candidatura

>A máquina em campanha

Posted on outubro 20, 2010. Filed under: A máquina em campanha, Ancine, candidatura, Dilma Rousseff, eleições 2010, Funcionários da Petrobras, Merval Pereira, Tropa de Elite 2 |

>

Por Merval Pereira
Eleições 2010 – Mais grave do que terem colocado o nome do diretor de “Tropa de elite 2”, José Padilha, num manifesto a favor da candidatura Dilma Rousseff à Presidência da República sem sua autorização é o fato de que dirigentes da Agência Nacional de Cinema (Ancine) atuaram fortemente para que pessoas ligadas à indústria assinassem o documento.
Há indicações de que vários outros cineastas e atores, muitos inscritos à revelia, foram procurados por funcionários da Ancine na tentativa de engrossar a lista dos apoiadores da candidatura oficial.
Criada em 2001, a Agência Nacional do Cinema é uma agência reguladora que tem como atribuições, segundo a definição oficial, “o fomento, a regulação e a fiscalização do mercado do cinema e do audiovisual no Brasil”.
A Ancine, por sinal, foi uma das responsáveis pela escolha dos jurados que definiram o filme “Lula, o filho do Brasil” como o representante brasileiro ao Oscar de melhor filme estrangeiro.
Esse é um dos exemplos mais visíveis da utilização da máquina pública na campanha eleitoral de maneira despudorada, a começar pelo próprio presidente da República, que, na reta final da campanha — e com a disputa demonstrando estar mais difícil do que imaginavam seus estrategistas —, já não se incomoda de gravar participações nos programas de propaganda eleitoral no horário do expediente oficial.
E utiliza prédios públicos, como o Palácio da Alvorada, para reuniões políticas com os coordenadores da campanha da candidata oficial.
Seguindo o exemplo de seu chefe, também os ministros de Estado já não tentam disfarçar a campanha que fazem, misturando suas funções de Estado com as de cabo eleitoral da candidata oficial.
No lançamento do programa de saúde da candidatura oficial, a foto dos ministros da Saúde, José Gomes Temporão, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, ao lado do candidato a vice-presidente da chapa oficial, Michel Temer, os três ostentando uma camiseta com propaganda de Dilma Rousseff, é o exemplo da falta de pudor que domina o primeiro escalão governamental.
Da mesma maneira, funcionários de vários escalões das empresas estatais estão sendo estimulados, ou diretamente ou pela leniência de seus chefes imediatos, a fazer campanha usando o e-mail das próprias empresas.
Funcionários da Petrobras estão distribuindo mensagens com propaganda eleitoral a favor de Lula e Dilma, ou mesmo repassando informações caluniosas contra o candidato do PSDB.
Um deles tem o seguinte aviso, todo em caixa alta: “UMA GRANDE VERDADE!!!! REPASSE ESTE E-MAIL PRA TODOS E NÃO VAMOS DEIXAR A ONDA VERMELHA (PT) PARAR DE CRESCER POR TODO PAÍS!!!!”
A despreocupação é tamanha que já não escondem a identificação. As mensagens têm nome, telefone, cargo.
Entre as muitas mensagens que circulam, uma é da Gerência Setorial de Serviços de Segurança Patrimonial de Escritórios da Petrobras e tem a seguinte identificação: Serviço de Infraestrutura e Segurança Patrimonial. Regional Sudeste. Serviços Compartilhados. CQAY.
Outro é da Eletrobras, do Departamento de Contratações — DAC Divisão de Suprimentos — DACS.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>TSE rejeita candidatura de Jader Barbalho

Posted on setembro 2, 2010. Filed under: candidatura, Jader Barbalho, TSE |

>

Do blog do Noblat
Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por 5 a 2, decidiram barrar a candidatura ao Senado do deputado Jader Barbalho (PMDB-PA) com base na Lei da Ficha Limpa.

O candidato pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Caso isso ocorra, até que seja julgado o recurso, ele pode continuar a fazer campanha e a concorrer nas eleições.

Jader foi enquadrado nas novas regras de inelegibilidade por ter renunciado ao mandato de senador, em 2001, para escapar de cassação após ser acusado de participar de um esquema de desvio de recurso da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Banco do Pará (Banpará).

Para o relator do recurso, ministro Arnaldo Versiani, a renúncia de Jader atenta contra o princípio da moralidade.

A Lei Ficha Limpa estabelece que o parlamentar que renunciar ao cargo antes do julgamento do Conselho fica inelegível até o término do mandato para o qual foi eleito e nos oito anos subseqüentes.

Dessa forma, Jader dever ficar inelegível até janeiro de 2011.

O julgamento de hoje tem como base recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE) que recorreu da decisão do TRE-PA que aprovou o registro do candidato no início do mês.

Na ocasião, por 4 votos a 2, os juízes entenderam que a Lei da Ficha Limpa não pode valer para fatos ocorridos depois da sua criação.

As novas regras de inelegibilidade foram sancionadas no dia 4 de junho deste ano.
Votaram contra a candidatura de Jader: Arnaldo Versiani (relator), Cármen Lúcia; Aldir Passarinho Júnior; Hamilton Carvalhido e Ricardo Lewandowski (presidente).

