Casas Bahia

>Centro comercial de Várzea Grande se destaca e gera muitos empregos

Posted on fevereiro 22, 2010. Filed under: Av. Couto Magalhães, Casas Bahia, Centro comercial, City Lar, comércio de Várzea Grande, Lojas Americanas, Vagas de emprego em Várzea Grande, Várzea Grande |

>

O comércio de Várzea Grande é o segundo maior de Mato Grosso, perdendo apenas para Cuiabá. Com o fortalecimento da atividade, o município conseguiu aumentar em 45,26%, a geração de empregos neste ano em comparação com 2009. O destaque para esse setor várzea-grandense se deve à abertura de grandes redes varejistas, que desde o ano passado, têm investido na localidade, abocanhando o lugar das pequenas empresas que há anos dominavam a região. A concentração maior ocorre na avenida Couto Magalhães, principal corredor comercial da cidade, com uma extensão de quase 3 mil metros, que abriga cerca de 1,3 mil lojas de diversos segmentos. No local, empresas como a Romera e a Pernambucanas garantiram espaço e já fixaram endereço antes mesmo, de se instalarem na Capital.

Av. Couto Magalhães, centro de Várzea Grande 

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), comprovam a consolidação do setor comercial da cidade. Isso porque, com a inauguração de mais lojas, há mais oferta de trabalho. O saldo de empregos subiu de 517 vagas em janeiro de 2009, para 751 no mês passado. Mesmo considerando o número de demissões, que chegou a 613 neste ano contra 582 em 2009, o saldo de emprego ficou positivo em 138 vagas. Em janeiro do ano anterior, o déficit de emprego era de 65 postos de trabalho.

O setor ainda foi responsável pelo saldo geral de empregos em Várzea Grande, que conseguiu manter 141 trabalhadores empregados, levando em conta 1,730 mil admissões e 1,589 mil desligamentos. A explicação para a chegada de grandes empreendimentos, segundo o gerente da Romera, Macsoel Cruz Campos, está associada na facilidade de encontrar bons pontos comerciais em uma região que mostra tendência de crescimento. De acordo com ele, o potencial econômico de Várzea Grande começou a ser explorado pelas grandes empresas que aliam a localidade do município a expansão de cada negócio.

“Há uma clientela fiel tanto quanto da própria cidade como consumidores de Cuiabá vem fazer compras no município”. O fato também é confirmado pelo gerente da Pernambucanas, Luiz Lima. Ele diz que 15% da sua carteira de clientes são de pessoas que residem na capital do Estado. Para ele, a característica principal do comércio de Várzea Grande que é conseguir proporcionar variedade de lojas em uma única região, faz crescer o número de consumidores a cada ano.

Preferência – A consumidora Elvira Aparecida Rosa, confirma. “Prefiro comprar em Várzea Grande porque é um lugar mais calmo, tenho onde estacionar e ainda encontro de tudo o que quero”. Assim também consente a aposentada Sandra Regina. “Tudo é perto e não preciso enfrentar o trânsito para sair às compras”, ressalta a consumidora. Já o vice-presidente da Federação do Comércio e Serviços de Mato Grosso (Fecomércio/MT), Roberto Peron, destaca que a concorrência do comércio várzea-grandense com o cuiabano é saudável. “Várzea Grande atende a um público específico que prefere comodidade em adquirir produtos e serviços, próximos do trabalho ou de casa”. Além disso, Peron aponta o fortalecimento do comércio de bairro. “Na região do Cristo Rei há também uma infinidade de lojas dos mais diversos segmentos”.

De acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Várzea Grande, Jean Ibrahim Rassi, outro importante corredor comercial é avenida da Feb, onde se concentram todas as marcas de veículos disponíveis no mercado. “Várzea Grande está em pleno crescimento e mostra tendência de expansão do seu centro comercial”, avalia ao ressaltar que ainda há lojas como a Americanas, Casas Bahia, City Lar, entre outras. Ele conta que a atividade no município começou entre a década de 70 a 80, em que o comércio era voltado para atender os serviços de garimpagem e pesqueira.

“As lojas que vendiam todo o tipo de material ainda possuem endereço fixo na avenida Couto Magalhães. Esses comércios são os mais antigos do município”. O comerciante Cícero Galdino da Silva é prova da evolução comercial da cidade. Há cerca de 30 anos, ele trabalha em Várzea Grande, vendendo parafusos e ferramentas. Silva conta que na avenida Couto Magalhães haviam poucas lojas, mas que atendiam um mesmo público. “Vendíamos muito para os garimpeiros”, lembra ele que diz não ter mais condições para manter atividade na região. “Os pequenos empresários perderam lugar para as grandes empresas. Não conseguimos oferecer as mesmas formas de pagamento para o consumidor que as grandes lojas proporcionam”, diz ele acrescentando que a tributação alta também interfere no fechamento dos pequenos comércios.

Entrave – Para o presidente da CDL, a preocupação atual do setor que interfere no estímulo à comercialização dentro do município, está na inversão do trânsito da avenida Couto Magalhães. De acordo com ele, a reivindicação dos lojistas é que o fluxo de veículos seja invertido, rumo ao centro de Cuiabá, ao invés de ser direcionado para a avenida Júlio Campos, naquela cidade. Esse pedido, de acordo com a comerciante Clarice Luciano da Silva já é solicitado há cerca de 3 anos. Ela conta que diversas reuniões foram realizadas com governantes, mas que nada foi feito até agora.

