Fidel

>NE: governadores apoiam nova CPMF

Posted on novembro 7, 2009. Filed under: CPMF, CPMI do MST., Fidel, governadores, Hondura, OEA |

>

Sponholz

Sponholz

PF demite delegado Protógenes

<!– function paginaSlideShow214458(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A Polícia Federal demitiu nesta sexta (6) o delegado Protógenes Queiroz da corporação. O delegado disse à Folha Online que foi avisado hoje sobre a demissão. Protógenes era alvo de processos disciplinares dentro da PF que apuravam sua participação em comícios. O delegado afirmou que a corporação “aproveita sua participação em eventos públicos para intimá-lo ou passar comunicados”. Segundo Protógenes, a decisão foi tomada pelo diretor-geral da PF, Luiz Fernando Correa. O motivo da demissão foi a suposta participação num comício do candidato a prefeito de Poços de Caldas. Ele nega ter feito campanha no evento. Protógenes disse que se sentiu injustiçado.

Honorável pancadaria em
lançamento de livro sobre Sarney

<!– function paginaSlideShow214373(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Foi “ruidoso”, no mínimo, o lançamento do livro “Honoráveis bandidos – um retrato do Brasil na era Sarney”, dos jornalistas Palmério Dória e Mylton Severiano, quarta, no Sindicato dos Bancários do Maranhão, em São Luís. Lá pelas tantas, um grupo de estudantes ligados à governadora Roseana Sarney, começou a xingar e tentar atingir os autores com tudo que estivesse à mão. Mas o troco veio logo com outro grupo com faixas de “A navalha bandida”, referindo-se à prisão de pessoas ligadas ao ex-governador Jackson Lago (PDT) na Operação Navalha, da PF. Cadeiras voaram no “manifesto político” que parecia briga de torcida (veja abaixo). Merece um novo livro.


Jobim: disputa por caças está fortíssima

Foto
MIN. NELSON JOBIM

<!– function paginaSlideShow214406(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O ministro Nelson Jobim (Defesa) voltou a afirmar nesta sexta (6) que a disputa entre os fabricantes para fornecer os aviões caça ao Brasil “está fortíssima”. De acordo com o ministro, o principal objeto da polêmica entre os fornecedores é a questão da troca de tecnologia e destacou que, neste ponto, os Estados Unidos não têm antecedentes favoráveis. O Ministério da Defesa pretende anunciar o vencedor da licitação para a compra de 36 aviões caça até o fim do ano. A Aeronáutica ainda avalia as propostas recebidas. Entre os concorrentes estão os aviões Rafale, da francesa Dassault, os caças Super Hornet, da norte-americana Boeing, e o Gripen NG, da empresa sueca Saab.

Oposição pode obstruir votações

<!– function paginaSlideShow214385(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A oposição no Congresso Nacional ameaça obstruir as votações na próxima semana caso os governistas insistam em adiar as nomeações dos membros da CPMI do MST. Se a oposição cumprir com a ameaça, os projetos do pré-sal podem ser prejudicados. DEM, PSDB e PPS foram os primeiros a fazer as indicações dos membros da CPMI. PT e PMDB não indicaram até hoje, duas semanas após a leitura do requerimento em plenário, os parlamentares que farão parte da comissão. Sem esta indicação, as investigações não podem ser iniciadas. O líder do PT na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (SP), disse que indicará os nomes na próxima terça. Vaccarezza não quis informar, no entanto, quem serão os indicados.

Fidel: novo acordo militar é
‘anexação’ da Colômbia aos EUA

Orlando Brito
Foto
FIDEL CASTRO

<!– function paginaSlideShow214384(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Em seu novo artigo, o líder cubano Fidel Castro declarou nesta sexta (6) que o acordo militar firmado entre Colômbia e Estados Unidos “equivale à anexação” do país sul-americano por parte “do império”. Para Fidel, que está afastado da vida pública há três anos devido a problemas de saúde, “os políticos da América Latina” têm que enfrentar “agora um delicado problema: o dever elementar de explicar seus pontos de vista sobre o documento de anexação”. Para o ex-presidente, a intenção real do “império” é lançar os soldados colombianos “contra seus irmãos venezuelanos, equatorianos e outros povos bolivarianos”. Na opinião de Fidel, os povos “sentirão o punhal que é pregado no mais profundo de seus sentimentos, em especial a população colombiana”, que é “trabalhadora e lutadora”.