Votaram a favor: Marco Aurélio Mello e Marcelo Ribeiro.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Eleições 2010: TRE de MT indefere candidatura de Pedro Henry a deputado federal

Posted on julho 31, 2010. Filed under: Blairo Maggi, candidatura, Carlos Abicalil, Chico Daltro, deputado federal, eleições 2010, indefere, Pedro Henry, Silval Barbosa, TRE de MT |

>

Em plena correria na organização dos últimos detalhes para o lançamento de sua candidatura a reeleição de deputado federal, em grande estilo na cidade de Cáceres, Pedro Henry acaba de leval um balde de água gelada.

Cidade de Cáceres Mato Grosso – base eleitoral de Pedro Henry

É o primeiro a ser punido em Mato Grosso com base na Lei da Ficha Limpa. Em sessão neste sábado, 31 de julho, o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral decidiu, por unanimidade, indeferir o pedido de registro da candidatura à reeleição do deputado federal. O progressista já estava com a situação jurídica complicada. Tinha sido condenado à inelegibilidade por três anos, o que o tira da disputa eleitoral. Além disso, só está no cargo por força de uma liminar obtida no TSE, pois foi cassado pelo TRE por compra de votos no pleito de 2006.
 

De acordo com a legislação, tornam-se inelegíveis os condenados por decisão transitada em julgado ou proferida por um órgão colegiado. No dia 20 de julho, o TRE declarou o candidato inelegível por três anos, sob acusação de abuso de poder econômico e utilização indevida de meio de comunicação em favor da candidatura de seu irmão Ricardo Henry (PP) à Prefeitura de Cáceres.
Mesmo que o deputado vem seguindo ritmo intenso de campanha. Agora é esperar para ver como os candidatos a majoritária como, governador Silval Barbosa (PMDB), o candidato a vice e presidente do diretório de seu partido, Chico Daltro (PP) e os candidatos a senado Blairo Maggi (PR) e Carlos Abicalil (PT, que estvam com presença confirmada, vão se comportar em relação ao evento.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Deputado José Riva tem mandato cassado por comprar votos

Posted on julho 27, 2010. Filed under: candidatura, cassou, Ficha Limpa, José Riva, Tribunal Regional Eleitoral de MT, TSE |

>

José Riva

<!– function paginaSlideShow240545(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i<10; i++) { try { if (document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display == "") { index = i; } document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display = 'none'; document.getElementById("link_" +id+ "_" +i).style.fontWeight = ''; } catch (e) {} } switch (num) { case "+": if ((index != -1) && (index 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Tribunal Regional Eleitoral de MT, cassou nesta terça  (27), por unanimidade, o mandato do presidente da Assembléia, José Geraldo Riva (PP), que foi denunciado pelo Movimento de Combate a Corrupção. Segundo o processo, Riva e o vereador Edemar Galio (PP), estavam comprando votos. O TRE conlcuiu que as provas são “robustas”. 
Com esse julgamento, Riva se enquadra na lei da ficha-limpa, e ficará com registro interrompido. Sua candidatura depende agora da decisão do TSE.
Em 2009, Riva entrou com um processo pedindo censura ao blog Prosa e Política, que  na época foi impedido de “emitir opinião pessoal” sobre qualquer um dos mais de 118 processos do deputado, por improbidade. Já este ano, Riva moveu ainda, três processos pedindo a prisão de blogueiros, além de indenização de dois milhões de reais.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Dilma registra candidatura no TSE e projeta investir R$ 187 milhões

Posted on julho 5, 2010. Filed under: campanha eleitoral, candidatura, Dilma, TSE |

>

Wilson Dias/ABr
DILMA ROUSSEFF

<!– function paginaSlideShow238505(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i<10; i++) { try { if (document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display == "") { index = i; } document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display = 'none'; document.getElementById("link_" +id+ "_" +i).style.fontWeight = ''; } catch (e) {} } switch (num) { case "+": if ((index != -1) && (index 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) apresentou nesta segunda (5) o pedido de registro de candidatura, ao Tribunal Superior Eleitoral. 
Dilma declarou ter patrimônio de R$ 1 milhão, enquanto o vice da petista, Michel Temer (PMDB), afirmou possuir bens no valor de R$ 6 milhões. 
Os candidatos também mostraram certidões negativas. O prazo para os políticos apresentarem o pedido ao TSE termina às 19h de hoje. 
Investimento na campanha deve chegar a 187 milhões de Reais
O gasto estimado para a campanha petista é de R$ 187 milhões:  R$ 157 milhões arrecadados e o PMDB, do vice Michel Temer, deve contribuir com R$ 30 milhões.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Temas de destaques no discurso de Serra na convenção do PSDB na Bahia

