gasolina

>Sem imposto: Gasolina será vendida a R$ 1,38 em Cuiabá

Posted on outubro 19, 2010. Filed under: Cide, COFINS, combustível, CUIABÁ, gasolina, ICMS, Mato Grosso, petróleo, PIS, Sindipetróleo |

>

 A campanha é promovida pelo Sindicato do Comércio Varejistas dos Derivados de Petróleo de Mato Grosso
A gasolina será vendida a R$ 1,38 o litro somente nesta sexta-feira (22). A redução de quase 50% no preço do combustível, que atualmente custa R$ 2,77 em Cuiabá e Várzea Grande, faz parte de uma manifestação do setor contra a alta tributação sobre o produto. A campanha é promovida pelo Sindicato do Comércio Varejistas dos Derivados de Petróleo de Mato Grosso (Sindipetróleo) e será realizada no posto Seminário, em Cuiabá.
Segundo o primeiro secretário da entidade, Bruno Borges, o evento será realizado a partir das 9 horas. Serão disponibilizados aos motoristas 5 mil litros de gasolina, sendo que cada automóvel poderá abastecer até 20 litro e motocicletas, 10 litros. A campanha deve beneficiar 250 veículos.
O valor a ser cobrado é com base na retirada do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), do Programa de Contribuição Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Atualmente, a carga tributária estadual sobre os combustíveis é de 25% para álcool e gasolina e de 17% para o óleo diesel. Além disso, há 5% de Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e mais 10% de PIS e Cofins.
Borges ressalta que o objetivo é conscientizar a população do que se paga de impostos. Mas a conta na ponta do lápis são raramente feitas pelos consumidores. O motorista Carlos Silva representa a maioria que desconhece os valores dos tributos.
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Petrobrás ganha R$ 24,7 bilhões por não repassar queda no preço do petróleo

Posted on agosto 22, 2010. Filed under: acionistas, capitalização, consumidor, diesel, gasolina, infraestrutura, Investimentos, Petrobras, Preços |

>

Os preços da gasolina e do diesel no Brasil estão prestes a completar dois anos com valores acima das cotações internacionais. Trata-se do período mais longo de alta desde a liberação do setor, em 2002, garantindo à Petrobrás uma receita adicional de R$ 24,7 bilhões, segundo cálculos do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).
Para analistas, esses recursos vêm ajudando a estatal a manter o ritmo de investimentos enquanto espera a capitalização. “O consumidor brasileiro está subsidiando o plano de investimentos da Petrobrás”, resume o diretor do CBIE, Adriano Pires. Em levantamento a pedido do Estado, o especialista indica que, desde outubro de 2008, os preços da gasolina e do diesel estão mais caros no Brasil do que no exterior.
Naquele ano, as cotações internacionais do petróleo desabaram por causa do estouro da crise mundial, chegando ao piso de US$ 37 por barril em dezembro.
A Petrobrás chegou a promover uma redução de preços no período – de 4,5% para a gasolina e 15% para o diesel –, mas não foi suficiente para equalizar os valores internos com os do mercado internacional. Não houve, também, impacto nas bombas, já que o governo elevou os impostos sobre os dois produtos, revertendo a redução do ano anterior, quando a estatal aumentou seus preços para acompanhar a escalada das cotações do petróleo.
Na média de julho, diz Pires, a gasolina brasileira estava 24% mais cara que a cotação do Golfo do México, usada como parâmetro para a Bacia do Atlântico. No caso do diesel, a diferença era de 14%. Na prática, a Petrobrás não é obrigada a seguir as cotações internacionais, embora esse tenha sido o objetivo da liberação do mercado em 2002. A estatal diz que sua política prevê acompanhamento de longo prazo.
Como sempre é o povo brasileiro que paga pela má gestão nas estatais
Em nota enviada ao Estado, a companhia declara que “a política de preços adotada pela Petrobrás gera um fluxo de caixa mais estável, o que é positivo para a empresa e acionistas, além de diminuir o impacto da volatilidade dos preços internacionais sobre a economia brasileira e permite à companhia vender seus produtos ao preço médio que vigora no mercado internacional”. Desde 2002, porém, não houve período tão longo de alta.
A expectativa é que a diferença se mantenha nos próximos meses. Do ponto de vista da Petrobrás, o mercado não espera quedas de preços em 2010, visão compartilhada pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que tocou no assunto na ata de sua última reunião. As cotações do petróleo – e, consequentemente, dos combustíveis no exterior – também devem se manter estáveis, oscilando em torno dos US$ 75, segundo projeção da consultoria Tendências.
Alívio
A manutenção desse cenário representa um alívio nas contas da Petrobrás, que encontra dificuldades para manter seu plano de investimentos, orçado em R$ 88,6 bilhões em 2010. A empresa está no limite de endividamento e, enquanto a capitalização não é concluída, utiliza o caixa adicional obtido com a venda de gasolina e diesel mais caros para ajudar a fechar suas contas. Os outros combustíveis, como querosene de aviação e gás natural, acompanham mais de perto as cotações internacionais do petróleo.
“Certamente essa política de preços está ajudando a Petrobrás a enfrentar seus problemas de caixa e a bancar seu plano de investimentos”, comenta Walter de Vitto, especialista em energia da consultoria Tendências. Os R$ 24,7 bilhões calculados por Pires como ganho adicional equivalem a todos os recursos que a companhia mantinha em caixa no fim do terceiro trimestre. Até o fim de junho, a empresa investiu R$ 38,1 bilhões.
“No fundo, o caixa que a Petrobrás esta fazendo (com os combustíveis) está gastando. Pode-se dizer que ela está fazendo um investimento adicional com esse caixa”, diz um analista do mercado financeiro que prefere não se identificar. Prevista inicialmente para julho, a capitalização foi adiada para setembro e depende de negociações sobre o preço das reservas que serão vendidas pelo governo à estatal. 
Fonte: Estadão
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>OAB elogia Argentina pela abertura de arquivos da ditadura

