hospitais

>Saúde: Uma radiografia da maldade

Posted on maio 12, 2010. Filed under: Guiratinga, hospitais, radiografia, Saúde, Tesouro |

>

  • WILSON SANTOS

    Após visitar trinta municípios, em nossa pré-campanha, começo a entender a lógica macabra que norteou o atual governo de Mato Grosso em relação à saúde pública: o desmonte da saúde no interior, com o propósito de sufocar e asfixiar Cuiabá.

    Diante disso, dizer que a degradação da saúde pública em Mato Grosso é uma fratura exposta que, por falta de intervenção eficaz, desencadeou infecção generalizada, seria ‘apenas’ valer-se de uma forte figura de linguagem.

    Na verdade, a situação expõe, com dramática crueza, até onde a insensibilidade de governantes pode afrontar a sensatez.

    Trata-se, portanto, de uma questão de ética pública e até de moral cristã: é possível ignorar-se a dor e o drama de um ser humano, em nome de uma ‘objetividade’ política que afronta princípios elementares, como o direito ao tratamento digno?

    Lamentavelmente, é isso que o governo que aí está tem feito, com sistemática persistência e trágicos efeitos diretos e colaterais.

    Na imensa maioria das três dezenas de municípios que visitamos até aqui, para colher de lideranças locais propostas para nosso plano de governo, o desmonte do sistema de saúde pública tem sido denunciado com dramática veemência.

    Nesse quadro de infecção generalizada, há exemplos tragicamente emblemáticos. Quando adolescente, ouvia com frequência que o melhor hospital do Estado estava em Guiratinga, para onde afluíam até os “desenganados”, como se dizia à época. Por décadas, o Hospital Santa Maria Bertila, fundando pelos salesianos e, depois, administrados por padres franciscanos, foi referência de proficiência médica.

    Com insidiosa aplicação, o atual governo estadual repetiu em Guiratinga a perversa receita: comprou, ainda em 2005, por R$ 500 mil, o Santa Maria Bertila, que acabara de fechar por falta de apoio. Anunciou investimentos de mais R$ 200 mil em equipamentos e, em 28 de junho daquele ano – portanto há quase exatos cinco anos – prometeu reabri-lo em seguida. Até hoje não cumpriu a promessa, e o histórico hospital se desfaz, vitima da mesma e trágica mazela que ataca os pacientes que já não pode receber e tratar: o abandono e a insensibilidade dos ‘poderosos’ de plantão.

    Se, da perspectiva humana é impossível encontrar um mínimo de lógica na loucura que move o governo a gastar dinheiro público na aquisição de hospitais privados para…fechá-los, do ponto de vista da “política” mais perversa, a monstruosidade se explica.

    Desmontar a estrutura de saúde no interior significa, como se viu, inundar Cuiabá com uma demanda tal que sufoque e desmoralize a rede pública da Capital. Nessa conta macabra, as vidas que se perdem não contam. Só os resultados ‘eleitoreiros’ que alguns pensam auferir.

    Não longe de Guiratinga, Tesouro não tem sequer uma aparelho de raio-X, o que obriga a grandes deslocamentos de pessoas com problemas relativamente simples, onerando o sistema já falido e ampliando os riscos de acidentes em viagens de ambulâncias igualmente sucateadas.

    Em Cuiabá, e seguindo a mesma e perversa receita, o governo que aí está comprou e fechou dois hospitais sem que tenha acrescido, em troca, um único leito.

    Em número muito aquém do desejável, os hospitais regionais se deterioram na medida em que a demanda aumenta por falta de uma mínima hierarquização – que exige suporte de equipamentos e de pessoal – do atendimento.

    Há casos em que equipamentos sofisticados ‘mofam’ há anos, inutilizados sob o peso da burocracia que impede sua instalação. Aflige e constrange constatar que a hemorragia da insensibilidade pública exaure as veias da população pobre que, às vezes a centenas de quilômetros de um ‘socorro’, depende da ‘ambulanciaterapia’, única ‘alternativa’ de saúde que este governo incrementou – agora se sabe porque: quanto mais veículos, mais margem…

    Felizmente, com os investimentos que fizemos em profissionais, equipamentos e estrutura, o sistema de saúde de Cuiabá pode responder a essa demanda ampliada pelo “descaso planejado” do governo estadual.