Posted on junho 13, 2010. Filed under: Bahia, candidatura, PSDB, Serra |

>

O PSDB lançou oficialmente a candidatura de José Serra à Presidência da República, na convenção realizada em Salvador. Serra fez um discurso bastante crítico ao governo Lula, especialmente nos temas que dizem respeito à democracia e ao estado de direito. Discursos dessa natureza são pensados com alguma antecedência, e o do candidato tucano foi escrito certamente antes de saber a manchete da Folha neste sábado: ela deixa claro que o dossiê armado pela canalha dos novos aloprados atingia também Eduardo Jorge Caldas Pereira, vice-presidente do PSDB (ver posts abaixo). E, como de hábito, recorrendo a ilegalidades e à máquina do estado, tornada máquina policial, para transformar inocentes em culpados, tentando fazer com que o jogo político seja decidido nas esferas do submundo.
Abaixo, uma seleção dos temas abordados por Serra, com trechos do discurso:
DEMOCRACIA
Acredito na democracia, e isso não é uma crença de ocasião. Muitos políticos ou partidos que se apresentam como democratas desdenham a democracia nas suas ações diárias. Mas, ao contrário de adversários políticos, para mim, o compromisso com a democracia não é tático, não é instrumental. É um valor permanente. Inegociável.
ESTADO DE DIREITO
Não é com o menosprezo ao Estado de Direito e às liberdades que vamos obter mais justiça social duradoura.  Não há justiça sem democracia, assim como não há democracia sem justiça.
LIBERDADE DE IMPRENSA
Acredito na liberdade de imprensa, que não deve ser intimidada, pressionada pelo governo, ou patrulhada por partidos  e movimentos organizados que só representam a si próprios, financiados pelo aparelho estatal.  Não aceito patrulha de idéias – nem azul nem vermelha. A sociedade é multicolorida, multifacetada, plural. E assim deve ser.
ORGANIZAÇÕES PELEGAS
Acredito na liberdade de organização social,  que trabalhadores e setores da sociedade se agrupem  para defender interesses legítimos, não para que suas entidades sirvam como correia de transmissão de esquemas de Poder. Organizações pelegas e sustentadas com dinheiro público devem ser vistas como de fato são: anomalias.
UM PAÍS SEM LUIZ 14
Acredito que o Estado deve subordinar-se à sociedade, e não ao governante da hora, ou a um partido. O tempo dos chefes de governo que acreditavam personificar o Estado ficou pra trás há mais de 300 anos. Luis 14 achava que o estado era ele. Nas democracias e no Brasil, não há lugar para “Luíses” assim.
INTIMIDAÇÃO DA OPOSIÇÃO
Acredito que a oposição deve ser considerada como competidora, adversária, e não como inimiga da pátria. E, num regime democrático, jamais deve ser intimidada e sofrer tentativa de aniquilação pelo uso maciço do aparelho e das finanças do Estado.
PATRIOTISMO DEMOCRÁTICO
Acredito que a disputa partidária e eleitoral não deve sobrepor-se aos interesses do Brasil e dos brasileiros. Somos irmãos na pátria e, juntos, temos obrigação de construir um País melhor. Eu sempre agi assim. Sempre  acreditei no patriotismo democrático e adotei a colaboração de quem tinha o que somar, independente da carteirinha partidária.
O BRASIL E OS DITADORES
Acredito nos direitos humanos, dentro do Brasil e no mundo. Não devemos elogiar continuamente ditadores em todos os cantos do planeta só porque são aliados eventuais do partido de governo. Não concordo com a repressão violenta das idéias, a tortura, o encarceramento por ideologia, o esmagamento de quem pensa diferente.
CONGRESSO NACIONAL
Acredito no Congresso Nacional como a principal arena do debate e do entendimento político, da negociação responsável sobre as novas leis, e não como arena de mensalões,  compra de votos e de silêncios.
JUSTIÇA
Acredito no valor da Justiça independente, que obedece, mas não faz, às leis e é guardiã do nosso Estado de Direito. E prezo as instituições que controlam o Poder Executivo, como os Tribunais de Contas e o Ministério Público, que nunca vão ser aprimoradas por ataques sistemáticos de governos que, na verdade, não querem ser controlados.
CORRUPÇÃO
Acredito que são os homens que corrompem o poder e não o poder aos homens.  Quem justifica deslizes morais dizendo que está fazendo o mesmo que outros fizeram, ou que foi levado a isso pelas circunstâncias, deve merecer o repúdio da sociedade. São os neo-corruptos.
“NÃO TENHO PADRINHOS”
Não tenho esquemas, não tenho máquinas oficiais, não tenho patotas corporativas, não tenho padrinhos, não tenho esquadrões de militantes pagos com dinheiro público. Tenho apenas a minha história de vida, minha biografia e minhas idéias. E o apoio de vocês que me conhecem e compartilham  minhas crenças.
A ORIGEM POBRE E O USO POLÍTICO DESSA CONDIÇÃO
Venho de uma família pobre. Vim de baixo. Sempre falei pouco disso, e nunca com o objetivo de legitimar meus atos ou de inflar o mérito eventual dos meus progressos pessoais ou de minhas ações como político. Eu sou o que sou. Sem disfarces e sem truques. Tenho uma cara só e uma só biografia. E é assim que eu sou, é assim que eu vou me expor ao Brasil.
“GANHEI DINHEIRO VENDENDO LARANJA E DANDO AULA DE MATEMÁTICA”
Ainda criança, na minha vizinhança, vi gente morrer sem assistência médica, vi brasileiros com deficiência jogados ao Deus dará.  Passei a andar sozinho de bonde e de ônibus lotados, como sardinha em lata, desde oito ou nove anos de idade. Ganhei dinheiro, quando criança, vendendo laranja. Quando jovem, dando aula de matemática. Eu sei onde o calo aperta. Eu sei como é a vida real das famílias pobres deste país, pois sou filho de uma delas.
“NÃO CAI DE PÁRA-QUEDAS”
Não comecei ontem e não caí de pára-quedas. Apresentei-me ao povo brasileiro, fui votado, exerci cargos, me submeti ao julgamento da população, fui aprovado e votado de novo. Assim foi em cada degrau, em cada etapa da minha vida. Isso demonstra meu respeito pela vontade popular. 80 milhões de votos ao longo da vida pública –  80 milhões de vezes  brasileiros me disseram sim, siga em frente que nós te apoiamos.
SEGURANÇA PÚBLICA E TRÁFICO
A maioria dos brasileiros quer Segurança para suas famílias, quer que o governo federal assuma de vez, na prática, a coordenação efetiva dos esforços nessa área, ou o Brasil não terá como ganhar a guerra contra o crime. Eu também quero isso. A maioria dos brasileiros  quer se ver livre do tráfico de drogas, que fomenta o crime, destrói o futuro de jovens e de suas famílias. Quer a recuperação dos dependentes químicos. Eu também quero.
MEIO AMBIENTE
A maioria dos brasileiros quer um meio ambiente saudável, cada vez mais limpo, onde o ar que respiramos e a beleza de nossas terras e florestas sejam protegidos. Eu também quero.
TRÊS RECORDES
Temos de afastar-nos de três recordes internacionais que em nada nos ajudam a satisfazer nossas necessidades e preencher nossas esperanças: o Brasil hoje tem uma taxa de investimento governamental das menores  do mundo,  a maior taxa de juros reais do mundo e a maior carga tributária de todo o mundo em desenvolvimento.
COMRPOMISSO NA ECONOMIA
Na economia, meu compromisso é fazer o Brasil crescer mais e mais rapidamente. Vamos abrir um grande canteiro de obras pelo Brasil inteiro, como fizemos em São Paulo.  Estradas, portos, aeroportos, trens urbanos, metrôs, as mais variadas carências na infra-estrutura serão enfrentadas sem os empecilhos das ideologias que nos impedem de dotar o Brasil das do capital social básico necessário. É a falta de infra-estrutura que cria gargalos para o crescimento futuro e ameaça acelerar a inflação no presente.
COMPROMISSO NA EDUCAÇÃO E NO BOLSA FAMÍLIA
Não vou exaurir aqui as propostas  para as diferentes áreas. Já as tenho feito pelo Brasil afora. Mas faço questão de explicitar três compromissos com a Educação. O primeiro é dar prioridade à qualidade do ensino, que exige reforçar o aprendizado na sala de aula, começando por colocar dois professores por sala da primeira série do Ensino Fundamental. O segundo, é criar mais de 1 milhão de novas vagas em novas escolas técnicas, com cursos de um ano e meio de duração, de nível médio, por todo o Brasil.  O terceiro é multiplicar os cursos de qualificação, mais curtos, para trabalhadores desempregados. Vejam o que fizemos em São Paulo. Vamos fazer muito mais em todos os estados do Brasil. E reforçaremos o Bolsa Família, dando uma ajuda de custo para os jovens cujas famílias dependem desse programa, para que possam se manter enquanto fazem os cursos profissionalizantes.
COMPROMISSO NA SAÚDE
Dou outro exemplo de projeto,  para a Saúde: vamos ter, ao final de dois anos, em todos os Estados, 150 AMEs, Ambulatórios Médicos de Especialidades, policlínicas com capacidade realizar 27 milhões de consultas e fazer 63 milhões de exames por ano.
OTIMISMO
Nunca estive tão seguro a respeito do quê e de como fazer para que o nosso Brasil vença seus problemas. Sei o que fazer para que o nosso Brasil aumente a prosperidade econômica dos brasileiros de forma sustentada. E, importante, para que se obtenha mais progresso social para todos os que trabalham, para os desamparados e para que o nosso País assegure oportunidades aos nossos jovens.  Fonte: Blog de Reinaldo Azevedo
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Dilma critica Serra por por declarar que governo da Bolívia é cúmplice na exportação de cocaína para o Brasil

