Inflação

>Inflação oficial encerra 2010 no maior índice desde 2004, diz IBGE

Posted on janeiro 7, 2011. Filed under: IBGE, Inflação |

>

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, fechou o ano de 2010 em 5,91%, segundo o IBGE. O resultado é maior que o registrado em 2009, quando o índice fechou em 4,31%. Com isso, o IPCA fechou na maior variação desde 2004. Os alimentos exerceram a principal influência, pois ficaram, em média, 10,39% mais caros de 2009 para 2010.
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>A campanha eleitoral e a expectativa de piora para economia em 2011

Posted on outubro 18, 2010. Filed under: Banco Central, campanha eleitoral, Dilma Rousseff, economia, Inflação, José Serra, juros, Orçamento federal. Banco Central, PIB, previsões |

>

Enquanto Dilma Rousseff e José Serra praticamente ignoram o debate dos temas macroeconômicos, as expectativas de analistas e investidores para o próximo ano vêm piorando ao longo da campanha eleitoral.
A petista e o tucano ostentam a condição de economistas em seus programas de rádio e TV, mas pouco ou nada se sabe sobre o que pretendem fazer a respeito das políticas fiscal, de administração das receitas e gastos públicos; monetária, de controle dos juros e da inflação; e cambial, referente à relação entre o real e as moedas de outros países.

Nos três casos, o futuro presidente terá de tomar medidas para responder a incertezas que se acumularam nos últimos meses e tornaram o cenário para 2011, embora sem ameaça visível de crise, menos benigno do que parecia antes do início oficial da corrida ao Planalto.
A preocupação mais imediata é com a credibilidade do Orçamento federal. Desde o ano passado, o governo não tem conseguido cumprir as metas de superavit primário, ou seja, a parcela da arrecadação de impostos e outros recursos poupada para abater a dívida pública.
Segundo pesquisa do Banco Central, o mercado não acredita no anunciado superavit de 3,3% do Produto Interno Bruto em 2011. As projeções dos especialistas, que convergiam para 3% até julho, hoje estão em 2,8% do PIB. A diferença em relação à meta é de quase R$ 20 bilhões, ou um ano e meio de Bolsa Família.
PROMESSAS
Os candidatos, no entanto, têm proposto redução de tributos e aumento de gastos. Serra, na promessa mais cara da campanha, disse que vai elevar o salário mínimo a R$ 600 e reajustar em 10% as aposentadorias de maior valor; Dilma fala em reduzir a contribuição à Previdência.
As previsões para a inflação também se distanciaram da meta oficial -4,5% medidos pelo IPCA- ao longo do período eleitoral. Passaram de 4,8% para os 4,98% estimados no início da semana passada. Cresce, portanto, o risco de um aumento dos juros para conter a alta do consumo e dos preços: para o mercado, a taxa do Banco Central subirá dos atuais 10,75% para 11,75% ao ano.
Outra ameaça é o crescente deficit nas transações de bens e serviços com o exterior, resultado da baixa taxa nacional de investimento e da queda das cotações do dólar, que prejudicam as exportações e estimulam a compra de importados.
DISCUSSÃO AUSENTE
Analistas ouvidos pela Folha criticam a falta de debate sobre temas econômicos -com a ressalva de que, sem temores de ruptura com as atuais políticas, o impacto dessas incertezas sobre os investidores é limitado.
“Muitos aspectos deveriam estar sendo discutidos, como a questão dos gastos públicos, a necessidade de reduzir a carga tributária, de adotar uma agenda que favoreça investimentos. Mas não há preocupação com a solvência do país, como havia no passado”, diz Silvio Campos Neto, economista-chefe do Banco Schahin.
Segundo ele, muitos temas que deveriam estar sendo debatidos durante a campanha são impopulares, como um possível corte nos gastos públicos e uma nova reforma da Previdência.
Para José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator, mesmo com a perspectiva de continuidade da política econômica, há espaço para mudança, por exemplo, em relação aos gastos do governo. E, no curto prazo, são necessárias medidas contra a valorização do real.
“É óbvio que alguma coisa será feita, não tenha dúvida. Mas nenhum dos dois [candidatos] falou nada a respeito disso até agora”, disse.
Thaís Zara, sócia da consultoria Rosenberg & Associados, defende “um debate mais aprofundado” em relação aos temas econômicos, mas ressalta que a piora nas expectativas do mercado financeiro observada nos últimos meses também está relacionada com o agravamento do cenário internacional.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mercado eleva projeção para PIB e inflação em 2010

Posted on setembro 20, 2010. Filed under: câmbio, Focus, Inflação, IPCA, Mercado, PIB, projeção, Selic |

>

As instituições consultadas pelo BC elevaram a expectativa para o PIB pela terceira semana consecutiva

As instituições consultadas pelo BC elevaram a expectativa para o PIB pela terceira semana consecutiva 

Os agentes de mercado consultados estimam que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, IPCA, encerre 2010 a 5,01%, ante 4,97% na semana passada.

