frigorífico

>JBS Friboi demite 400 funcionários e anuncia fechamento da unidade em Cáceres

Posted on setembro 12, 2010. Filed under: Cáceres, empregos, frigorífico, JBS Friboi, Mato Grosso |

>

A empresa JBS Friboi, a maior da cidade de Cáceres, anunciou em nota oficial que a unidade será fechada. A nota afirma que “tendo em vista seu constante foco na busca por eficiência produtiva e operacional”.O certo é que a decisão da empresa pode comprometer a economia do município, diminuindo eliminando empregos e receita, através dos impostos.
Cáceres, Mato Grosso
Em funcionamento em Cáceres há 25 anos, o frigorífico tinha capacidade para abater 500 cabeças de gado por dia e gerava aproximadamente 600 empregos diretos e beneficiava até 5 mil. A cidade-pólo do Oeste mato-grossense tem na agropecuária a principal atividade econômica e, sem contar a unidade, controlada por um dos maiores grupos do mundo, o setor poderá sofrer um impacto.
Somente na última semana a empresa já havia demitido cerca de 400 funcionários, que retornavam das férias coletivas dadas pela JBS Friboi sob a alegação da falta de oferta de gado para abate. As outras três unidades do grupo no Estado, localizadas em São José dos Quatro Marcos, Araputanga e Pedra Preta, continuaram funcionando normalmente. A presidente do sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Cáceres, Gláucia Maria Andrade Gonzaga, declarou à imprensa que foram mantidos o pessoal de manutenção, limpeza, refeitório e administrativo.
“Isso é uma catástrofe para a nossa cidade”, lamentou o vereador Antônio Salvador da Silva (PSDC). Ex-funcionário da empresa e distribuidor de carnes da Friboi no comércio, Salvador descarta possibilidade da planta industrial do grupo estar obsoleta e levanta algumas hipóteses sobre o fechamento. A empresa espera manter a normalidade no atendimento aos pecuaristas e aos clientes usuais da unidade de Cáceres, distribuindo abate e vendas entre as unidades de São José dos Quatro Marcos e Araputanga, que ficam a mais ou menos 150 km de distância do município. O grupo também informou que irá trabalhar no sentido de realocar os colaboradores da unidade para outras fábricas da companhia que estejam com deficiência de mão-de-obra.
Políticos atrapalham
A pavimentação das ruas de acesso ao frigorífico foi tema de debate político nas eleições de 2008 e também neste pleito. Durante ato político, o candidato à reeleição, deputado federal Pedro Henry (PP), teria afirmado que o dinheiro para tal obra já estava assegurado por emenda de sua autoria. Seu irmão, o ex-prefeito Ricardo Henry (PP), também prometeu aos funcionários a pavimentação, um antigo pleito da empresa. A obra não se viabilizou, nem mesmo com o sucessor Túlio Fontes. O grupo teria se oferecido para contribuir com recursos necessários para aquisição dos tubos para a drenagem da extensão a ser asfaltada. Ricardo chegou a dar início à obra, que segue sem conclusão. No início do ano passado, Túlio também tentou retomar a obra, mas fora supreendido ao descobrir que, sequer, havia projeto para asfaltamento das ruas.
Com participação de RDNews
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Pecuária: Produtores investem em outras raças

Posted on março 22, 2010. Filed under: arroba, Carrefour, Criadores, cruzamentos, Estância Celeiro, Fazenda Sereno, frigorífico, GAP Genética, genética, lucros, nelore, pecuaristas, Pecuária, Produtores, raças, touros |

>

Na busca por precocidade do rebanho e melhor qualidade de carne, pecuaristas introduzem animais resultantes de cruzamentos.


Cresce o número de pecuaristas que investem em raças resultantes de cruzamentos como uma forma de aumentar a produtividade do rebanho de maneira rápida, eficiente e econômica. Este é o caso de Daniel Vilela de Oliveira, que sempre trabalhou com nelore e há quatro anos começou com a raça angus em busca de precocidade, tanto no sistema reprodutivo quando no abate, e de uma carne de melhor qualidade que consegue preços diferenciados no mercado. Daniel é vice presidente da Associação de Criadores do Sul de Mato Grosso (Criasul) e disse que muitos estão fazendo esse tipo de investimento. “Acredito que na nossa região, existem cerca de 35 propriedades com gado de raças de cruzamento, que permitem um melhor acabamento e um marmóreo da carne.”