A comerciante, que há 5 anos trabalha na região, ressalta que já perdeu muitas vendas porque os próprios consumidores de Várzea Grande preferem ir à Cuiabá. “O trânsito de pessoas para no terminal de ônibus. As pessoas só passam pelo centro da cidade quando já estão indo embora para a casa, no final do dia”. Clarice afirma ainda que o futuro do comércio de Várzea Grande está aliado à mudança no sentido do trânsito na via. Fonte: A Gazeta
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Consumidores só perdem com fusões como a do Grupo Pão de Açucar e Casas Bahia

Posted on dezembro 5, 2009. Filed under: Casas Bahia, Consumidores, fusões, FVG, Grupo Pão de Açucar |

>

Especialista em fusões e aquisições do Tostes e Associados Advogados, Paulo Augusto Silva Novaes tem uma opinião bem diferente do professor da FGV William Eid Junior (veja posts anteriores). Novaes afirma que os consumidores saem perdendo com a compra das Casas Bahia pelo Grupo Pão de Açúcar.


Novaes acredita que um dos maiores problemas da concentração será no crédito direito, ou seja, o financiamento da compra de produtos diretamente nas lojas. Com menos concorrência, os juros podem subir.


— É um crédito que atende a pessoas que não têm histórico de crédito bancário. São principalmente pessoas de baixo poder aquisitivo. O crédito bancário é caro por falta de concorrência. O varejo segue esse caminho — afirma.


O fato relevante do Grupo Pão de Açúcar fala em carteira de crédito de mais de R$ 1 bilhão. Novaes lembra que o setor muita vezes tem ganho maior na operação de crédito do que na margem de venda dos produtos.


Para ele, a operação precisará ser bem analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), principalmente porque o Grupo Pão de Açúcar já comprou o Ponto Frio, que tem operações semelhantes.


— A lei antitruste fala que qualquer operação que resulte em mais de 20% de concentração de mercado ou que uma das empresas tenha mais de R$ 400 milhões em receita bruta precisa ser avaliada. Essa será, portanto, avaliada — diz.


Diferentemente do professor da FGV William Eid Junior, especialista em varejo, Novaes se diz preocupado com o poder de negociação que a empresa terá com fornecedores, dada à dimensão do negócio. Fonte: Miriam Leitão

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Economês

Posted on dezembro 5, 2009. Filed under: Anfavea, Casas Bahia, Economês, Estater, FGV, Pão de Açucar, Ponto Frio |

>

O diretor da Estater, Percio de Souza, disse que as marcas Pão de Açúcar, Ponto Frio e Casas Bahia, continuarão a existir, apesar da associação. Segundo o executivo da Estater – que é empresa que formatou a negociação – o grupo terá toda a liberdade para utilizar quaisquer das marcas, a depender do público e da localidade em que as lojas estiverem em operação.

Veículos

As vendas de veículos no mercado brasileiro somaram 251.698 unidades em novembro deste ano, com um recuo de 14,5% em relação a outubro e uma alta de 41,5% no confronto com o mesmo mês do ano passado. Entre janeiro e novembro, foram vendidos 2.848.214 veículos, um acréscimo de 8,5% ante igual intervalo do ano passado. Os dados foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea.

Compras

O consumidor brasileiro está disposto a gastar mais com presentes no Natal deste ano. A disposição do consumidor para os gastos supera a marca do Natal de 2008, período em que o país estava sob o efeito da crise financeira internacional, e se aproxima do recorde registrado em 2007, revela a edição de novembro da Sondagem de Expectativas do Consumidor, produzida pela Fundação Getulio Vargas, FGV. Isso mostra que o consumidor está otimista.

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Grande negócio: Casas Bahia e Grupo Pão de Açucar farão fusão operacional

Posted on dezembro 4, 2009. Filed under: Casas Bahia, Fusão, Grandes negócios, Grupo Pão de Açucar, operacional |

>

O Grupo Pão de Açúcar e a Casas Bahia anunciam fusão de operações nesta sexta-feira. É um dos maiores negócios financeiros do ano no país e aponta mudanças no setor varejista. Os grupos convocaram coletiva de imprensa para as 11h, a fim de detalhar o negócio.

Segundo a Folha Online apurou, o processo de fusão será de “longo prazo”. Ou seja, a princípio os dois conselhos vão interagir com igual poder. Ainda não há informações sobre cenários do desdobramento do processo, uma “fusão operacional”.

Segundo o último balanço do grupo da família Diniz, a empresa teve lucro de R$ 171 milhões no terceiro trimestre do ano, com expansão de 156,7% ante o mesmo período do ano passado. As vendas nesse período somaram R$ 6,151 bilhões, com alta de 39,6%.

A fusão deve criar uma empresa com faturamento de quase R$ 40 bilhões, segundo dados dos balanços de ambas referentes a 2008. No ano passado, o faturamento bruto do Pão de Açúcar foi de R$ 25,7 bilhões, enquanto o da Casas Bahia foi de R$ 13,9 bilhões, totalizando R$ 39,6 bilhões.

Em junho, o Grupo Pão de Açúcar anunciou a compra da Globex Utilidades, dona da rede Ponto Frio, que era, até então, a segunda maior no segmento de eletroeletrônicos do país, atrás apenas da Casas Bahia. Com a aquisição, o grupo Pão de Açúcar, que inclui a bandeira de mesmo nome, além de Extra, CompreBem, Sendas e Assai, recuperou a liderança no varejo brasileiro, que era ocupada pelo Carrefour.

Colaborou Ricardo Feltrin, secretário de Redação da Folha Online

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )


Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...