infidelidade

>Homens que ganham menos traem mais…

Posted on agosto 20, 2010. Filed under: casais, dinheiro, fraude, infidelidade, mulher, Mulheres, pesquisas, religiosa, rendimento, trair, Universidade de Cornell |

>

Um novo estudo descobriu que os homens são mais propensos a fraude se o seu rendimento é muito inferior ao que sua esposa ou parceira faz com que, enquanto as mulheres são mais propensas a brincar se fazem mais seu marido ou parceiro.
Os resultados sugerem que as disparidades em moneymaking desempenhar um papel significativo na infidelidade, pelo menos entre os casais jovens que estudaram.
“Com as mulheres, eram menos prováveis acoplar no infidelidade menos o dinheiro que eles fazem em relação ao seu marido”, disse o estudo autor Christin Munsch. “Mas para os homens, menos dinheiro que você faz em relação ao seu esposo, o mais provável que você se envolver em infidelidade.”
Munsch, um estudante graduado na Universidade de Cornell, disse que ela veio com a idéia de estudar os efeitos da renda sobre infidelidade após ouvir de um amigo que foi traída por seu parceiro. Ele disse Munsch que “fez todo o dinheiro, ela tinha todos os amigos, e ele subiu lá para estar com ela. Sentiu-se completamente impotente.”
Enquanto houve pesquisas anteriores à infidelidade, não olhar para as diferenças de renda entre os casais, Munsch disse.
Então, ela examinou os resultados de uma pesquisa nacional que acompanhou 9.000 pessoas a partir de 1997, quando eram crianças. Ela se concentrou nos resultados do exame de 2001-2007, quando os participantes tinham entre 17 e 27 anos de idade.
Os resultados são programados para ser liberados segunda-feira na reunião anual da Associação Sociológica Americana, em Atlanta.
Munsch descobriu que quase 7 por cento dos homens relataram ter sexo fora do relacionamento, entre 2002 e 2007, enquanto cerca de 3 por cento das mulheres o fizeram. Homens negros e hispânicos eram mais prováveis do que homens brancos de ter enganado cerca.
Dois fatores de estilo de vida, ensino superior e da prática religiosa regular, parecem ajudar a manter a infidelidade na baía para homens e mulheres, constatou o estudo.
Mas os fatores que têm a ver com o dinheiro – como o homem que faz mais ou menos de sua esposa ou companheira – que aumentam o risco de infidelidade, Munsch disse. Mas ela advertiu que “estamos a falar de números muito pequenos.”
Se você for uma mulher e “fazer mais dinheiro do que o seu parceiro, o seu parceiro não é 100 por cento de probabilidade de fraude”, ressaltou.
Ainda assim, o dinheiro parece ser um fator significativo.
Homens que fazem menos do que suas esposas podem inclinar-se para a infidelidade, porque eles sentem uma “ameaça identidade de gênero”, Munsch especulou.
“A gama de comportamentos aceitáveis para os homens é muito mais estreita” quando se trata de uma relação dinâmica, como os que envolvem finanças, disse ela. “É mais difícil de bater essa marca, porque isso é uma pequena marca. Se você não está batendo a marca, você pode se sentir ameaçado”.
Na outra extremidade do espectro, a infidelidade parece aumentar quando um parceiro fez muito mais dinheiro do que o outro. E isso era verdade se o homem ou a mulher era o assalariado grande.
“Se você trabalhar longas horas e têm mais renda disponível, é mais fácil de esconder a infidelidade,” Munsch fundamentado. Por exemplo, despesas extraordinárias cobradas em cartões de crédito pode passar despercebida. Além disso, ela disse, as pessoas que ganham mais dinheiro também podem viajar com frequência e conhecer muitas pessoas do sexo oposto.
Helen Fisher, antropóloga e professora de pesquisa da Universidade Rutgers, disse que faz sentido que os homens com mais dinheiro seriam mais propensos a brincar.
“Ele provavelmente viaja muito e unidades de carros melhores, e provavelmente ele está em restaurantes finos. Ele é o tipo de publicidade dos recursos que as mulheres estão à procura de uma perspectiva evolucionária,” disse ela. “Em todo o mundo, as mulheres vão para os homens que estão no topo da pilha.”
Mas há menos razão, a partir de uma perspectiva evolucionária, para um homem perdido se ele faz menos dinheiro do que sua parceira, ela disse. “Você acha que um homem gostaria de ficar por esses recursos a si mesmo. Isso pode ter mais de uma explicação puramente psicológica.”
Quanto às mulheres, disse ela, a riqueza traz-lhes um maior poder para fazer o que eles querem, se é sair de um relacionamento ruim ou ter um caso.
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>A infidelidade do amigo

Posted on abril 5, 2010. Filed under: Amigo, Detran, infidelidade, investigação, paixão |

>Teobaldo Witter

Na sexta-feira da Paixão lembramos, profundamente, a morte de Jesus Cristo na Cruz, no lugar chamado Gólgota, ou seja, no lugar da caveira. Além da inveja dos seus adversários, que tramaram sua morte, Jesus sofreu as consequências da infidelidade dos amigos, sendo Judas o bode expiatório da traição de todos e todas.


