Hiroshima e Nagasaki

>Hiroshima foi uma "vitória" da ciência

Posted on agosto 12, 2009. Filed under: Arnaldo Jabor, ciência, Hiroshima, Hiroshima e Nagasaki |

>

Eu ia escrever sobre as bombas de lama que caem sobre a população brasileira, enviadas pelos senadores do mal. Mas, lembrei-me que há cinco dias , (64 anos no túnel do tempo) em 6 e 9 de agosto de 1945, os americanos destruíram Hiroshima e Nagasaki. Ninguém fala mais nisso. Os jornais esqueceram. Por isso, todo ano me repito e escrevo sobre a bomba nessa data, não para condenar um dos maiores crimes da humanidade, não. Mas para lembrar aos que fazem o favor de me ler que o impensável pode acontecer sempre. O horror se moderniza, mas não acaba.

Agora, não temos mais a guerra fria; ficamos com a guerra escaldante do deserto – nações islâmicas e nucleares – a mais perigosa combinação: fanatismo e poder. Vivemos dois campos de batalha sem chão; de um lado a maquina americana comandada pela lógica do turbo capitalismo, apesar e alem de Obama. Do outro lado, temos os homens-bomba multiplicados por mil. E eles amam a morte. Imaginem homens-bomba nucleares… Paquistão, Índia, Israel e, um dia desses, o Irã. Sem falar na Coréia do Norte, Rússia e na inveja letal que o grande progresso da China poderá provocar no Ocidente americano. Vivemos hoje na era inaugurada por Hiroshima: um tempo em que o suicídio da humanidade virou uma escolha política e militar. Os computadores do Pentágono oscilam: valerá ou não a pena continuarmos atômicos? Há poucos meses, no trágico período Bush, já recauchutaram 10 mil bombas “velhas”, para que rejuvenesçam e durem mais.

Em Hiroshima, inaugurou-se a “guerra preventiva” de hoje. Enquanto o holocausto dos judeus na Segunda Guerra fecha o século 20, por conta de contradições ainda do século 19, o espetáculo dantesco de Hiroshima marca o inicio da guerra do século 21, continuada na destruição do WTC em 2001. Auschwitz e Treblinkas ainda eram “fornos” da Revolução Industrial, mas Hiroshima inventou a guerra tecnológica, virtual, asséptica. A extinção em massa dos japoneses no furacão de fogo fez em 1 minuto o trabalho de meses e meses do nazismo.

O que mais impressiona na destruição de Hiroshima é a morte “on delivery”, “de pronta entrega”, sem trens de gado humano, morte “clean”, anglo saxônica. A bomba americana foi considerada uma “vitoria da ciência”. Hiroshima e Nagasaki prefiguram a Guerra do Golfo, Afeganistão e Iraque 2.

Os nazistas matavam em nome do ideal psicótico e “estético” de “reformar” a humanidade para o milênio ariano. As bombas americanas foram lançadas em nome da “Razão”. Na luta pela democracia, rasparam da face da terra os “japorongas”, seres oblíquos que , como dizia Truman em seu diário: ” São animais cruéis, obstinados, traidores. “Seres inferiores de olhinho puxado podiam ser fritos como shitakes””

Enquanto os burocratas alemães contavam os dentes de ouro e óculos que sobraram nos campos, a bomba A agiu como um detergente, um mata-baratas. Vale lembrar de um detalhe espantoso: o avião que largou a bomba A em Hiroshima tinha o nome da mãe do piloto na fuselagem – “Enola Gay” – esse gesto de carinho batizou de fogo 150 mil pessoas. Essa foi a mãe de todas as bombas, parindo um feto do demônio que exterminou 40 mil crianças em 15 segundos.

Ainda hoje, é fascinante ver as racionalizações que a América militar inventou para justificar seu crime nuclear. O presidente Harry Truman, que mandou a bomba, escreveu: “Eu queria nossos garotos de volta (“our kids”) e ordenei o ataque para acelerar essa volta.” Diziam também que Hitler estava perto de conseguir a bomba, o que é mentira. A destruição de Hiroshima foi “desnecessária” militarmente. O Japão estava de joelhos, querendo preservar apenas o imperador e a monarquia. Uma das razões reais era que o Presidente e os falcões da época queriam testar o brinquedo novo. Truman fala dele como um garoto:

“Uau! É o mais fantástico aparelho de destruição jamais inventado! Uau! No teste, fez uma torre de aço de 60 metros virar um sorvete quente!…”

Alem disso, os americanos queriam vingar Pearl Harbour, pela surpresa de fogo, exatamente como o ataque japonês três anos antes. Queriam também intimidar a União Soviética, pois começava a Guerra Fria; alem, claro, de exibir para o mundo um show “maravilhoso” de som e luz, uma super-produção a cores do novo Império.

O holocausto sujou o nome da Alemanha, mas Hiroshima soa quase como uma vitória tecnológica “inevitável”. Na época, a bomba explodiu como um alivio e a opinião publica celebrou tontamente. Nesses dias, longe da Ásia e Europa, só havia os papeis brancos caindo como pombas da paz na Quinta Avenida, sobre os beijos de amor e vitoria.

Era o inicio de uma era de prosperidade na América, dos musicais de Hollywood, pois o Eixo do mal estava derretido. Até a moda feminina foi influenciada; as mulheres começaram a usar um penteado em cogumelo, chamado Bomba Atômica. Naquele ambiente mundial não havia conceitos disponíveis para condenar esse crime hediondo. A época estava morta para palavras, na vala comum dos detritos humanistas.

A euforia americana avança até 1949, quando a bomba H soviética acaba com a festa, instilando a paranóia nacional que vai crescer muito em 1957, quando sobe o “sputnik”, o primeiro satélite soviético, com um “bip bip” que humilhava os americanos – eu estava lá: parecia um 11 de setembro. Incrivelmente, o holocausto ainda tinha o desejo sinistro de produzir um “sentido” para a matança, um futuro milênio ariano.

Hoje, não há mais objetivos ideológicos ou “humanos” no comando. No lado Ocidental, quem mandam são as Coisas: a lógica do petróleo, a incessante industria militar, a paranóia antiterror que a era Bush tanto manipulou.

Mesmo sem um projeto humano no comando supremo, as bombas desejam explodir. Estamos assim: de um lado, interesses do capital; do outro, Alá. A pulsão de morte e o desejo de mercado se encontraram finalmente. Quem vai controlar?

Fonte: A Gazeta

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...