Posted on janeiro 7, 2010. Filed under: Álcool, Corinthians, Cristina Kirchner, etanol, Força Aérea, gasolina, Marinha, OAB, PAC da Mobilidade, STJ |

>

Valter Campanato/ABr

Foto
PRESIDENTE NACIONAL DA OAB, CEZAR BRITTO

<!– function paginaSlideShow220187(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, elogiou nesta quinta (7) a decisão da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de abrir os arquivos confidenciais referentes à atuação das Forças Armadas durante o período da ditadura militar no país (1976-1983). Segundo a OAB, a atitude de Kirchner “deve servir de exemplo a todos aqueles que defendem a democracia e o direito à memória e à história”. O decreto determina a abertura de “toda aquela informação e documentação vinculada à atuação das Forças Armadas” entre 1976 e 1983, salvo aquela relacionada ao “conflito bélico do Atlântico Sul [Guerra das Malvinas] e a qualquer outro conflito de caráter interestatal”. Britto disse que a entidade espera que o Brasil siga “corajosamente” o exemplo da Argentina.

  • Amorim: ‘o barato pode sair caro’

Roosewelt Pinheiro-ABr
Foto
MINISTRO CELSO AMORIM

<!– function paginaSlideShow220184(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

“Muitas vezes, o barato pode sair caro”. A frase é do ministro Celso Amorim (Relações Exteriores) ao reafirmar que será “totalmente política” a decisão final sobre a compra dos 36 caças para renovar a frota da Força Aérea Brasileira (FAB). A questão virou motivo de polêmica entre o presidente Lula e a Aeronáutica. Desde setembro, Lula vem alertando pela preferência ao Rafale, modelo francês, mesmo este sendo o mais caro da concorrência que possui ainda caças americanos e suecos. Em relatório técnico, de quem “entende do negócio”, a Aeronáutica faz referência ao modelo sueco. No entanto, autoridades como Amorim e o ministro Nelson Jobim (Defesa), preferem seguir as instruções do Planalto e apenas informaram que a decisão final será política. Neste jogo, o presidente Nicolas Sarkozy deverá levar a melhor.