Posted on maio 29, 2010. Filed under: campanha, candidata, candidatos, candidatura, Dilma Roussef, Dilma Rousseff, Discurso, droga, drogas, eleições, eleições 2010, José Serra, Presidência, PSDB, PT, sc, tráfico |

>

Pela primeira vez desde que se tornou pré-candidata do PT à Presidência, a ex-ministra Dilma Rousseff cumpriu agenda em Santa Catarina. Durante o Encontro de Habitação da Agricultura Familiar, em Chapecó, nesta sexta-feira, a petista aproveitou para criticar duramente as declarações de José Serra (PSDB) sobre o tráfico de cocaína no Brasil. “Isso não é papel de estadista”, afirmou ela.

Durante visita ao Rio de Janeiro na última quarta-feira, o tucano disse que a droga vem de “80% a 90% da Bolívia, que é um governo amigo. Você acha que a Bolívia iria exportar 90% da cocaína consumida no Brasil sem que o governo de lá fosse cúmplice? Impossível”, declarou Serra.
De acordo com a petista, porém, não é atitude de nenhum estadista atribuir responsabilidade ao governo boliviano pelo tráfico de drogas no Brasil. “Incriminar um governo é diferente de dizer que da Bolívia vem droga”, explicou a ex-ministra que ainda afirmou que a Polícia Federal (PF) e o Ministério da Justiça estão colaborando “intensamente” em ações conjuntas com o país vizinho para o combate ao tráfico. Dilma não perdeu a oportunidade de alfinetar Serra. “É prudente não atribuir, sem informações e provas, responsabilidades ao governo boliviano. Não é papel de um estadista fazer isso”.
Depois do evento da agricultura, a petista concedeu entrevista à TV RSB local, filiada à Rede Globo, e à RIC Record. Entre os temas discutidos em Chapecó, a energia ganhou destaque, quando a ex-ministra afirmou que não há viabilidade econômica no Brasil para investimentos em energia solar, apontando para a eólica como a melhor alternativa.
De Chapecó, Dilma Rousseff segue para Belo Horizonte (MG), para a abertura do Congresso das Mulheres do PDT-MG, às 19 horas desta sexta. Fonte: Veja
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Marina Silva lançará candidatura no domingo

Posted on maio 13, 2010. Filed under: candidatura, Marina Silva, PV |

>

Senado Marina Silva

<!– function paginaSlideShow233595(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i<10; i++) { try { if (document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display == "") { index = i; } document.getElementById("img_" +id+ "_" +i).style.display = 'none'; document.getElementById("link_" +id+ "_" +i).style.fontWeight = ''; } catch (e) {} } switch (num) { case "+": if ((index != -1) && (index 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O PV anunciou nesta quarta (12) que o lançamento oficial da candidatura de Marina Silva à Presidência será no próximo domingo (16) em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. 
Segundo a nota, assinada pelo coordenador da pré-campanha presidencial da senadora, Alfredo Sirkis, é aguardada para o evento a possível oficialização do presidente da Natura, Guilherme Leal, como vice na chapa de Marina. 
A senadora é a última entre os três candidatos melhor colocados nas pesquisas a lançar oficialmente a pré-candidatura. Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), foram anunciados oficialmente em fevereiro e abril, respectivamente.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Serra vai à luta

Posted on abril 18, 2010. Filed under: campanha, candidatura, José Serra, PSDB |

>

Depois de unificar o PSDB em torno da sua candidatura, José Serra começa a pavimentar o caminho rumo ao seu objetivo: liderar o Brasil na era pós-Lula

Paulo Vitale
EM PAZ
O candidato do PSDB à Presidência, José Serra: campanha na rua. Agora, com o partido unido.

