Belo Monte

>Em Belo Monte Lula reclama do carlor e se irrita com manifestantes contrários a obra

Posted on junho 22, 2010. Filed under: Belo Monte, Lula, manifestantes |

>

Em visita a Altamira, região paraense onde será construída a controversa hidrelétrica de Belo Monte, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se irritou nesta terça-feira (22) com manifestantes presentes no local. Durante discurso, ele afirmou que os adversários deveriam ter paciência para ouvir seus argumentos.

“Se eles tivessem paciência de ouvir, eles teriam a paciência de ouvir o que já aprendi nesse tempo todo. Quando tinha a idade deles, ia para o Paraná para me manifestar contra a construção de Itaipu. Dizíamos que Itaipu seria utilizada para inundar a Argentina. Os contrários, como esses meninos, por falta de informação, diziam que ia ter terremoto na região”, afirmou Lula.

O empreendimento tem entrada de operação prevista para 2015 (1ª fase) e 2019 (2ª fase). Ambientalistas consideram a obra desnecessária por ter potencial de uso inferior ao de muitas outras usinas hidrelétricas, mas com um custo ambiental pesado, com a possibilidade de alagamento de áreas hoje habitadas. O governo recusa essa avaliação.

A obra será tocada pelo Consórcio Norte Energia, composto principalmente pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) e pelas empresas Queiroz Galvão, Mendes Junior, J Malucelli e Gaia Engenharia. A Eletrobras entrou depois no consórcio, por meio da subsidiária Eletronorte.

Há várias dúvidas financeiras sobre Belo Monte, cujo porte só é superado por Três Gargantas, na China, e Itaipu, de Brasil e Paraguai, é sobre o custo. O governo estima o preço em quase R$ 20 bilhões, mas as empreiteiras acreditam que gastarão até R$ 30 bilhões. Lula responde que parte desse custo é para ajudar os prejudicados.

“Ao invés de ser contra, proponha alternativa para usar os R$ 4 bilhões que estamos usando no processo. Vamos discutir como a gente vai usar esses R$ 4 bilhões para melhorar a vida da população ribeirinha, dos índios”, criticou o presidente, acompanhado da governadora Ana Júlia Carepa, em tom ríspido.

http://n.i.uol.com.br/ultnot/infografico/2010/usina_belomonte.swf

Em seguida, ironizou os manifestantes que gritavam em meio a centenas de pessoas. “Passem metade do dia gritando contra e passem metade colocando a energia positiva de vocês para pensar alguma coisa importante”, alfinetou.   Fonte: Notícias UOL

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>PA: Norte Energia ganha Belo Monte

Posted on abril 20, 2010. Filed under: Belo Monte, Norte Energia, PA |

>

<!– function paginaSlideShow231218(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i<10; i++) { try { if (document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display == "") { index = i; } document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display = 'none'; document.getElementById("link_" +id+ "_" +i).style.fontWeight = ''; } catch (e) {} } switch (num) { case "+": if ((index != -1) && (index 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–> O consórcio Norte Energia (Chesf, subsidiária da Eletrobrás; Construtora Queiroz Galvão, e mais seis empresas) arrematou o leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte (PA).

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o leilão foi conduzido com base no menor preço oferecido pela energia da usina.

O preço máximo definido pelo Ministério de Minas e Energia foi de R$ 83 por megawwatt hora. O consórcio vencedor se comprometeu com o preço de R$ 77,97 por megawatt hora.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Economês

Posted on março 19, 2010. Filed under: Alumínio, Belo Monte, celular, Economês, Embalagens, Fertilizantes, internet, leilão, máquinas, Reajuste, tributos |

>Belo Monte

O leilão da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA) foi marcado para 20 de abril. Esta é a 3ª vez que o governo remarca a data. Ainda não há uma definição, por parte do governo, se a Eletrobrás participará do empreendimento, que está orçado em R$ 19 bilhões. O preço máximo para a energia será de R$ 83 por MW/h.

Máquinas

Mato Grosso terá uma fábrica da Du Maire Máquinas Agrícolas. O grupo argentino já afirmou ao governador Blairo Maggi a intenção de vir para o Estado, mas ainda não definiu onde se instalará, se em Campo Verde ou Primavera do Leste.

Fertilizantes

A Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) defende que para as amostragens realizadas em MT sobre “suposta adulteração” em fertilizantes deve ser fiscalizada pelo Mapa com sanções como “multas, suspensão ou cancelamento do registro dos produtos”, além de outras penalidades.