Há quatro semanas, a projeção era de 5,10%. Para o ano que vem, as instituições elevaram a estimativa de 4,90% para 4,95%.

Por sua vez, a projeção para o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) foi elevada para 9,05%, frente a 8,79% na semana anterior. Há um mês, a estimativa era de 8,56%.

Já a aposta para 2011 foi ajustada para 5,04%, contra 5,00% há uma semana.

Para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), a previsão para 2010 foi elevada para 9,08%, face a 8,91% na semana anterior.

Há quatro semanas, a estimativa era de 8,50%. A expectativa para 2011 passou de 5,00% para 5,01%.

PIB

As instituições consultadas pelo BC elevaram a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) doméstico de 2010, a 7,47%, contra 7,42% há uma semana.

As projeções para 2011 apontam para um crescimento de 4,50%.

Selic

O mercado manteve a previsão para a taxa básica de juros do país (Selic) em 2010 a 10,75% ao ano pela quarta semana seguida.

Para 2011, a taxa foi elevada, a 11,75%. Há um mês, a previsão era de 11,50%.

Câmbio

De acordo com o boletim Focus, a projeção para a taxa de câmbio teve leve redução, passando de R$ 1,77 para R$ 1,75 ao fim deste ano.

Em relação ao ano que vem, os agentes de mercado estimam que a taxa fique em R$ 1,80, contra R$ 1,81 estimado na semana passada.

Fonte: Brasil Econômico

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>O momento fez o Lula

Posted on junho 29, 2010. Filed under: Alfredo da Mota Menezes, Depressão, Fernando Collor, FHC, Getúlio Vargas, Inflação, Lula, Plano Real, sorte |

> Por Alfredo da Mota Menezes

Existe uma expressão em história que diz que não é o herói ou o líder que faz o momento, é o inverso. O que adiantaria aparecer hoje Napoleão Bonaparte? Ele apareceu no momento certo, que o fez. Sua grande habilidade foi entender o momento. Outros nomes na história não souberam entender e usar o momento.
Alguns exemplos históricos talvez ilustrem esse aspecto. Getúlio Vargas, o primeiro “pai dos pobres”, virou mito, entre outros motivos, porque deu assistência ao trabalhador, incluindo as leis trabalhistas, no momento da grande migração brasileira do campo para as cidades.
O mundo estava investindo no trabalhador, até na Itália fascista. Os EUA, por causa da Depressão econômica, foram por aí também. Na Argentina surge o Justicialismo ou a grande ligação que o trabalhador terá com o peronismo. Foi Perón que fez aquilo ou o momento o conduziu a fazer aquilo? O mesmo se pode dizer de Lázaro Cárdenas no México.
Vindo para casa. O presidente Lula descobriu que se deveria investir no pobre ou foi o momento que o levou a isso? Está se transformando em novo “pai dos pobres” por sorte na política. Goleiro bom e político têm que ter sorte. Lula tem de sobra.
Imaginemos que o Lula tivesse ganho de Fernando Collor a eleição para presidente de 1989. Inflação desbragada, descontrole nas contas públicas, adaptação à nova Constituição. Se ganha do Collor, naquele momento complicado, ele teria tempo e meios para investir no pobre? Teria tirado milhões da pobreza?
Imagine que o Lula ganhasse de FHC em 1994. Para consolidar o Plano Real, que ele era contra, deveria tomar as amargas medidas que o ex-presidente tomou. Todas que a esquerda condena até hoje ou ações neoliberais. Naquele momento de ajustes na economia, Lula teria dinheiro para tantas Bolsas Família? Naquele momento de transição, Lula tiraria milhões da pobreza? Era outro momento complicado para ele assumir a presidência.
Ele assume o governo com as contas públicas se ajeitando, com a Lei de Responsabilidade Fiscal, com um plano econômica em andamento e a economia se estabilizando. As pessoas mais pobres, que sofreram o diabo naquele ajuste fiscal, precisavam de apoio para sair do sufoco. Veio o Lula e caminhou por aí, como o Serra ou outro teria caminhado. O momento conduziu o Lula àquelas ações. O momento o fez e não o contrário.
Com a estabilização da economia mais gente foi incorporada ao mercado consumidor. Outra vez o presidente estava no lugar e na hora certa. O momento o está transformando na pessoa que tirou tantos milhões de uma classe social para outra. O Lula entendeu o momento e foi em frente.
Tem outra característica daqueles que entenderam e usaram com inteligência o momento: o discurso. Napoleão, Roosevelt, Perón, Vargas e agora o Lula. O momento histórico e o discurso convincente fizeram esses mitos. Também o homem de Garanhuns.