  • Álcool poderá sofrer mudanças

Wilson Dias/ABr
Foto
MINISTRO REINHOLD STEPHANES

<!– function paginaSlideShow220178(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governo brasileiro deverá reduzir temporariamente a mistura de álcool na gasolina. Segundo o ministro Reinhold Stephanes (Agricultura), a medida deverá ser tomada em meio à oferta reduzida do biocombustível no mercado no período da entressafra. Os preços do etanol subiram substancialmente nas últimas semanas em boa parte do país, já que a oferta do produto está caindo com o fim do processamento da safra.O movimento prejudica os donos de veículos flex, que em muitos Estados já estão trocando o etanol pela gasolina. A eventual redução na mistura deverá ser discutida pelo governo na próxima segunda (11).

  • Governo destinará R$ 80 mi para Angra

<!– function paginaSlideShow220173(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governo federal vai liberar, por medida provisória, R$ 80 milhões para a recuperação de Angra dos Reis, a cidade mais afetada pelas chuvas do início do ano no estado. A informação foi anunciada agora há pouco pelos ministros Márcio Fortes (Cidades) e Geddel Vieira (Integração Nacional). Acompanhados do governador do Rio, Sérgio Cabral e do prefeito de Angra, Tuca Jordão, eles sobrevoaram os locais mais atingidos no município. Eles também anunciaram que durante a reunião do PAC da Mobilidade, marcada para o dia 13 de janeiro, com a presença do presidente Lula, da ministra Dilma Roussef (Casa Civil), e do ministro Guido Mantega (Fazenda), também será discutida a liberação de verbas para programas de prevenção no município.

  • Richthofen: STJ nega regime semiaberto

Revista Veja
Foto
SUZANE VON RICHTHOFEN

<!– function paginaSlideShow220171(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu pedido apresentado pela defesa de Suzane Von Richthofen para que ela fosse transferida para o regime prisional semiaberto. Em 2002, a ré participou do assassinado dos pais em São Paulo e foi condenada à pena de 39 anos e 6 meses de reclusão. De acordo com o argumento apresentado pela defesa, há mais de um ano Suzane teria cumprido o prazo especificado pela Lei de Execuções Penais para a progressão de regime. Em sua decisão, o relator do processo no STJ, ministro Og Fernandes, indeferiu o pedido sob o argumento de que a liminar fica restrita às hipóteses nas quais exista flagrante ilegalidade o que, segundo ele, não foi verificado.

  • Marinha omite gastos na reforma de
    R$ 2 milhões da casa de praia de Lula

<!– function paginaSlideShow220168(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A Marinha admitiu gastos de R$ 800 mil na reformar da casa de praia onde o presidente Lula passa o réveillon há quatro anos, na Bahia, mas omitiu gastos superiores a R$ 1,2 milhão em obras acessórias e para o conforto dos seus hóspedes ilustres. A notícia foi avançada neste site com exclusividade nesta quarta-feira. A casa faz parte da Base Naval de Aratu, área privativa na praia de Inema, a 40 km de Salvador. Ouvida terça-feira sobre os custos da reforma, a Marinha não desmentiu os gastos superiores a R$ 2 milhões, limitando-se a informar que consultaria “outras instâncias ministeriais” para oferecer explicações. Somente nesta quarta-feira divulgou nota dizendo tratar-se de uma “casa de fazenda, carecendo de obras de estruturas e conforto, visto que suas instalações elétricas, hidráulicas e sanitárias ainda remontam à época de sua construção”, para justificar a reforma e seus custos.


Fotografia é história

Fiel corintiano
Foto

<!– function paginaSlideShow220135(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Torcedor do Corinthians na arquibancada do Pacaembu, antes do time de Ronaldo entrar no gramado. Junho de 2009.

Como foiComo sempre acontece, todos os clubes começam o ano prometendo grandes reforços para o time e a torcida fica na esperança da conquista de títulos. Os fãs do Timão viram chegar o lateral Roberto Carlos, por exemplo. Mas sonham mesmo é com a Libertadores. Empolgação dos torcedores é o que não falta. É só reparar nessa foto que fiz ano passado, desse fiel corintiano, uma das vítimas da violência nos estádios. Levará para sempre as marcas das guerras entre torcidas. Perdeu parte dos dedos em um conflito com rivais. Essa, aliás, é uma faceta que não se pode desconhecer. São minorias, é claro. Mas em muitos casos transformam-se em associações para proteção de malfeitores. Como se a posse do ingresso para assistir ao jogo dê autorização para o vandalismo. Orlando Brito.