Internet

O governo quer criar um programa que garanta acesso à internet banda larga com preços acessíveis. A afirmação é do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Segundo ele, estão sendo discutidos preços entre R$ 25 e R$ 35 por mês. Está em estudo a utilização de rede de fibra ótica da antiga Eletronet e que agora pertence ao governo. O mecanismo de acesso pode ser feito em parceria com empresas privadas.

Reajuste

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) teve alta de 1,10% em março, ligeiro aumento em relação à taxa de fevereiro, de 1,08%, segundo informações da Fundação Getulio Vargas (FGV). A alta foi influenciada pela elevação dos preços de produtos no atacado, que respondem por 60% da formação geral do IGP-10.

Celular

O número de celulares em operação no Brasil chegou a 176,77 milhões em fevereiro, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Somente no mês passado, foram vendidos 1,17 milhão de novos telefones móveis, crescimento de 0,67% em relação ao total de celulares vendidos em janeiro.

Embalagens

As vendas de embalagens plásticas flexíveis, segmento que reúne desde a fabricação das sacolas utilizadas em supermercados até embalagens de arroz ou feijão, deverão crescer 8% este ano. A previsão é da Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief) e leva em consideração a projeção de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 5,3% este ano.

Alumínio

A produção de alumínio primário caiu 2,8% em fevereiro. Foram produzidas 117,2 mil toneladas, ante às 120,6 mil toneladas em 2009, uma diferença de 3,4 mil toneladas. Os dados são da Associação Brasileira do Alumínio (Abal).

Tributos

Pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que 58,2% dos empresas, equivalente a 1,193 indústrias, rejeitam o uso do sistema de substituição tributária, em que é dada a algumas empresas a responsabilidade pelo pagamento de seu próprio tributo e também aquele devido por fornecedores ou clientes da mesma cadeia produtiva. O estudo mostra que a maior rejeição ocorre entre as empresas de pequeno porte, com índice de 62,7%. Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Senador Osmar Dias critica decisão do sobre o Coritiba

Posted on dezembro 17, 2009. Filed under: Belo Monte, Brasileirão 2009, Chávez, Coritiba, Estadão, FMI, Itamaraty, Mercosul, MST, Rachel de Queiroz, TSE, Venezuela |

>

Sponholz

Sponholz
<!– function paginaSlideShow218385(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O senador Osmar Dias (PDT-PR) criticou nesta quarta (16) a punição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva ao clube de futebol Coritiba pela invasão de campo na última rodada do campeonato brasileiro de futebol. A decisão do STJD foi tomada nesta terça (15). Além de ter sido rebaixado para a série B, após perder para o fluminense, o time terá de pagar R$ 610 mil e não vai poder jogar em casa durante 30 jogos. Para o senador, o STJD “age de acordo com o interesse dos clubes cariocas”. Para resolver o problema, Osmar Dias propôs que tribunal seja transferido do Rio de Janeiro para Brasil para que “tenha mais isenção”. Veja a pancadaria do último jogo do Coritiba no Brasileirão 2009.

Jarbas repudia censura ao Estadão

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Foto
O SENADOR JARBAS VASCONCELOS, NO PLENÁRIO DO SENADO

<!– function paginaSlideShow218386(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) repudiou nesta quarta (16) a decisão do Supremo Tribunal Federal que mantém a censura imposta por um juiz de primeira instância ao jornal O Estado de S. Paulo. O jornal está proibido de divulgar informações sobre a operação Boi Barrica, da Polícia Federal, em que é investigado o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).Jarbas assinalou que a jurisprudência firmada põe em risco a liberdade de expressão e o direito à informação. Em sua avaliação, ao aceitar a possibilidade de censura prévia, o STF foi “inteiramente incoerente” com sua decisão anterior de revogar a Lei de Imprensa.

TSE rejeita cassação de Anchieta Jr

Antônio Cruz/ABr
Foto
O GOVERNADOR DE RORAIMA, JOSÉ DE ANCHIETA JÚNIOR

<!– function paginaSlideShow218393(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Tribunal Superior Eleitoral rejeitou há pouco o pedido da Procuradoria-Geral Eleitoral pela cassação do governado de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB), por abuso econômico. Os ministros do Supremo entenderam que não havia provas suficientes que justigficassem a cassação de Anchieta, que assumiu o cargo em 2007, após a morte do governador Ottomar Pinto.

