Cultura

>Nico e Lau apresenta os shows, Preto no Branco e Pega Inteligência, dias 18 e 19 no Centro de Eventos do Pantanal

Posted on dezembro 18, 2010. Filed under: Cultura |

>

Cultura e entreterimento – Neste sábado e domingo, 18 e 19 de dezembro a dupla de humorista cuiabanos  Nico e Lau apresenta os espetáculos Preto no Branco e Pega Inteligência. Esses espetáculos já foram assistidos por mais de 20.000 mil pessoas, nos anos de 2009 e 2010, onde o espectador se divertiu com diversas situações recheadas de músicas, danças e performances engraçadíssimas. Agora é a sua vez de conferir.
 Dupla de humoristas cuiabanos  Nico e Lau

Síntese do show Preto no Branco

Nessa aventura Nico protagoniza uma trama cheia de perigos e surpresas. Ele se vê em grande apuro ao fazer um negócio suspeito com alguém perigoso. Como já era de se esperar, envolve o amigo Lau no conflito. Pela primeira vez os dois se unem para vencerem o inimigo comum. Outra novidade do show é a plástica trabalhada toda em preto e branco, fugindo um pouco do tradicional colorido que caracteriza a dupla. Vocês vão se divertir com os disfarces que eles serão obrigados a usar… 

Síntese do show Pega Inteligência

Na tentativa de tirar o pé da lama, Nico investe em um novo empreendimento. Um café bar que na visão dele será o novo point da cidade. Essa possibilidade de se dar bem, desperta grande interesse no Lau que vê no negócio do amigo uma oportunidade pra ele. Só confusão, como já era de se esperar. Além disso, há muita intriga e novidade nesse novo show. Tanto no enredo, nas piadas e na performance musical. Agora é só conferir dar boas gargalhadas e não se esqueça ‘Pega Inteligência!’

PROGRAMAÇÃO

Local: CENTRO DE EVENTOS DO PANTANAL – Cuiabá/MT
Show: PRETO NO BRANCO
Dia: 18/dezembro (sábado)
Horário:  21:00 horas
Ingresso antecipado: R$ 20,00
Tempo de espetáculo: 01:15 horas

Show: PEGA INTELIGÊNCIA
Dia: 19/dezembro (domingo)
Horário:  20:00 horas
Ingresso antecipado: R$ 20,00
Tempo de espetáculo: 01:30 horas
Informações: (65) 3627.1244 / 9975.5513 / 3623.0000

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Todo dia é Dia de Índio

Posted on abril 19, 2010. Filed under: índio, Cultura, Dia de Índio, dia do índio, Funai, povos indígenas |