Ungido há menos de dez dias candidato oficial do PSDB à Presidência da República, José Serra não poderia encontrar ambiente mais propício para iniciar sua campanha. Duas novidades contribuem para isso. A primeira é que os tucanos estão animadíssimos – o que havia muito tempo não ocorria. Desde 2003, quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso colocou a faixa presidencial no pescoço do petista Luiz Inácio Lula da Silva, os militantes do PSDB passaram a amargar uma espécie de fossa de fundo existencial. A saída do poder jogou o partido numa crise de identidade em que ninguém sabia ao certo que bandeiras defender ou que líderes seguir. Na semana passada, o PSDB parecia ter reencontrado o seu eixo. Ao barulhento lançamento da candidatura de Serra, acorreram mais de 6 000 militantes do partido. Vindos de todos os estados, carregavam bandeiras, espremiam-se uns contra os outros e cantavam sem parar no amplo auditório alugado pela sigla. A maioria usava camisetas nas cores azul e amarelo, algumas com inscrições como “temos orgulho do que criamos”. Era um clima diametralmente oposto ao registrado nos últimos encontros do partido. O motivo da animação é que o PSDB, finalmente, tem um projeto definido, aprovado e defendido por todos na sigla: eleger José Serra presidente da República. E eis aí o segundo elemento a pavimentar o caminho de Serra nessa campanha. Seu partido vai unido para a briga. E isso, tratando-se de PSDB, é outra grande novidade.
O próprio Serra é o maior responsável pela unificação do partido. Nas duas últimas eleições presidenciais, o PSDB marchou dividido. Em 2002, a primeira candidatura de Serra à Presidência só se consolidou ao custo de engalfinhamentos com tucanos diversos, como o ex-ministro Paulo Renato e o senador Tasso Jereissati. Em 2006, Geraldo Alckmin foi o escolhido – mas também só depois de emparedar Serra e toda a cúpula de seu partido. Essas contendas internas costumavam causar fraturas que custavam a cicatrizar. Como resultado, cada um remava para um lado e o barco tucano não saía do lugar. Desta vez, a situação é outra. Serra impôs sua ascendência de forma natural. Depois de passar pelo governo Fernando Henrique, pela prefeitura e pelo governo de São Paulo, ele é hoje reconhecido por seus pares como o mais preparado entre os tucanos para enfrentar o desafio de presidir o país. O ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves, que também sonhava em se lançar na disputa pelo Planalto, abriu-lhe passagem, no fim do ano passado, num gesto maduro e generoso. Na festa de lançamento de Serra, foi Aécio o autor do discurso mais inflamado do dia em defesa do candidato. Os tucanos que ainda sonham ver o mineiro candidato a vice-presidente na chapa do partido quase levitaram.
No discurso com o qual se lançou, Serra refutou a narrativa petista de que o Brasil só começou a ser construído em 2003, com a chegada de Lula ao poder. Disse que o momento positivo que o Brasil vive hoje se deve às conquistas obtidas por toda a sociedade desde o fim do regime militar, sobretudo à Constituição de 1988. Criticou a política externa brasileira e a sua inclinação para sustentar regimes autoritários, como os de Cuba e do Irã, e reservou boa parte da fala para condenar a estratégia petista de estimular uma disputa entre pobres e ricos na sociedade. “Não aceito o raciocínio do nós contra eles. Não cabe na vida de uma nação. Somos todos irmãos na pátria. Lutamos pela união dos brasileiros, e não pela sua divisão”, disse. O tucano também criticou o modo petista de governar, abrigando apaniguados em todas as engrenagens da máquina pública: “O Brasil pertence aos brasileiros que não dispõem de uma ‘boquinha’, que exigem ética na vida pública porque são decentes, que não contam com um partido ou com alguma maracutaia para subir na vida”. Por fim, repisou o slogan que deverá dar o tom da sua campanha, “O Brasil pode mais”. Serra está decidido a sublinhar suas diferenças em relação ao PT, mas sabe que não levará vantagem colocando-se como o “candidato da mudança”, como fez Lula em 2002 ou Barack Obama, nos Estados Unidos, em 2008. Por isso, pretende insistir no raciocínio segundo o qual o Brasil melhorou muito desde a redemocratização, e ele, José Serra, é o mais preparado para dar continuidade a esse ciclo virtuoso.
