GVT

>Agêcia reguladora afirma que compra da GVT amplia competição das teles

Posted on novembro 17, 2009. Filed under: Anatel, celular, Comunicações, GVT, Mercado, Ministério, Telecomunicações, telefonia |

>

O presidente da Anatel, Agência Nacional de Telecomunicações, Ronaldo Sardenberg, afirmou ontem que a entrada do grupo francês Vivendi no mercado brasileiro deverá aumentar a competição, melhorar a qualidade dos serviços e ampliar a cobertura de telefonia no país, além de poder reduzir os preços. “Vemos isso (a entrada do grupo) de forma positiva”, disse Sardenberg, depois de participar da abertura do seminário “Alternativas para o desenvolvimento.

da infraestrutura e do acesso em banda larga”, na Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), da Presidência da República.

“Vemos que a competição deverá aumentar, o que terá impacto na qualidade. A qualidade oferecida deverá ser melhor, e os preços tenderão a ser moderados”. Segundo ele, a entrada de “capital forte” no setor de telefonia amplia a cobertura dos serviços. Na quinta-feira passada, a Anatel concedeu anuência prévia para que a Vivendi e a Telefônica pudessem comprar a GVT. “Mantivemos uma posição de neutralidade diante dos competidores, e quem deveria fazer a opção era a GVT”.

Na sexta-feira, o grupo Vivendi fez uma nova oferta aos acionistas da GVT e adquiriu o controle da empresa. Na decisão da Anatel não foram impostas exigências à Vivendi. Ontem, Sardenberg deu a entender que, se forem necessárias, no futuro, serão impostas condicionantes ao negócio. “Isso virá com o tempo, se for necessário. Nesta fase, o que queremos é atrair investimentos. Mais adiante, poderemos aplicar condicionantes, em um momento oportuno”. Na quinta-feira, Sardenberg explicou que não foram impostas condicionantes à Vivendi por se tratar de um grupo que ainda não atua no mercado brasileiro, enquanto a Telefônica tem forte atuação no país.

O secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Roberto Martins, disse que considerou positiva a compra da operadora de telefonia GVT pelo grupo francês Vivendi. Para ele, é possível que o grupo francês se interesse pelo mercado de telefonia celular.

Fonte: A Gazeta

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Síntese econômica

Posted on setembro 11, 2009. Filed under: Calçados, Economês, GVT, Síntese econômica, Selic |

>

Impacto

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, defendeu uma análise detalhada da eventual compra da GVT pelo grupo francês Vivendi antes de fazer uma avaliação sobre o impacto da operação no Brasil. “A gente tem que fazer uma boa análise para saber o que significa isto, que impacto isto traz para a continuidade dos serviços da empresa no Brasil e de que maneira isto interfere no mercado de trabalho”.


Selic

Apesar do crescimento do nível de utilização da capacidade instalada em julho, o Banco Central (BC) não precisa se preocupar em elevar os juros básicos da economia, mas deve-se acompanhar agora o nível de juro cobrado pelos bancos. “A agenda deve mudar para as taxas dos empréstimos bancários. É preciso olhar menos o juro básico e mais o dos empréstimos”, afirmou o economista-chefe da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castello Branco.


Calçados

As importações de calçados chineses terão uma alíquota adicional de US$ 12,47 o par pelos próximos seis meses, segundo decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) publicada ontem no Diário Oficial da União. O processo para investigação da prática de dumping nas exportações chinesas de calçados para o Brasil foi aberta em outubro de 2008 pela Associação Brasileira de Calçados (Abicalçados). De janeiro a julho, o preço médio do calçado importado pelo Brasil foi de US$ 8,32.


Alíquota

A alíquota será cobrada aos calçados situados entre as posições 6402 a 6405 da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). Essas posições incluem calçados com cabedal (parte de cima do produto) sintético, de couro, têxtil e outros exóticos e respondem por 99,5% das importações chinesas. A decisão exclui, porém, os calçados para os segmentos médico-hospitalar, segurança do trabalho, entre outros.


Economês

A Petrobras pode reduzir em até 20% sua produção de gasolina no País para se adaptar ao mercado consumidor doméstico, que está priorizando o álcool combustível, garante o diretor de Abastecimento e Refino da estatal, Paulo Roberto Costa. A companhia está priorizando algumas correntes nas refinarias para aumentar a produção de diesel e de nafta, produtos em que o País é deficitário.

Bolsa de Valores – O curso Aprenda a Investir na Bolsa de Valores acontece nos dias 18, das 19h às 22h e 19, das 8h às 17h, no auditório do Grupo Gazeta, rua Prof. Teresa Lobo, 30. Informações (65) 3025-4806. Fonte: http://www.gazetadigital.com.br

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...