Alfredo da Mota Menezes. E-mail: pox@terra.com.br

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mercado eleva previsão de crescimento do PIB pela 11ª semana consecutiva

Posted on junho 1, 2010. Filed under: Banco Central, câmbio, contas externas, crescimento do PIB, estimativa, Focus, Inflação, juros, Mercado |

>

O mercado financeiro elevou levemente a estimativa para o desempenho da economia brasileira em 2010. De acordo com a pesquisa semanal Focus, divulgada hoje pelo Banco Central (BC), no levantamento realizado junto a instituições financeiras a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano passou de um avanço de 6,46% para 6,47%. Para 2011, a previsão foi mantida em 4,5%. É a 11ª semana consecutiva que o mercado eleva a previsão de crescimento do PIB.
No mesmo levantamento, a estimativa para a produção industrial em 2010 subiu de 10,9% para 11%. Para 2011, a projeção para o desempenho da indústria permaneceu em alta de 5%.
Inflação e juros
O mercado também manteve a previsão para a inflação a ser apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2010. De acordo com a pesquisa Focus, a expectativa para o índice no ano permaneceu em 5,67%, um patamar ainda distante do centro da meta do governo para a inflação no ano, que é de 4,5%. Para 2011, a estimativa ficou em 4,8%.
A estimativa para a taxa básica de juros (Selic) para o fim de 2010 manteve-se em 11,75% ao ano. A projeção para a taxa no fim de 2011 permaneceu em 11,5% anuais.
Câmbio e contas externas
Os analistas mantiveram a expectativa para o patamar do dólar no fim do ano. A moeda norte-americana no fim de 2010 deve ficar em R$ 1,80. Para o fim de 2011, a moeda americana continua em R$ 1,85.
A pesquisa registrou alteração nas previsões para o déficit nas contas externas em 2010. O déficit em conta corrente neste ano subiu de US$ 48,05 bilhões para US$ 48,10 bilhões. Para 2011, a expectativa avançou de US$ 57 bilhões para US$ 57,97 bilhões.
A previsão de superávit comercial em 2010 subiu de US$ 14,54 bilhões para US$ 15 bilhões. Para 2011, manteve-se em US$ 4,5 bilhões.
Analistas alteraram ainda a estimativa de ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em 2010 de US$ 37 bilhões para US$ 36,5 bilhões. Para 2011, o IED permanece em US$ 40 bilhões.
 
(Com Agência Estado e Veja)
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Qual é a inflação da sua família?

Posted on maio 29, 2010. Filed under: família, FGV, IBGE, Inflação, IPCA |

>
var vjMeses = new Array(“Janeiro”,”Fevereiro”,”Março”,”Abril”,”Maio”,”Junho”,”Julho”,”Agosto”,”Setembro”,”Outubro”,”Novembro”,”Dezembro”);
var vjDiaSemana = new Array(“Domingo”,”Segunda-feira”,”Terça-feira”,”Quarta-feira”,”Quinta-feira”,”Sexta-feira”,”Sábado”);
var __dataconteudo = document.getElementById(“__dataconteudo”);
__dataconteudo.innerHTML=__formata_data(__dataconteudo.innerHTML,false);
function __formata_data(dt,weekDay) {
if (!weekDay) dt = dt.substr(0,dt.indexOf(” “)) ;
dt = dt.split(“/”);
var nwDate = new Date(dt[1]+”/”+dt[0]+”/”+dt[2]+”/06:00″) ;
var t = (weekDay) ? vjDiaSemana[nwDate.getDay()] + “, ” : “” ;
return ( t + nwDate.getDate() + ” de ” + vjMeses[nwDate.getMonth()].toLowerCase() + ” de ” + nwDate.getFullYear());
}