Jesus sofreu com os infiéis da sua causa de vida e salvação. A humanidade sofre com a infidelidade nos relacionamentos e nos trabalhos em equipe. Num assalto, onde houve morte, o gerente disse: o problema são os infiéis. Ele suspeitou que alguém muito próximo dele articulou a ação. O fato se comprovou, na investigação.


Um dos grandes problemas da humanidade é a infidelidade. As infidelidades no negócio, nas mentiras, na família, na corrupção, nos partidos políticos, no trabalho em equipe trazem consequências trágicas para a qualidade de vida. Mas tem aquela infidelidade que a gente quase não percebe. O jogador que joga, sua a camisa, mas não colabora com a equipe. Os colegas que têm inveja um do outro e se boicotam no jogo, não passando a bola no lugar e momento certo. A maioria dos jogadores da equipe que quer se livrar do técnico e só sapateia no campo, como mosca tonta, sem rumo. O colega de trabalho que não passa a informação adequada, que faz corpo mole. São traições, parecem pequenas, mas as suas consequências são horríveis. Sobrecarregam colegas. E impõem serviço de má qualidade. A má qualidade no serviço público tem na infidelidade uma de suas principais causas.


A fidelidade é um dom precioso. É um princípio fundamental de Deus. A experiência mais importante da humanidade, em seus relacionamentos de fé, esperança e confiança, é a fidelidade dele. Há vida e salvação, porque Deus prometeu. Ele é fiel. Ele não abandona, nem negligencia um só momento seus cuidados conosco, apesar de nossas infidelidades.


Recebi um texto que foi repassado pelo colega P. Geraldo Graf. Conta uma lenda que certo homem cometeu um crime e foi condenado à morte. O juiz marcou a data da execução e concedeu um último pedido ao condenado. Este suplicou: “Permita-me ir despedir-me da minha mãezinha. Ela mora longe, é idosa e está muito doente. Há muito tempo, ela espera minha visita”. O juiz respondeu: “Seu pedido é justo e permitirei que vá se despedir de sua mãe. Porém, você só poderá se ausentar se outra pessoa ficar em seu lugar na prisão. Caso você não retornar, ela será executada”. Desconfiados, os amigos se recusaram a ficar na prisão em lugar do condenado. Todos deixaram, de mansinho, o local. Apenas um deles, ao sair, olhou no rosto do condenado e, com compaixão, decidiu acreditar no amigo preso. E se ofereceu para ficar na cadeia, no lugar do condenado, enquanto este visitava a mãe.


Chegou o dia da execução. O condenado não retornou. O povo fez chacota. Chamou de tolo o amigo que confiara no criminoso. Na hora marcada, o amigo foi conduzido ao cadafalso para ser enforcado. Já estava com a corda no pescoço, quando, subitamente, o condenado veio correndo ofegante para fazer a “destroca”. Explicou que se atrasou, porque tivera que sepultar primeiro sua mãe, que morrera feliz com o reencontro. Ela disse que estava esperando se encontrar com o filho para partir em paz.


Todos ficaram muito impressionados com a amizade e a fidelidade desses dois amigos. O juiz decidiu perdoar o condenado e lhe concedeu a chance de recomeçar sua vida. “Eu gostaria de ter amigos tão fiéis e cumpridores da palavra como vocês dois são!”, concluiu o juiz.


Esta é uma história com final feliz. Mas nós conhecemos uma outra história que está repleta de inveja e infidelidade. O amigo que ficou no lugar dos condenados e foi executado em lugar destes numa cruz. Jesus foi traído, primeiramente, por um amigo, Judas. Depois foi traído por todos os apóstolos e, finalmente, por todos os seres humanos. Apesar disso, a fidelidade de Deus venceu nossa infidelidade.


Autor: Teobaldo Witter é pastor luterano, ouvidor do Detran e professor universitário. E-mail: twitter@terra.com.br – Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...