Na forma, o discurso do ex-governador de São Paulo foi sensivelmente diferente daquele que ele proferiu em 2002, na primeira vez em que se candidatou a presidente. Naquela ocasião, ainda ministro da Saúde, discorreu de forma técnica e preocupou-se, sobretudo, em elencar seus feitos como homem público. Desta vez, preferiu apelar para a emoção: “Venho hoje, aqui, falar do meu amor pelo Brasil; falar da minha vida; falar da minha experiência; falar da minha fé; falar das minhas esperanças no Brasil”, disse. Segundo três linguistas consultados por VEJA, ao entrelaçar sua história pessoal à do país, ele se aproxima de seus ouvintes. O uso mais frequente de metáforas e imagens, afirmam os especialistas, ajuda a produzir o mesmo efeito. “Num determinado trecho, ele diz que governos, como as pessoas, têm alma. A personificação é eficaz porque as pessoas compreendem o mundo em grande parte através de referências físicas”, explica Lilian Ferrari, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Um estudo americano, publicado em 2001 na Administrative Science Quarterly, analisou discursos de presidentes americanos, de George Washington a Ronald Reagan, e descobriu que o carisma atribuído a um político está diretamente relacionado ao número de palavras de um determinado gênero que ele usa em seus discursos. Aquelas que evocam imagens, sons, gostos e outras sensações, diz o estudo, atingem mais fácil e imediatamente os ouvintes do que as que exprimem conceitos. Assim, “suor” é mais eficaz do que “esforço” e “mão” é mais forte do que “ajuda”. Serra parece ter aprendido a lição.
Embora esteja bem posicionado nas pesquisas, o candidato tucano tem a clara noção de que o mapa eleitoral brasileiro neste momento é muito mais favorável para ele nas regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste do que no Norte e no Nordeste, onde sua principal adversária, Dilma Rousseff, deve levar a melhor. Foi por isso que o primeiro estado visitado por Serra após o lançamento da sua campanha foi a Bahia. No Mercado Modelo de Salvador, ele cantou versos de Ataulfo Alves numa roda de samba (“Atire a primeira pedra, ai, ai, ai, aquele que não sofreu por amor”), amarrou uma fitinha de Nosso Senhor do Bonfim no pulso e abraçou quem passou pela sua frente. Um candidato em estado puro. Para aumentar sua massa de eleitores no Norte e no Nordeste, Serra conta com bons palanques estaduais. Ele terá, ao contrário do que ocorreu com Geraldo Alckmin em 2006, diversos candidatos competitivos disputando o cargo de governador a lhe dar sustentação nessa empreitada.
Andre Dusek/AE
NINHO DE AMOR
No lançamento da candidatura Serra, foi do ex-governador Aécio Neves o discurso mais entusiasmado. “Vice, vice”, gritava a militância
No Nordeste, o tucano subirá em palanques com probabilidade de vitória em seis dos nove estados, sendo que na Bahia, dona do quarto colégio eleitoral do país, ele terá o apoio do único candidato capaz de azedar a reeleição do petista Jaques Wagner: Paulo Souto, do DEM. Na Paraíba, Alagoas, Sergipe, Rio Grande do Norte e Piauí, Serra terá ao lado candidatos apontados entre os favoritos nas pesquisas eleitorais. Em Pernambuco, o PSDB contará com o apoio do senador Jarbas Vasconcelos, do PMDB. Apesar de ter poucas chances contra o atual governador e favorito à reeleição, o dilmista Eduardo Campos (PSB), Jarbas tem excelente reputação no estado e vai usá-la em favor do candidato tucano. O ponto fraco de Serra no Nordeste é o Ceará. Na Região Norte, ele terá bom palanque no Pará, com o ex-governador Simão Jatene. Kátia Abreu, no Tocantins, também é uma candidata forte.
Já no Sul e no Sudeste, os ventos não poderiam ser melhores para o tucano. Menos por causa da montagem dos palanques estaduais do que pela sua influência na região. Em São Paulo, por exemplo, estado que ele governou nos últimos três anos, Serra espera impor uma respeitável dianteira de 4 milhões de votos sobre Dilma. Nesse diagrama eleitoral, há um estado que se destaca: Minas Gerais, que tem o segundo maior colégio eleitoral do Brasil, com 14 milhões de eleitores. Nas últimas duas eleições presidenciais, quem venceu lá foi Lula. 
Desta vez, o ex-governador Aécio Neves, provavelmente o mais popular da história mineira, garante que colocará todo o seu peso a favor de Serra. O PSDB acredita que Aécio é capaz de dar aos tucanos a vitória no estado. E que essa vitória pode ser determinante para definir o resultado da eleição nacional. Dez entre dez militantes do PSDB, no entanto, acreditam que Aécio arrastaria muito mais votos atrás de si se aceitasse integrar a chapa, no papel de vice. Ele resiste, e diz que prefere o Senado. O próprio Serra leva a discussão em banho-maria, e diz que vai esperar até o fim de maio para anunciar quem fará dobradinha com ele.
Serra tem dito que se preparou a vida inteira para este momento. Como ele, o Brasil de 2011 não poderia estar mais maduro para iniciar uma nova fase da sua história. A era pós-Lula, que virá com Serra ou com Dilma, celebrará e colherá os frutos de 25 anos de redemocratização e dezesseis anos de estabilidade monetária. Tem, portanto, todos os elementos para ser uma primavera do desenvolvimento. Com Serra, ela poderá vir com a vantagem adicional da alternância de poder, seiva da democracia, sem a qual se corre o risco de ver vicejar o voluntarismo dos governantes, a corrupção da máquina do estado e o fenecimento das novas ideias. É em busca dessa oxigenação no poder que os tucanos, com Serra à frente, alçaram voo na semana passada. E agora estão voando juntos.