Os brasileiros têm sentido neste ano o avanço da inflação. O índice oficial do governo, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulou alta de 2,06% no primeiro trimestre. Os grupos de bens e serviços, que apresentaram as elevações mais acentuadas, foram justamente os mais importantes para a maioria das famílias: alimentação e bebidas, educação e serviços pessoais, como manicure, salário de empregada doméstica, etc. E no seu orçamento?  O que está pesando mais?
A inflação não é sentida pelos indivíduos da mesma maneira. Os institutos de pesquisa trabalham com índices gerais, que refletem a realidade de grupos sociais ou níveis de renda específicos. Por isso, quando os preços começam a subir com maior intensidade, é importante acompanhar de perto quais despesas têm maior impacto no orçamento de sua família. Esta postura mais proativa, argumentam os especialistas em finanças pessoais, é essencial para reorganizar seus gastos e evitar recursos emergenciais, como o uso do cheque especial.
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibiliza uma cartilha que ensina cada família a calcular sua própria inflação. O método é simples: basta anotar os gastos e, no fim de cada mês, medir o quanto o custo de vida aumentou em relação ao mês anterior (veja como calcular no infográfico abaixo).
De acordo com André Braz, economista do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), esse controle não serve apenas para a família ter idéia exata do tamanho de sua inflação. “Isso é mera curiosidade, o importante é entender de que maneira se podem combater desperdícios no próprio orçamento. Para descobrir os gargalos, basta monitorar as despesas”, explica.
O cálculo do IBGE, além de ajudar no acompanhamento geral do custo de vida da família, também serve para identificar que grupo de bens ou serviços está pressionando mais fortemente a inflação de cada um. “Como meu salário é fixo, se está aumentando de um lado, eu tenho de reduzir de outro”, esclarece Myrian Lund, professora de finanças pessoais da FGV.
A inflação brasileira deve encerrar este ano em 5,42% conforme projeção mais recente dos economistas consultados pelo Banco Central. Considerando o histórico do país, em que o IPCA chegou a superar 2 000%, a previsão para 2010 não chega a ser alarmante. Mesmo assim, uma perda de poder aquisitivo desta magnitude significa um valor considerável para o orçamento familiar de um ano.
Fonte: IBGE
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mercado eleva projeção para inflação mais uma vez em 2010

Posted on abril 26, 2010. Filed under: Banco Central, Copom, Inflação, IPCA, Mercado, PIB, projeção, Selic |

>O mercado financeiro elevou pela décima quarta semana consecutiva a estimativa de alta para o IPCA em 2010, que passou de 5,32% para 5,41% na pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira, 26, pelo Banco Central. Há um mês, analistas projetavam elevação de 5,16% para o indicador neste ano. Com essas elevações seguidas no levantamento, a mediana da previsões para o IPCA no ano se afasta ainda mais do centro da meta de inflação, que é de 4,50%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve iniciar um novo ciclo de altas da taxa básica (Selic) nesta semana. O mercado financeiro especula se o Copom, que se reúne na terça e quarta-feira, vai elevar a Selic (atualmente em 8,75%), em 0,5 ou 0,75 ponto porcentual, o que levaria a taxa a, respectivamente, 9,25% ou 9,5%.

A estimativa para a taxa básica de juros (Selic) para o fim de 2010 foi elevada de 11,50% ao ano para 11,75% anuais. A projeção para a taxa no fim de 2011 foi mantida em 11,25% ao ano.

PIB

De acordo com a pesquisa semanal Focus, a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano passou de um avanço de 5,81% para um crescimento de 6%. Há duas semanas, a previsão era de expansão de 5,60%. Para 2011, a previsão para o PIB foi mantida em um crescimento de 4,50%.

No mesmo levantamento, a estimativa para a produção industrial em 2010 subiu de 9,41% para 9,50%. Para 2011, a projeção para o desempenho da indústria permaneceu em alta de 5,00%.

Câmbio e contas externas

Os analistas mantiveram a previsão para o patamar do dólar no fim do ano. O nível da moeda norte-americana no fim de 2010 ficou em R$ 1,80. Para o fim de 2011, a expectativa para a moeda americana seguiu em R$ 1,85. A previsão de câmbio médio no decorrer de 2010 ficou em R$ 1,81.

O mercado financeiro também manteve as previsões para o déficit nas contas externas em 2010. A previsão para o déficit em conta corrente neste ano continuou em US$ 50 bilhões. Para 2011, a previsão de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos passou de US$ 60 bilhões para US$ 59,20 bilhões.

A previsão de superávit comercial em 2010 subiu de US$ 10 bilhões para US$ 12 bilhões. Para 2011, a estimativa para o saldo da balança comercial subiu de US$ 3,99 bilhões para US$ 5 bilhões.

Analistas reduziram a estimativa de ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em 2010 de US$ 39 bilhões para US$ 38 bilhões. Para 2011, a estimativa para o IED permaneceu inalterada em US$ 40 bilhões.