    Está mais que na hora de estancar esse processo desumano de degradação de uma política pública que trata diretamente com a vida.

    Voltaremos ao tema.

    WILSON SANTOS (PSDB) é ex-prefeito de Cuiabá e pré-candidato ao Governo do Estado de Mato Grosso.

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Secretário de Saúde de MT se demite antes de completar um mês no cargo

Posted on abril 28, 2010. Filed under: governador, hospitais, Kamil Fares, Secretário de Saúde, Unimed |

>

O que teria ficado acertado após duas horas de reunião na última segunda-feira (26) entre o governador Silval Barbosa (PMDB) e o secretário de Saúde, Kamil Fares, não prosperou e o secretário deixa em definitivo a equipe governamental menos de 30 dias após ter assumido o cargo. Após escolhido para a função, no final do mês de fevereiro, e ter iniciado um intenso ritmo de trabalho para debelar a crise que o setor de saúde pública vive com imensas filas de espera e falta de gestão, o secretário teria sucumbido a interferências políticas e dificuldades financeiras e de falta de relacionamento, mesmo assumindo a função com todo apoio político do governador do Estado, inclusive estando aberto para que trouxesse pessoas de sua confiança para os cargos chaves da Secretaria de Estado da Saúde.
Kamil Fares
Kamil Fares chegou a implementar medidas de impacto elogiadas pelos profissionais da área médica com que nutre um relacionamento muito proficuo decorrente de vários anos de exercício da medicina e como representante do Sindicato dos Hospitais e nos últimos 6 anos de presidente da Unimed -Cooperativa Médica de Cuiabá. “Essa solidez de relacionamento não permitiram ao secretário construir uma base forte para enfrentar os graves problemas da área de saúde”, disse um profissional amigo de Fares, apontando que antes de assumir o cargo, o ex-secretário teria ido de encontro aos amigos e solicitado apoio para desmistificar o sentido incutido pelo ex-governador Blairo Maggi de que médico não saberia gerir administrativamente a saúde pública.
Maggi escolheu então gestores para a função, como o caso do promotor de Justiça, Marcos Machado e Augustinho de Freitas que permaneceu por mais de 4 anos como secretário. Aliás na gestão dele, a saúde teve como primeiro titular a professora e médica da UFMT, Luzia Leão, posteriormente substituída por pouco mais de 30 dias por Gabriel Novis Neves então secretário de Educação e este por Marcos Machado que era secretário de Administração e por fim por Augustinho Moro que ficou até o final do seu mandato.
No encontro que teve com o governador Silval Barbosa, o secretário teria apontado dificuldades de gestão, problemas de saúde e falta de apoio para solucionar os problemas da saúde pública, além da pressão exercída pelos deputados estaduais, mais precisamente pela CPI da Saúde. Interinamente responderá pela Secretaria de Saúde do Estado, o atual diretor-presidente do MT Saúde, Augusto Amaral, que também veio da Unimed. Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Insegurança: Rio terá hospitais blindados

Posted on julho 19, 2009. Filed under: Barack Obama, blindados, Dilma Rousseff, Gilberto Mestrinho, hospitais, Mercosul, Panamá |

>

Panamá deixará parlamento regional

<!– function paginaSlideShow204333(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governo do Panamá iniciou o processo para retirar o país do Parlamento Centro-americano (Parlacen). Segundo o vice-presidente e chanceler Juan Carlos Varela, o Parlacen “é muito criticado por dar imunidade a políticos questionados em seus respectivos países”. Em sua opinião, neste sentido, a saída do Panamá “talvez sirva para que o organismo reflita sobre sua razão de ser e seu funcionamento”. Fundado em 1991, o Parlacen é composto por parlamentares de El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá e República Dominicana.