Com um plantel de 1.400 vacas matrizes nelore e 1.050 meio sangue angus, ele se diz muito satisfeito com os resultados, especialmente com o ganho de peso no confinamento e no semi-confinamento. “Este é o tipo de investimento para quem gosta de acompanhar a tecnologia”, ressalta, acrescentando que nos Estados Unidos, 99% do rebanho é fruto de inseminação e no Brasil esse volume é de 5 a 6% no máximo. Os animais de Daniel estão divididos em duas fazendas, uma de cria em Pedra Preta e outra de cria e engorda em Rondonópolis. Daniel adianta que vai começar a testar uma nova raça, a wagyu, oriunda do Japão, cuja carne é a mais nobre e mais cara do mundo. Outros produtores da região já introduzem a raça inglesa senepol



Localizada também em Rondonópolis, a Fazenda Sereno, da GAP Genética, trabalha exclusivamente com animais da raça brangus. A GAP Genética, cuja sede é em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, tem tradição de 100 anos no trabalho com as raças inglesas – angus, devon e hereford. Jorge Luiz de Oliveira Santana, da fazenda Sereno, explica que em 1984 a empresa resolveu fazer um programa para o Brasil Central de melhoramento genético e de carnes, em parceria com a Argentina. Ele destaca que as raças inglesas e holandesas puras, por serem de climas frios e temperados, têm problema de adaptação no Centro-Oeste por causa do calor e das pastagens. Resolvemos esta questão com a raças como a brangus, um cruzamento de angus e nelore, sendo 62.5% de gens do angus e 37.5% do nelore, proporcionando uma ótima combinação para as características de produção e adaptação. A raça nelore confere ao brangus rusticidade e um excelente rendimento de carcaça, além de grande variabilidade genética, fator importante para o trabalho de seleção. Já a angus aporta mais precocidade e tamanho corporal adequado ao sistema de produção extensivo.



Santana explica ainda que é possível aproveitar as variações entre as raças e reter a heterose (vigor híbrido), implantando um sistema de cruzamento direto ou absorvente. As raças sintéticas refletem os caracteres das raças formadoras, maximizando as características desejáveis e reduzindo as não desejadas, trabalho feito através de sistemas de seleção como o Programa Natura, aberto a todo produtor que utiliza do cruzamento entre nelore e angus. Ele avalia as características de ganho de peso, conformação, precocidade e musculatura, nas fases de desmama (sete meses) e sobreano (18 meses). Estas avaliações servem como base para calcular as Diferenças Esperadas na Progênie (DEP”s) para a classificação dos animais de acordo com seus desempenhos.


A fazenda Serena tem um sistema de produção que integra agricultura e pecuária. Dos 9 mil hectares (ha) da propriedade, dois mil são utilizados para a criação de 3.600 cabeças de gado. São comercializados touros e carne para o Carrefour e para a Estância Celeiro. Santana destaca que antes de ser produtor de carne é preciso ser produtor de pasto. Tanto que 400 ha são utilizados para o plantio de sementes de capim brachiaria, além do cultivo de soja e cana-de-açúcar (em sistema de arrendamento).



Quanto ao mercado, ambos os produtores se dizem muito satisfeitos com os resultados. Santana destaca que, além do ganho direto com o frigorífico, a redução da idade de abate e o aumento no desfrute também se refletem em lucros. “Chegam a pagar pela arroba da vaca um valor aproximado do preço do boi. No caso de um boi castrado, com um bom acabamento, são acrescidos de R$ 3, a R$ 5 por arroba”, exemplifica, acrescentando que em São Paulo, esse acréscimo pode ser até de R$ 7, ou seja, 10% a mais por arroba.