>

Elias Januário
Escolhi este título para essa comunicação na data de hoje, para reforçar a importância, ao contrário do que perpassa no senso comum, que os indígenas só devem ser lembrados no dia 19 de abril. Pois é justamente ao contrário, nos tempos atuais, os povos indígenas avançaram consideravelmente em suas conquistas no que se refere aos direitos constitucionais e têm uma participação cotidiana efetiva na sociedade brasileira.
As conquistas iniciaram com as demarcações das terras e foram se estendendo para outras áreas como a saúde, cultura e educação.
A saúde, apesar dos costumeiros escândalos de desvios de recursos por diferentes instituições, governamentais ou não-governamentais, avançou consideravelmente do que era nas últimas décadas. É bem verdade que em algumas regiões ainda é precário o atendimento e a demanda ainda não foi atendida, mas avanços houvera e há de se considerar isso.
Na área cultural, inúmeros projetos de revitalização da cultura, seja por meio de pesquisa, exposições e criação de museus, houve um movimento positivo no sentido da valorização da arte indígena, expressa nas mais diferentes formas (escrita, falada, pintada, artesanato, dança, entre outras), que revelou o país para o exterior como um Brasil rico em belezas naturais e marcado por uma diversidade étnica e cultural que surpreendeu historiadores, antropólogos, arqueólogos e indigenistas.
A criação de Pontos de Cultura espalhados por todo o país, numa iniciativa do Ministério da Cultura (MIC), foi de grande relevância para a implementação de ações afirmativas voltadas para a área cultural nas diferentes etnias do Brasil, fazendo surgir espaços de discussão, revitalização e exposição do imensurável acervo etnográfico existente nas comunidades indígenas das diversas regiões brasileiras.
A educação foi o grande destaque no que se refere aos avanços nos últimos anos em relação aos povos indígenas.
Foram conquistas que marcaram definitivamente novos paradigmas na história dos povos indígenas brasileiros, como por exemplo, a formação em nível superior nas universidades brasileiras.
Os povos indígenas, de maneira geral, em todo o país, alcançaram conquistas importantes no campo da formação educacional com a criação das licenciaturas indígenas, financiadas pelas parcerias das universidades com os governos estadual, federal e a Funai.
A habilitação de professores indígenas em nível superior foi um marco divisor de águas na história da educação escolar em nosso país, onde pela primeira vez a inclusão social foi realmente efetivada na prática e seus benefícios estendidos a toda uma comunidade.
Os indígenas passaram a ser protagonistas de sua própria história, ocupando espaços como conselheiros em conselhos municipais, estaduais e até nacional. Assumiram a coordenação e a direção das escolas das aldeias, passando a gerenciar o estabelecimento educacional de sua comunidade.
A criação e reforma de escolas nas aldeias, a abertura de novas turma em nível de graduação, a conclusão do magistério (Projeto Hayô) e a publicação de materiais didáticos na língua indígena passaram a ser realidade.
Realizaram a I Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena em Brasília, com cerca de dois mil participantes. Aprovaram a criação dos etnoterritórios educacionais e liberaram recursos para a sua discussão e implementação.
Foram habilitados em nível de pós-graduação (Especialização em Educação Escolar Indígena) mais de cinqüentas professores indígenas só de Mato Grosso. Tivemos também um professor Ikpeng concluindo o Curso de Mestrado em Ciências Ambientais.
Essas foram algumas das conquistas nas diferentes áreas que queremos ressaltar, para reforçar que nos dias atuais, “todo dia é dia de índio” e o dia 19 de abril é apenas uma data a mais para ser lembrada.
Elias Januário é doutor em educação, professor de Antropologia da Unemat. E-mail: eliasjanuario@terra.com.br
Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Dilma em rima

Posted on fevereiro 6, 2010. Filed under: alimentos, Cultura, Dilma em rima, economia, Educação, previdência social, reforma agrária, reforma tributária, Saúde, urbanização |

>

Elas por ela: A saúde. A educação. A cultura. A economia. A urbanização. A previdência social. A paz urbana e rural. A ordem ambiental. A indústria nacional. A agricultura. A pecuária. A reforma agrária. A reforma tributária. A reforma política. A fome banida do cotidiano sem cidadania. A violência contida além da periferia nem sempre murada. A gestação assegurada. A infância protegida. A casa própria construída. A rua asfaltada. A avenida iluminada. A água tratada. A carteira assinada. A merenda nutritiva. A fronteira internacional de sentinela. A pátria verde e soberana. A pátria amarela e republicana. A pátria militar e civil. A pátria chamada Brasil. A pátria amada e gentil. A pátria idolatrada em cantos mil. A pátria miscigenada de geração em geração. A pátria de um povo cristão. A pátria de um povo trabalhador. A pátria de um povo unido em amor. A pátria de um povo fortificado pela liberdade. A pátria de um povo abençoado em solidariedade. A pátria de um povo movido pelo bem da humanidade. A pátria de um povo comprometido com a igualdade. A pátria de um povo em busca da candidatura ideal. A pátria de um povo além de uma faixa presidencial. A pátria de um povo aquém de um Palácio no Planalto Central. A pátria de um povo além de um Congresso Nacional omisso e inoperante. A pátria de um povo com mais de um governante eleito pelo voto popular, livre, secreto e universal.

Ela será a Dilma? Ela por nós sociedade organizada e constitucional. Ela por nós sociedade mergulhada em mais de um ato imoral. Ela por nós sociedade atingida por mais de uma greve geral. Ela por nós sociedade excluída do reajuste salarial. Ela por nós sociedade sem pronto socorro e sem hospital regional. Ela por nós sociedade condizente com o regime prisional cada vez mais ineficiente. Ela por nós sociedade sem autêntica democracia. Ela por nós sociedade em infinita poesia. Ela por nós sociedade dos poetas exilados e desaparecidos do território nacional. Elas por nós sociedade dos poetas com opinião publicada em jornal. Ela por nós sociedade dos poetas censurados por mais de um órgão federal. Ela por nós sociedade dos poetas em versos sem rasuras. Ela por nós sociedade dos poetas em versos sem remendos. Ela por nós sociedade dos poetas sem versos com adendos. Ela por nós sociedade dos poetas em versos sem ponto final. Ela por nós sociedade dos poetas em mais de uma expressão gramatical. Ela por nós sociedade dos poetas movidos pelo mesmo ideal. Ela por nós sociedade dos poetas sem qualquer palmeira imperial aonde cantou mais de um sabiá. Ela por nós sociedade dos poetas da quase tricentenária Cuiabá. Ela por nós sociedade dos poetas tomadores de guaraná ralado a mão. Ela por nós sociedade dos poetas cantadores do sertão. Ela por nós sociedade dos poetas de eleição em eleição. Sim ou não?