Tucano, signo Peixes

Alexandre Scheiner
ORÁCULO
Para Oscar Quiroga, o astrólogo preferido de Serra, está escrito nas estrelas: o tucano será o próximo presidente

José Serra, dizem os que o conhecem, é do tipo que se pauta sempre pela razão. Há, no entanto, pelo menos uma irracionalidade que o fascina: a astrologia. Sim, o tucano adora ler horóscopo. “Acho curioso quando alguém chega para o outro e fala: ‘Você é de Peixes?’. E acerta na mosca. Eu não tenho capacidade de entender essas interpretações, mas acho incrível, fico intrigado. Há uma espécie de ciência por trás disso”, disse Serra a VEJA. Seu astrólogo favorito é Oscar Quiroga, do jornal O Estado de S. Paulo. A pedido de VEJA, ele traçou o mapa astral do candidato. Os prognósticos não poderiam ser mais auspiciosos para o tucano. No que depender dos astros, arrisca Quiroga, José Serra está eleito.
Perfil astrológico de José Serra
Nascimento: 19/3/1942, às 2h, em São Paulo
Signo: Peixes
Sol e Netuno em oposição É movido pelo idealismo. Como todo visionário, tem dificuldade de comunicar o que vê. Por isso, é hermético e tem um ar de quem está fazendo mistério
Lua em Áries Liderança inata
Saturno e Urano em conjunção É motivado pela necessidade de reformular dogmas. Tem habilidade organizacional e de trabalhar em equipe. Consegue reunir pessoas diferentes em prol de uma mesma causa
Ascendente Aquário Sua estrela é racional-intuitiva. Navega bem em ambientes e situações complexas e sua “missão” neste planeta é descomplicar
Prognóstico para os próximos meses
É notável a coincidência de que no dia 10 de abril, quando sua pré-candidatura a presidente foi formalizada, o planeta Urano tenha atingido a localização em que o Sol se encontrava no momento do seu nascimento. Esse aspecto se repetirá em 7 de outubro. Urano representa a comunidade organizada. A natureza desse relacionamento astrológico indica que José Serra se tornará capaz, durante esse período, de reunir o apoio de diferentes vertentes em torno de sua candidatura.
A esse aspecto, agrega-se o fato de que Júpiter também atingirá a posição de seu mapa natal no fim de maio e de setembro, o que é outro sinal positivo para seu desempenho como candidato à Presidência. O sinal mais marcante e auspicioso de sua candidatura se dará entre os dias 1º e 25 de agosto de 2010, quando a Lua progredida estará em trígono com Vênus e Júpiter de seu mapa natal, indicando sucesso e bem-aventurança.
Com todos esses sinais astrológicos, seria tolice não arriscar a afirmação de que José Serra deve ser o próximo presidente do Brasil, a não ser que o mapa dos outros candidatos também possua elementos tão ou mais favoráveis do que esses. Porém, isso não significa que o caminho até lá seja um mar de rosas, pois o destino humano funciona de forma dialética. Ou seja, quando há aspectos afortunados acontecendo, como é o caso de José Serra, as circunstâncias se tornam mais duras e adversas, justamente para demonstrar a boa fortuna em andamento através da capacidade de administrar essas adversidades com perícia.”
Ler Post Completo | Make a Comment ( 2 so far )