Daniel cita o programa da Estância Celeiro que dá 3% de bonificação no valor da carne de melhor qualidade. Ele finaliza dizendo que o mercado para este tipo de produto está se abrindo e que o consumidor está cada vez mais exigente. Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Inauguração de frigorífico em Nova Marilândia fomenta economia da região

Posted on dezembro 20, 2009. Filed under: frigorífico, Inauguração, Mato Grosso, Nova Marilândia |

>

A inauguração do frigorífico de aves da União Avícola Agroindustrial e outras importantes obras de infraestrutura, entregues pelo Governo do Estado de Mato Grosso na sexta-feira (18), foi uma festa para a população de Nova Marilândia (392 Km ao Médio Norte de Cuiabá). A ação é parte das festividades do aniversário de 18 anos da cidade, completados neste sábado (19).

O empreendimento industrial vai beneficiar não só o município, mas toda a região que já começa a registrar mudanças no perfil econômico local. A dona de casa Geralda Andrade Alves, do município de Nova Marilândia, conta que o novo empreendimento ajuda toda a cidade, com trabalho e condições para uma melhor qualidade de vida. O exemplo está na própria família dela, onde o genro e o irmão fazem parte dos empregados do frigorífico.

Nesta primeira fase, a indústria gera cerca de 500 vagas de emprego direto, com a previsão de abrir em torno de 1.400. Conforme o diretor regional de Operações Mato Grosso, Ideraldo Lima, representante do empreendimento, a unidade entra em operação no próximo mês de fevereiro a princípio para o abate de 70 mil aves ao dia. Numa segunda fase serão 140 mil com a indústria toda ativada. São investimentos de R$ 52 milhões em uma planta de 13.567,66 metros quadrados de área construída.

A mudança do perfil traz ainda uma transformação na política socioeconômica do município, segundo o secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia, Pedro Nadaf. “Não apenas estas indústrias (contando outros investimentos na região) vão fazer o processo de transformação, mas a utilização de outras indústrias, que vêm para fornecer produtos e serviços para todos os frigoríficos”, completou o secretário ao lembrar que o investimento movimenta toda a atividade comercial e a infraestrutura, “que obrigatoriamente tem que vir para o município”.

A pavimentação asfáltica da MT-160 é um exemplo deste desenvolvimento. Ainda na sexta-feira, o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, inaugurou 10,5 quilômetros de asfalto na rodovia, além de praças no bairro Renascer e também no Planalto. Para Olinda dos Santos Fernandes, moradora há 13 anos do Renascer, a obra é “uma excelente alternativa de lazer ainda mais para uma cidade tão pequena. Aqui as crianças poderão brincar mais à vontade”, disse Olinda.

“É uma região que aos poucos encontra o seu caminho de crescimento, progresso, é a expectativa de melhores dias. Esta região tem terras muito ricas e boas. Uma infraestrutura que poucas regiões do Estado têm, que são as rodovias, todas asfaltadas, então faltava esta industrialização depois que acabou o garimpo”, concluiu o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi. Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mato Grosso é o que mais abate bovinos no terceiro trimestre

Posted on dezembro 18, 2009. Filed under: abate, bovinos, frigorífico, Mato Grosso, Sindicato, Sindifrigo |

>

Mato Grosso foi o Estado que mais abateu bovinos no terceiro trimestre deste ano. Ao todo, foram destinadas aos frigoríficos 1,108 milhão de cabeças de julho a setembro, o que correspondeu a 15,4% de todo o volume processado no período em todo o país, que somou 7,213 milhões de animais. O segundo maior percentual foi de São Paulo, com 12,2% do total, seguido pelo Mato Grosso do Sul com 10,9%. Na comparação com o volume abatido no Estado no mesmo período do ano passado, quando foram 977,936 mil animais, houve um incremento de 13,3% este ano. Mato Grosso tem o maior rebanho bovino do país, com pouco mais de 26 milhões de cabeças.


A curva ascendente no processamento de bovinos representa uma recuperação os abates em Mato Grosso, que vinha registrando sérios problemas com o fechamento de frigoríficos desde 2007. O secretário- executivo do Sindicato das Indústrias Frigoríficas do Estado (Sindifrigo-MT), Jovenino Borges, explica que o aumento no número de abates é decorrente da reabertura de algumas unidades que, no mesmo período do ano passado, estavam fechadas. “No terceiro trimestre do ano passado tínhamos 15 frigoríficos com as atividades paralisadas. Este ano já foram reabertos 5, aumentando a capacidade de abate estadual”.