Autor: Airton Reis é poeta em Cuiabá/MT. E-mail: airtonreisjr@gmail.com – Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mais apoio para a juventude tornaria o Brasil menos violento

Posted on janeiro 21, 2010. Filed under: Cultura, Educação, ensino superior, Ipea, jovens, juventude, Primeiro Emprego, Saúde, segurança |

>

O governo brasileiro não dá prioridade para a juventude. As políticas voltadas para os jovens estão atrasadas e dão poucos resultados. Essa pelo menos é a avaliação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Ipea, que lançou a pesquisa Juventude e Políticas Sociais no Brasil, uma análise da situação dessa população em relação ao acesso a diversos direitos, como educação, saúde, cultura e segurança.


Não se pode deixar de reconhecer que houve avanços, principalmente com a Constituição de 1988, quando ganhou mais importância o tema da criança e do adolescente. Há uma série de êxitos nas políticas para esse segmento, no entanto a inserção dos jovens nas políticas públicas é algo muito recente e de poucos resultados, isso o governo brasileiro precisa reconhecer e o Ipea tem toda razão ao lançar críticas às políticas públicas brasileiras.

O Brasil tem hoje uma população de 50 milhões de jovens (entre 15 e 29 anos), o que representa 26% do total de 190 milhões de brasileiros. Fazendo-se uma avaliação com dados nos números apresentados pelo Ipea, chega-se à conclusão, por exemplo, que 31% dos jovens brasileiros podem ser considerados pobres e apenas 13% têm acesso ao ensino superior na faixa etária dos 18 aos 24 anos.

Um outro ponto da avaliação do Ipea que chama a atenção é o fato que a juventude entrou na agenda de políticas públicas somente no final dos anos 90 e, apesar de alguns resultados positivos, ainda falta fazer muito nesse setor. Vale lembrar também que na educação existem gargalos a serem superados. Menos da metade dos jovens de 15 a 17 anos está cursando o ensino médio, etapa de ensino adequada para esta faixa etária, e apenas 13% dos jovens de 18 a 24 anos frequentavam o ensino superior em 2007.

Quando se fala em oportunidade de trabalho a situação ainda é mais grave. A maioria dos jovens precisa optar por trabalhar ou estudar e não existem políticas públicas voltadas para corrigir essa distorção. Vários programas já foram lançados, mas se perderam pelo meio do caminho. Basta lembrar o lançamento, com pompas, no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do programa “Primeiro Emprego”.

No papel era tudo muito bonito, mas na prática foi um fiasco pois o empresariado não teve o retorno que desejava do governo federal. Ficou para trás. As políticas públicas voltadas para a juventude, vale destacar mais uma vez, estão atrasadas e precisam ser reavaliadas. Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( 1 so far )

>Único cuiabano no secretariado do governo Blairo Maggi sai com críticas ao governo

Posted on janeiro 5, 2010. Filed under: Blairo Maggi, Copa do Mundo, cuiabano, Cultura, descaso, incentivos fiscais, pantanal, Paulo Pitaluga |

>

Único cuiabano do staff do governo Blairo Maggi, que no início de seu primeiro mandato em 2003 era visto como avesso à população da Capital do Estado, o secretário de Cultura, Paulo Pitaluga Costa e Silva, estaria demissionário da função, descontente pelo tratamento que recebe do próprio governo em relação à sua pasta que efetivamente tem promovido mais a liberação de autorização para captação de incentivos fiscais do que propriamente executado ações voltadas para a difusão dos valores culturais mato-grossenses como a primeira feira do Índio, recém realizada.

Aos amigos próximos, Paulo Pitaluga teria reclamado da falta de apoio e do descaso para com as coisas da Cultura mato-grossense, não deixando de lembrar as dificuldades na apreciação e aprovação dos projetos culturais para captação de incentivos fiscais.