>Wilson Santos será anunciado candidato de Zé Serra e da oposição em MT

Posted on março 12, 2010. Filed under: Antero de Barros, candidatura, DEM, Dilceu Dal, eleições 2010, Jayme Campos, PSDB, PTB, PV, Wilson Santos |

>

Dilceu Dal’Bosco, deputado do DEM


O nome mais provável para ser o candidato a vicel, com bom trânsito político, cujo perfil de votos agrada a aliança – que precisa de alguém com votos no interior, sobretudo na região Norte do Estado. Outro nome que chegou a ser cotado foi o do deputado José Domingos Fraga Filho, ex-prefeito de Sorriso.


Eleições 2010 – Uma pequena margem percentual de diferença para Jayme Campos, senador pelos Democratas, fará do prefeito de Cuiabá, Wilson Santos, candidato a governador da aliança DEM-PSDB – e que já conta com o respaldo e apoio do PTB. Os números foram conhecidos nesta sexta-feira no final da manhã, numa reunião entre o senador democrata e o prefeito tucano no escritório do ex-senador Antero de Barros, atual marqueteiro político de Santos e dono da Antecipar, instituto de pesquisa. O anuncio oficial será às 16 horas, no plenarinho da Assembléia Legislativa.

Pela manhã, o senador Jayme Campos chegou a dizer, em entrevista a uma emissora de rádio da cidade, que um ponto de diferença, pelo acordo firmado com o PSDB, seria o suficiente para estabelecer quem seria o candidato da aliança. Segundo fontes com acesso ao prefeito de Cuiabá e ao senador Campos garantiram que a margem foi, de fato, pequena entre os dois.

A rigor, nem Jayme e nem Wilson Santos vão divulgar os números aferidos pelos institutos Ibope e Vox Populi. A pesquisa é de consumo interno dos dois partidos e foi encomendada para um fim específico. Ela sequer foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Também pela manhã, em outra emissora de rádio, Wilson Santos dava a entender que, de fato, a diferença entre ele e Jayme Campos seria pequena. O prefeito de Cuiabá também falou em balizamento com Silval Barbosa, vice-governador próximo de assumir o Executivo e candidato ao Governo da aliança PMDB-PR-PT, e ainda de Mauro Mendes, empresário que busca viabilizar sua candidatura num leque de pequenos partidos.

 Wilson Santos e Jayme Campos


A possibilidade de ter melhor desempenho numa avaliação contra Jayme Campos, em verdade, já era esperada pelo prefeito de Cuiabá. Tanto que ele descartou qualquer hipótese de disputar em outubro qualquer outo cargo que não fosse governador. Além disso,o prefeito organizou uma agenda de eventos e inauguração para ocorrer antes do prazo final de desincompatibilização do cargo. Entre as quais, a Avenida das Torres e a ETA do Tijucal, considerados dois marcos de sua administração.

 Wilson vai encarar uma campanha pesada.


Com a definição, o DEM deverá indicar o candidato a vice na chapa. O nome mais provável é de Dilceu Dal’Bosco, deputado estadual com bom trânsito político, cujo perfil de votos agrada a aliança – que precisa de alguém com votos no interior, sobretudo na região Norte do Estado. Outro nome que chegou a ser cotado foi o do deputado José Domingos Fraga Filho, ex-prefeito de Sorriso.

A questão da vice para o DEM, no entanto, não é ponto pacífico. Jayme Campos admitiu nesta sexta-feira que poderá até disponibilizar a indicação para outro partido. “Não podemos fechar nada agora” – disse. Existe o interesse de tentar atrair o Partido Progressista dos deputados José Riva e Pedro Henry para coligação. Além disso, o PPS também está com valorização elevada, especialmente porque o apoio da sigla ajuda a “esvaziar” o pretenso candidato Mauro Mendes. Outro partido que interessa a aliança é o PV.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

« Entradas Anteriores

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...