Falta de licença atrasará Belo Monte

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Foto
O MINISTRO EDISON LOBÃO, NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

<!– function paginaSlideShow218384(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O ministro Edson Lobão (Minas e Energia), afirmou nesta quarta (16) que a dificuldade em obtenção de licença ambiental para a usina hidrelétrica de Belo Monte (PA) deve atrasar o empreendimento em um ano. A usina, classificada pelo ministro como a “joia da coroa”, estava prevista pelo Programa de Aceleração do Crescimento para ser concluída em 2014. No entanto, o projeto enfrenta forte resistência dos povos indígenas da região de Altamira (PA) e de entidades ambientais. O Ibama é o órgão responsável pelo licenciamento, e tem recebido pressão do governo para acelere o processo de licenciamento. Belo Monte terá potência instalada de 11.233 MW. Será a segunda maior usina do país, atrás apenas de Itaipu.

Câmara deixa Brasil financiar o FMI

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Foto
O PLENÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS NESTA QUARTA

<!– function paginaSlideShow218380(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta (16) o Projeto de Decreto Legislativo 1791/09, que formaliza o aumento da participação do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI). Pela proposta, o país passa a ter US$ 10 bilhões (o equivalente a cerca de R$ 17,5 bilhões) o que também resultará no aumento do poder de voto do Brasil nas decisões do órgão. A matéria será votada ainda pelo Senado Federal.

Fotografia é história
Modesta Rachel
Foto

<!– function paginaSlideShow218350(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A escritora cearense Rachel de Queiroz – falecida em novembro de 2003 – em seu apartamento na Rua Rita Ludolf, no Leblon. 1993.

Como foiFui à casa de dona Rachel para fotografá-la para uma matéria da Veja. A escritora foi extremamente agradável, como de outras vezes. Mas, sobretudo, modesta. Depois das fotos, demonstrou-me seu desapego à egolatria. Quando lhe perguntei sobre o que achava da fama, ela respondeu: – Greta Garbo já dizia que passa-se uma metade da vida à procura da fama. E a outra metade, usando óculos escuros para esconder-se dela. Orlando Brito.

Itamaraty montou stand na COP-15

Orlando Brito

Foto

<!– function paginaSlideShow218340(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O stand montado pelo Itamaraty no Bella Center (foto), durante a Conferência do Clima em Copenhague, foi local de palestras de vários setores ligados ao tema. Também tiveram voz representantes do empresariado brasileiro, entre eles a Camargo Corrêa, o BNDES, a Vale do Rio Doce, a Fiesp e a CNA. A senadora Kátia Abreu, falando em nome do agro-negócio, encerrou seu ciclo de palestras dizendo que os ambientalistas não podem desconsiderar os problemas da produção de alimentos, assim como os produtores rurais têm de levar em conta as preocupações ambientais. (Orlando Brito, de Copenhague)

Congresso aprova crédito extraordinário

<!– function paginaSlideShow218359(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Congresso aprovou nesta quarta (16) oito projetos que abrem crédito extraordinário para diversos ministérios e órgãos públicos. Entre eles, estão R$ 16,3 milhões ao Supremo Tribunal Federal, à Justiça Eleitoral, à Presidência da República e ao Ministério Público da União. Também foi aberto crédito R$ 2,2 milhões, ao Orçamento da Seguridade Social para, entre outras destinações, ser usado pelo Ministério do Desenvolvimento Social.

Chávez condena capitalismo na COP15

<!– function paginaSlideShow218356(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, aproveitou seu discurso na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 15) para atacar o capitalismo, definido por ele como o “grande mal do mundo”. Em uma analogia às palavras usadas por Karl Marx e Friedrich Engels, o mandatário venezuelano acusou os países ricos de “irresponsabilidade e falta de vontade política” para alcançar um acordo. Além do discurso do venezuelano, o dia foi marcado pela confusão e desorganização da conferência. Assista aqui o vídeo.

CPMI do MST fica para fevereiro

José Cruz/ABr
Foto
REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DA CPMI DO MST NO CONGRESSO

<!– function paginaSlideShow218348(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A CPMI do MST vai iniciar os trabalhos em fevereiro do ano que vem. A comissão tvai investigar um esquema de repasse ilegal de recursos públicos ao Movimento dos Sem Terra. Nesta quarta (16), os integrantes da CPMI aprovaram o cronograma da comissão que inclui audiências, análise de requerimentos e “visitas de autoridades”, e nada de convocações. Entre as instituições que deverão participar de oitivas da CPI está o Tribunal de Contas da União, a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União. Foram poupados os ministros Reinhold Stephanes (Agricultura) e Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário).