Os números do abate em Mato Grosso foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (17). Os dados trazem ainda o incremento de 46,1%, a maior variação em percentual, no abate de suínos. De acordo com o instituto, no terceiro trimestre do ano passado foram abatidos 269,244 mil animais, e este ano a quantidade saltou para 393,586 mil. O presidente da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Luiz Antônio Ortolan Salles, explica que esse incremento é motivado pelo abate de suínos do Mato Grosso do Sul, no Estado.

“Tem um frigorífico aqui que está recebendo animais do estado vizinho”, diz ao completar que a criação de suínos em território mato-grossense está estagnada e trabalhando com déficit, na relação entre o preço do quilo do suíno (R$ 1,85) e dos custos para essa mesma quantidade produzida (R$ 2,20). Salles diz que a suinocultura está há alguns meses trabalhando no vermelho e que não há boas perspectivas para o ano que vem, já que os preços estão baixos e não há previsão de aumento no consumo interno, fatores que melhorariam a renda dos criadores.

O aumento no número de abates também foi registrado nas aves. De acordo com o IBGE o abate de frangos em Mato Grosso cresceu 19,6%, passando de 33,734 milhões em 2008 para 40,368 milhões este ano. Segundo o presidente da Associação Mato-grossense de Avicultura (Amavi), Aléssio Di Domênico, está elevação está associada principalmente à operação da indústria da Sadia, em Lucas do Rio Verde. Nos Estado existem seis unidades de abate de aves em funcionamento e a maioria apresenta uma leve redução nos abates ao longo dos 9 primeiros meses.

Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Vila Rica terá 1º frigorífico de ovinos de MT

Posted on setembro 26, 2009. Filed under: frigorífico, município de Vila Rica, ovinocaprinocultura, ovinos, SIF |

>

O município de Vila Rica (1.259 km a Nordeste de Cuiabá), situado no Consórcio Intermunicipal Norte Araguaia, irá receber investimentos da ordem de R$ 1 milhão devido à implantação de um frigorífico de ovinos. A indústria será a primeira do Estado com o Selo de Inspeção Federal (SIF) no ramo de ovinos. No entanto, a comercialização poderá atingir todo o território nacional. Além do Norte Araguaia, a região do Araguaia também será beneficiada por conta das posições geográficas que há entre as duas regiões.


O recurso federal é proveniente do Território da Cidadania. A ação se deve graças à articulação da cadeia produtiva da ovinocaprinocultura do MT Regional; dos dois consórcios que atendem à região; prefeituras e produtores da região. Acima tudo, do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).


Segundo informações do zootecnista e superintendente da cadeia produtiva da ovinocaprinocultura, Paulo de Tarso, a escolha do município obedeceu alguns critérios como baixo IDH; número de pessoas carentes; economia da região entre outros fatores. Ainda de acordo com Paulo de Tarso, nos próximos dias uma equipe técnica comandada por ele visitará todos os municípios vizinhos a fim de cadastrar os produtores da região.


“Temos que viabilizar a matéria-prima para a produção. Esse é o nosso trabalho, que é fomentar e atrair o maior número de carcaças para o abate”, destacou o zootecnista.


O município de Vila Rica irá participar com a contrapartida no valor em torno de R$ 140 mil. Para o prefeito e também presidente do Consórcio Intermunicipal Norte Araguaia, Nafitali Calixto, a iniciativa foi planejada desde o início do ano. Ele comentou que o projeto está em fase inicial, porém, não antecipou nenhum prazo para dar início às obras. “O nosso principal objetivo é proporcionar renda e emprego junto ao pequeno produtor de nossa região”, afirmou o prefeito de Vila Rica.


Nesse sentido, Calixto observou ganhos para a agricultura familiar. Em relação à demanda de matéria-prima, o prefeito diz estar tranquilo, já que a região oferece boas condições de solo e vasto rebanho de animais. Fonte:Secom

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...