Outra reclamação de Paulo Pitaluga, que foi procurado por telefone mas não retornou as ligações de A Gazeta, é quanto a sede do antigo Moitará Sebrae Center, em frente ao Shopping Center Goiabeiras, centro de Cuiabá, que iria abrigar um museu, mas por decisão governamental, passará por reforma e posteriormente será ocupada pela Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa do Mundo do Pantanal (Agecopa).


A presença de Pitaluga no governo Blairo Maggi sempre esteve ligada ao hoje diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, que nos cargos de secretário de Infraestrutura, Casa Civil e Educação, sempre o teve como assessor direto. Indicado por Pagot para assumir a Secretaria de Cultura, Paulo Pitaluga assumiu em 28 de fevereiro de 2008, estando, portanto, perto de completar dois anos de gestão.


Paulo Pitaluga Costa e Silva já ocupou outras funções públicas de peso político como a Secretaria de Fazenda de Mato Grosso e presidência do extinto Banco do Estado de Mato Grosso (Bemat) por causa de ligações políticas com os irmãos Júlio e Jaime Campos, ambos ex-governadores.


Outro lado – O governador em exercício, Silval Barbosa (PMDB), disse que não recebeu nenhum pedido, seja por escrito ou pessoal, e lembrou que o cargo foi escolha do governador Blairo Maggi, então a ele é que teria que ser comunicado uma eventual saída ou desligamento da equipe que deverá sofrer pequenas alterações a partir de abril quando o próprio Silval se efetiva na função de Chefe do Poder Executivo Estadual. Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Chapada dos Guimarães realiza Festival "Chapada in Jazz" acontece em novembro

Posted on novembro 10, 2009. Filed under: Centro Geodésico, Chapada dos Guimarães, Chapada in Jazz, Cultura, Festival, Meio Ambiente, Turismo |

>Cravada no Centro Geodésico da América do Sul, a cidade de Chapada dos Guimarães está prestes a receber pela primeira vez o Chapada in Jazz. Baixos, contrabaixos, baterias, saxofones e pianos vindos de alguns cantos do país aportam na pequena e aconchegante Chapada para formar nos dias 13 e 14 de novembro um festival a partir 20h, com entrada gratuita. Segundo o músico e curador do evento, Ebinho Cardoso, o evento já nasce grande.


“Temos grandes nomes do jazz nacional vindo a Mato Grosso participar do Chapada in Jazz e também temos que mostrar que nosso Estado é capaz de fazer um belo festival de jazz”, reforça. A atividade cultural tem o patrocínio do governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC); Secretaria de Desenvolvimento do Turismo (Sedtur) e a Secretaria de Turismo, Cultura e Meio Ambiente da Prefeitura de Chapada dos Guimarães.

Entre um dos nomes mais aguardados está o de Celso Pixinga, de São Paulo, considerado o maior baixista do Brasil e um dos melhores do mundo. Pixinga, que começou estudar piano erudito aos 6 anos de idade, afirma que o rock entrou em sua vida através de Beatles, Led Zepellin, Jimmy Hendrix. A troca do piano pela guitarra seria a primeira da sua vida. A segunda, já no início da década de 1980, foi uma “troca eterna”. “Foi quando escolhi o baixo. A troca da guitarra pelo baixo foi a coisa mais importante da minha vida musical”.

Além de Celso, aportam em Chapada os irmãos potiguares Eduardo e Roberto Taufic. O primeiro mestre no piano e o segundo, com carreira consolidada há muitos anos na Itália, rei do violão. Juntos, prometem fazer um show memorável. Do Distrito Federal chega o Galinha Caipira Completa, com um nome estranho e um som envolvente, com o melhor que o jazz pode oferecer ao público presente.

No último dia 14, Chapada recebe do Rio de Janeiro Nelson Faria e seu violão mágico, que aproveita as belas paisagens cariocas para se inspirar em músicas da Bossa Nova e tantos outros clássicos brasileiros, como Caprichoso, além de trazer toda sua vasta experiência como músico profissional há 25 anos.

Além dele, tocam o saxofonista Ademir Junior, o Quarteto, única banda mato-grossense a se apresentar e o pianista David Feldman, que toca o instrumento desde os quatro anos de idade, época em que aprendeu que a improvisação é a grande força motriz de inspiração do jazz. (Secom)

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...