Salário da PM-DF é reajustado

Orlando Brito
Foto
PRESIDENTE LULA

<!– function paginaSlideShow214383(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente Lula sancionou nesta sexta (6) a lei que estabelece o novo plano de carreira para a Polícia e Bombeiros Militare do Distrito Federal. A ação significa de imediato um aumento de 68,4% nos salários dos profissionais. Na capital, o PM em início de carreira ganhará, líquido, R$ 4.000,00. Em Estados como Alagoas, Pernambuco, o salário inicial não chega a R$ 900,00. O presidente ressaltou que é “importante levar em conta o poder do cofre dos Estados”. Lula disse que queria a “compreensão” da plateia para a questão da falta de reajuste nos Estados e sinalizou que uma mudança de salário em outras unidades só ocorrerá em outro governo. Com o novo plano de carreira, no Distrito Federal, a carreira de policial militar e bombeiro passa a exigir nível superior. Quem já está na profissão terá incentivo para fazer a faculdade.


Fotografia é história
Missa no sertão
Foto

<!– function paginaSlideShow214451(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A Missa do Vaqueiro, na cidade pernambucana de Serrita, é um evento que já entrou para o calendário de festas da cultura do Nordeste. Foi sugestão do compositor Luiz Gonzaga, que narra em uma de suas canções o triste fim de um vaqueiro que era seu primo. Raimundo Jacó foi morto inocentemente a pedradas, acusado de roubar cabeças de gado das fazendas vizinhas. A partir de 1971, comprovada a injustiça, o padre João Câncio passou a fazer a celebração em louvor a sua alma no terceiro domingo dos meses de julho. Hoje, é evento que se repete em várias outras cidades do sertão, como Acari, no Rio Grande do Norte.
Como foiViajei para Currais Novos para fotografar uma das mais autênticas manifestações da culturais do serão: a pega de boi no mato. Ao saber da celebração de cerimônia idêntica à de Serrita, não tive dúvida. Estiquei a jornada até a Fazenda Pitombeira. Ótimo. Cheguei no fim da tarde, a tempo de alcançar os vaqueiros montados em burros e cavalos, vestidos com gibão de couro para rezar e cantar à frente da capelinha de barro por quase duas horas. Orlando Brito.

OEA pede que Honduras cumpra acordo

<!– function paginaSlideShow214381(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, pediu nesta sexta (6) que as duas partes envolvidas na crise política de Honduras cumpram o acordo assinado há uma semana “sem subterfúgios”. Negociado com mediação dos Estados Unidos, o acordo foi dado como “morto” pelo presidente deposto, Manuel Zelaya. Para Insulza, “as medidas aprovadas no acordo são claras e foram assinadas pelas partes”. No texto, o secretário afirmou também que a OEA continuará “realizando todos os esforços para levar em frente o diálogo” e pediu que Zelaya e o presidente interino Roberto Micheletti “cheguem a um acordo para a formação do governo de unidade e reconciliação nacional”.

NE: governadores apoiam nova CPMF

<!– function paginaSlideShow214377(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Governadores de estados do Nordeste decidiram nesta sexta (6), por unanimidade, pedir uma audiência com o presidente Lula para manifestar apoio à aprovação da emenda Constitucional nº 29, a nova CPMF. O texto, que prevê a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS), fixa os percentuais mínimos a serem investidos anualmente na área de saúde pela União, por estados e municípios. De acordo com nota do Ministério da Saúde, os governadores devem pedir ainda um aporte emergencial de recursos para o Sistema Único de Saúde (SUS) para o próximo ano. Os governadores se reuniram nesta tarde com o ministro José Gomes Temporão (Saúde) que expôs o aumento de repasses desde 2007 para procedimentos como exames e cirurgias. O único governador que não estava presente era o governador da Bahia, Jacques Wagner. Fonte:http://www.claudiohumberto.com.br

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...