  • Ministros se reúnem com
    prefeitos da Baixa Fluminense

<!– function paginaSlideShow220167(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Os ministros Marcio Fortes (Cidades) e Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) vão se reunir nesta quinta (7) com prefeitos de municípios da Baixa Fluminense, castigados pelas enchentes ocorridas em dezembro passado. Antes do encontro, as autoridades sobrevoarão a região, onde morreram nove pessoas vítimas das fortes chuvas. No começo da tarde, os ministros terão reunião com o prefeito de Angra, Tuca Jordão, no quartel do Corpo de Bombeiros da cidade. O vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, participará do encontro.<!– .replace('

‘,”).replace(‘

‘,”) –> As informações são da Agência Brasil.

  • Península Antártica resfriou 0,6ºC

British Antarctic Survey/AP
Foto
REGIÃO SOFREU RESFRIAMENTO DE 0,6º C EM 14 ANOS

<!– function paginaSlideShow220165(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Dados meteorológicos da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), a base brasileira no continente gelado, indicam uma tendência de resfriamento de 0,6º C, nas temperaturas registradas nos últimos 14 anos. 2009 foi excepcionalmente frio na EACF, com uma temperatura média de 2,6º C negativos. Neste século, apenas 2007 foi mais frio, com temperatura média de 3,1º C negativos. Novembro teve a temperatura mais baixa para o mês em 11 anos, além de ter a terceira média mais baixa desde 2001. Para 2010, a tendência é que a temperatura continue no mesmo patamar.

  • MT: Promotoria quer reduzir
    ganhos de conselheiro do TCE

<!– function paginaSlideShow220164(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O Ministério Público de Mato Grosso pediu à Justiça a suspensão de pagamentos acima do teto constitucional para o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, ex-deputado estadual Humberto Bosaipo (DEM). De acordo com a Promotoria, ele recebe mensalmente um total de cerca de R$ 75 mil vindos de quatro fontes, todas públicas. Empossado no TCE em dezembro de 2007, Bosaipo recebe salário de R$ 22.111,55, teto do funcionalismo estadual –90% do salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal. Além da suspensão dos pagamentos que superem o teto, a ação pede à Justiça que seja feito o cálculo dos valores supostamente recebidos de forma indevida e quer que dinheiro seja restituído.

Sponholz

Sponholz
  • Safra de 2010 deve crescer 5,2%

<!– function paginaSlideShow220156(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A safra brasileira de grãos deve ficar 5,2% maior em 2010 na comparação com a do ano passado. Segundo nova estimativa divulgada nesta quinta (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção deve alcançar 140,7 milhões de toneladas, em uma área de 48,1 milhões de hectares, 2,0% superior à de 2009. A nova estimativa do IBGE também aponta que a safra de 2009 deve ficar 8,3% menor que a do ano anterior, quando atingiu o recorde de 146 milhões de toneladas. Apesar da queda, a safra de 134,1 milhões de toneladas colhidas no ano passado é a segunda maior da série histórica do IBGE.

  • PSDB contesta no STF créditos extras

<!– function paginaSlideShow220113(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O PSDB protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) ação direta de inconstitucionalidade para contestar medida provisória editada pelo governo Lula que abre créditos extraordinários para órgãos e entidades do Poder Executivo. A MP direciona R$ 18 bilhões para a implantação do trem de alta velocidade que ligará o Rio de Janeiro e São Paulo, para a construção de terminais fluviais no Amazonas e implantação e melhoria de sistemas públicos de abastecimento de água em municípios de até 50 mil habitantes. De acordo com o PSDB, pela Constituição, o crédito extraordinário só pode ser aberto para “atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública”. A Suprema Corte deverá analisar a ação apenas em fevereiro. Fonte: ClaudioHumberto

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...