da Denofa é 100% não transgênica e livre de Salmonella, o que a torna referência no mercado escandinavo por sua preocupação com a qualidade e a sanidade. O Grupo André Maggi é composto por quatro divisões de negócios: Amaggi, Divisão Agro, Hermasa e Maggi Energia.


Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>A transferência do Grupo Amaggi de Rondonópolis para Cuiabá

Posted on fevereiro 26, 2009. Filed under: Amaggi, Blairo Maggi, CUIABÁ, Grupo Amaggi, Rondonópolis |

>

A transferência do Grupo Amaggi de Rondonópolis para Cuiabá é um fato de repercussão econômica e política. O assunto, interessantemente, não mereceu atenção maior da mídia na capital.

A empresa é a única do Brasil que compete com as grandes do mundo (ADM, Cargil, Dreifus, Bunge) em comercialização de grãos. Sua sede sempre foi em Rondonópolis, agora será em Cuiabá. Foi alegado pela empresa que o motivo é a questão de logística.

A transferência trará benefícios econômicos para a capital. Rondonópolis, que estava ganhando de Cuiabá em atrair empresas, perde agora a maior que é sediada ali. Pode até ser que, com a vinda da Amaggi, outras empresas que usam seus serviços ou gravitam em torno dela também virão para cá.

Há um desdobramento político nesse assunto. Blairo Maggi é acusado na capital de beneficiar Rondonópolis ao invés de Cuiabá em novos projetos industriais. Isso foi usado até em campanha eleitoral. Que essa tendência do governador era porque a empresa de sua família tinha base lá e que ele ali morava e votava.

Com a transferência da empresa como é que fica agora? Além disso, parece que ele também transferiu seu título de eleitor para a capital. E, se sua empresa vier para cá, está claro que ele iria morar aqui também. A oposição em Cuiabá e Várzea Grande, maior colégio eleitoral do estado, não vai poder usar mais esse assunto em eleição. Mas em Rondonópolis a mudança da empresa para Cuiabá será usado em campanhas eleitorais.

Um número grande de prefeitos e vereadores está pedindo que Geraldo Riva se candidate a governador. Afirmam que ele é municipalista, que ouve a gente do interior e que encaminha os pleitos para os órgãos do governo. Dizem ainda que ele nunca deixa de retornar uma ligação telefônica. Enfim, dá atenção às reclamações e pedidos do interior.

Imaginemos o Riva eleito governador. Ele continuaria a dar atenção ao homem do interior, mas não vai ser fácil resolver os assuntos. Hoje, ele encaminha o pedido ou a reclamação para essa ou aquela secretaria e cobra resultado. Vai também ao governador fazer pedidos em nome de gente de outros municípios.

Como governador, ele não poderá passar o assunto para secretários resolverem. O governador é o último lugar, é ali que se resolve. E nenhum governador pode resolver tudo que lhe chega às mãos. O orçamento tem limite e é todo fatiado.

A educação e saúde recebem constitucionalmente tantos por cento. Os poderes idem. Paga-se os funcionários. Não sobra praticamente nada. Tanto é verdade que a única fonte de investimento que o estado tem é o Fethab. Recurso que é fatiado obedecendo a diferentes critérios e interesses.

Se o Riva chegasse ao governo acredito que ele daria atenção maior que outros governantes dão aos reclamos do interior. Mas, com o passar do tempo, a coisa iria se complicando, pois prefeitos e vereadores não gostam de ouvir não. E o que mais um governador faz em MT é dizer não. Teve governador que até abdicou de atender pessoas do interior porque não sabia mais o que dizer a elas.

Governador e deputado são duas posições bem diferentes na política de atendimento ao “cliente”.

Alfredo da Mota Menezes e-mail: pox@terra.com.br site: http://www.alfredomenezes.com

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...