Olha o clima!

Olha o clima!

Congresso paraguaio vetará Venezuela

http://www.congresso.gov.py
Foto
LIDER DO CONGRESSO PARAGUAIO, MIGUEL CARRIZOSA

<!– function paginaSlideShow218344(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente do Legislativo paraguaio, Miguel Carrizosa, afirmou hoje que o Congresso do país deverá rejeitar a entrada da Venezuela no Mercosul devido às tentativas de ingerência que são empreendidas pelo presidente Hugo Chávez. “Os irmãos venezuelanos vão nos desculpar, mas enquanto Chávez se mantiver nessa atitude intervencionista, não vamos dar a aprovação para a entrada da Venezuela no Mercosul”, afirmou Carrizosa. A informação é da agência Ansa. Fonte: www.claudiohumberto.com.br

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Governo marca leilão de Belo Monte

Posted on novembro 1, 2009. Filed under: Belo Monte, governo, leilão |

>

Senado debate divergências sobre obras do PAC

<!– function paginaSlideShow213932(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

As comissões de Constituição e Justiça, Meio Ambiente e Defesa do Consumidor, do Senado Federal, realizarão uma audiência pública para debater as divergências entre o Executivo e o Tribunal de Contas da União (TCU) quanto à aplicação da Lei de Licitações no acompanhamento das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Responsável pela elaboração no Senado de substitutivo a projeto do Executivo que resultou na Lei de Licitações (Lei nº 8.666 de 1993), o senador Pedro Simon (PMDB-RS) lembrou que a nova norma foi considerada um grande avanço na época e que contou com apoio decisivo do PT para sua aprovação. Simon pede que sejam convidados, entre outros, para a audiência o ministro Paulo Bernardo (Planejamento) e o presidente do TCU, ministro Ubiratan Aguiar.

STF analisará ação contra Eduardo Azeredo

<!– function paginaSlideShow213931(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai analisar no dia 4 de novembro a denúncia contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) por envolvimento com o mensalão mineiro. O parlamentar é acusado por peculato e lavagem de dinheiro. O senador e outros investigados, incluindo o empresário Marcos Valério, são acusados de montar e gerir um suposto esquema de “caixa dois” durante a campanha para a reeleição de Azeredo ao governo de Minas Gerais, em 1998. A denúncia foi apresentada ao Supremo pelo ex-procurador geral da República Antonio Fernando Souza. Os ministros vão analisar se a denúncia apresenta indícios de autoria e materialidade dos crimes apontados pelo procurador. Presentes os indícios, a denúncia é recebida e a Corte abre ação penal contra o investigado, que se torna réu.

Sponholz

Sponholz

Rosalba cobra recursos para educação

senado.gov.br
Foto
SEN. ROSALBA CIARLINI

<!– function paginaSlideShow213930(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN) cobrou do governo um maior aporte de investimentos no setor de educação. Ao comentar a aprovação, pelo Senado, da proposta que reduz o percentual da Desvinculação das Receitas da União (DRU) incidente sobre recursos da educação, a senadora lembrou que, com a medida, o Ministério da Educação passará a contar anualmente com cerca de R$ 9 bilhões a mais em seu orçamento, podendo assim dar mais atenção, em especial, ao ensino fundamental. Para Rosalba, o país terá maiores chances de desenvolvimento se der prioridade à educação, “desde a pré-escola até a universidade”.

Governo marca leilão de Belo Monte

<!– function paginaSlideShow213929(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governo federal marcou para o dia 21 de dezembro o leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA). De acordo com a portaria do Ministério de Minas e Energia, publicada nesta sexta (30) no Diário Oficial da União, a concessão terá duração de trinta anos e o início de suprimento de energia está previsto para 2014. O leilão depende ainda da emissão da licença ambiental prévia da usina para ser realizado. A obra também aguarda autorização do Tribunal de Contas da União sobre o projeto de viabilidade ambiental. A usina de Belo Monte terá capacidade para gerar ao menos 11 mil megawatts. A usina é considerada o maior projeto hidrelétrico do Brasil, depois da binacional de Itaipu, uma parceria entre Brasil e Paraguai. O custo total do projeto foi estimado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) em R$ 16 bilhões.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...