Dilma encontrará Barack Obama

Foto
Dilma Rousseff

<!– function paginaSlideShow204332(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) vai se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta terça (21), em Washington. O encontro está na programação oficial da viagem da ministra Dilma à capital norte-americana, onde participará da 4ª Reunião do Fórum de Altos Executivos de Empresas do Brasil e dos Estados Unidos. Antes de se reunir com Obama, Dilma terá um encontro com o secretário do Tesouro, Timothy Geithner.

Morre ex-senador Gilberto Mestrinho

Foto
Gilberto Mestrinho

<!– function paginaSlideShow204392(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Morreu neste domingo (19), em Manaus, o ex-senador e ex-governador do Amazonas Gilberto Mestrinho (PMDB), aos 81 anos. Mestrinho também foi prefeito de Manaus e presidiu a Comissão Mista do Orçamento do Senado. Ele foi internado há 15 dias no hospital Prontocord com insuficiência renal crônica e morreu de parada cardíaca – Mestrinho tinha câncer nos pulmões. O hospital ainda não divulgou o boletim oficial com a causa da morte. Seu corpo será velado no palácio Rio Negro, na capital amazonense. Deixou a viúva Maria Emília Mestrinho e nove filhos.

Rio terá hospitais blindados

<!– function paginaSlideShow204331(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

O governo do Rio de Janeiro anunciou que cinco dos seis hospitais da rede federal serão blindados. As unidades estão em regiões consideradas áreas de risco, por conta de constantes tiroteios entre traficantes de facções rivais e confrontos com a polícia. Os hospitais terão diferentes proteções contra disparos de arma de fogo – as intervenções preveem a construção de muros de concreto, distantes cerca de um metro dos prédios, instalação de venezianas de aço (brie-soleil, no termo técnico) e até mesmo a blindagem de vidros. O programa prevê gastos de R$ 500 milhões em qualificação profissional e modernização de equipamentos. Da verba total, R$ 110 milhões serão destinadas a intervenções arquitetônicas, o que inclui a blindagem. O projeto será concluído em dois anos.

Lula participa de reunião do Mercosul

<!– function paginaSlideShow204330(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

Entre oito e dez chefes de Estado participarão de uma cúpula de presidentes do Mercosul que será realizada nos dias 23 e 24 em Assunção, no Paraguai. Esta será a 37ª reunião ordinária e marcará o fim da presidência semestral do bloco pelo Paraguai. Em pauta, entre outros assuntos, está a tensa situação em Honduras após o golpe de Estado que depôs o presidente Manuel Zelaya, no fim de junho. Participam da cúpula os líderes de Paraguai, Uruguai, Brasil e Argentina. Depois da Cúpula do Mercosul, Lula ainda deve se reunir com o presidente paraguaio, Fernando Lugo, para tratar das questões relativas à hidrelétrica de Itaipu.

Projeto sobre agências
reguladoras fica para agosto

<!– function paginaSlideShow204329(id, num) { var index = -1; for (var i = 1; i 1) { //alert(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)); document.getElementById(“img_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +eval(index – 1)).style.fontWeight = ‘bold’; } else if (index != -1) { document.getElementById(“img_” +id+ “_” +index).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +index).style.fontWeight = ‘bold’; } break; default: document.getElementById(“img_” +id+ “_” +num).style.display = ”; document.getElementById(“link_” +id+ “_” +num).style.fontWeight = ‘bold’; } } //–>

A análise da Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 3337/09, que estabelece novas regras para as agências reguladoras, ficou para agosto. A pauta trancada por medidas provisórias impediu que a proposta fosse analisada pelos deputados antes do recesso parlamentar. Porém, o relator da proposta, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que já busca um acordo de líderes para garantir a votação da matéria. Segundo o projeto, a definição dos critérios das licitações será dos ministérios e a operacionalização das agências. Barros incluiu ainda em seu substitutivo a possibilidade de um ministério delegar o poder de outorga dos serviços que desejar às agências reguladoras. O projeto, de 2004, tramita em regime de urgência e está pronto para votação em Plenário.

Fonte: Claudio Humberto

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...