Inflação na capital paulista sobe para 5,50%
Na mesma pesquisa, a previsão para o IPC da Fipe em 2010 subiu de 5,45% para 5,50%, ante 5,41% de quatro semanas atrás. Para 2011, a previsão seguiu em 4,50%, pela décima quarta semana seguida.  Fonte: Estadão

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>As últimas notícias sobre economia

Posted on março 18, 2010. Filed under: Conquista, Copom, economia, Fiesp, Inflação, leilão, Mineração, taxa de juro, Workshop |

>

Pneus
A Receita Federal e a Polícia Federal deram início à Operação Carcaça, para combater a importação de pneus fabricados na China. A ação ocorre em Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro, para onde foram expedidos 18 mandados de busca e apreensão. As investigações apontam que o produto entra no Brasil pelo Paraguai.
Inflação
Alimentos in natura mais caros levaram à taxa maior do Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) em São Paulo (de 0,81% para 0,87%) entre a primeira e a segunda quadrissemana de março. As fortes chuvas no mês têm prejudicado a produção dos in natura – e, por consequência, reduzido a oferta deste tipo de alimento na capital paulista, na segunda quadrissemana de março.
Mineração
A questão dos royaties da mineração é delicada. A avaliação é do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, ao afirmar que apesar de os valores dos royalties pagos atualmente serem baixos, a carga tributária brasileira é alta, o que dificulta a definição sobre o melhor percentual a ser pago pelas empresas pela exploração.
Leilão
A Petrobras registrou recorde na venda gás natural, no leilão realizado na segunda-feira (15), com a comercialização de 6,87 milhões de metros cúbicos por dia. O deságio médio registrado foi de 47% em relação aos preços dos contratos de longo prazo.
Neste 10º leilão eletrônico, a estatal conseguiu vender o maior volume entre todos os leilões de gás natural já realizados.

Workshop
Nos dias 22 e 23 de março de 2010 será realizado no Centro de Eventos do Pantanal, em Cuiabá, o 2º Workshop de Inovação e Tecnologia de Mato Grosso. Na programação estão palestras, exposições de casos e de experiências empreendedoras, além de pesquisas científicas e mostra de projetos. A entrada é franca e as vagas são limitadas.
Conquista
Três alunos do curso de Robótica Industrial do Senai/MT faturaram a medalha de prata na competição de educação profissional Olimpíada do Conhecimento. O evento ocorreu entre 8 e 14 deste mês, no Rio de Janeiro.
Comitê mantém taxa de juro em 8,75% pela 5ª vez seguida


O comunicado divulgado logo após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter o juro básico da economia em 8,75% ao ano trouxe pouca alteração em relação ao comunicado de janeiro. O texto de março diz que os diretores do BC vão “monitorar atentamente a evolução do cenário macroeconômico” até sua próxima reunião. Em janeiro, o comunicado citava que o comitê iria “acompanhar a evolução do cenário”. Foi a quinta reunião seguida que o Copom manteve a taxa básica em 8,75%.
O texto divulgado nesta quarta-feira(17), porém, pode indicar mudança para breve no patamar do juro. O placar dividido – 5 votos pela estabilidade do juro e 3 votos pela elevação da taxa Selic em 0,50 ponto -pode sinalizar que a taxa Selic subirá no curto prazo, provavelmente no encontro de abril do Copom que acontece nos dias 27 e 28 do próximo mês. A ata da reunião que terminou ontem será divulgada na próxima quinta-feira, 25 de março.
Fiesp – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, avaliou que a manutenção da taxa básica de juros em 8,75% ao ano, decidida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central na quarta-feira, “é uma demonstração de respeito à produção, ao crescimento, ao emprego e, acima de tudo, ao Brasil”. Em nota, Skaf reiterou que acredita que o Banco Central tem condições de, em vez de elevar, reduzir a Selic. “Precisamos estar unidos, governo e sociedade, nesse momento em que ainda saímos de uma grave crise internacional. O governo foi sensível ao nosso apelo, baseado em concreta argumentação técnica, e renovou as condições de crescimento, com a natural geração de novos empregos. Ganham todos, em especial o Brasil”, disse. “Prevaleceu o bom senso”.
Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>IPCA de fevereiro sobe para 0,78% e atinge maior nível desde 2008

Posted on março 5, 2010. Filed under: consumidor, IBGE, Inflação, IPCA, Preços |

>

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo registrou uma leve alta e subiu de 0,75% em janeiro para 0,78% em fevereiro, segundo o IBGE. 

Este foi o maior nível desde maio de 2008. A alta foi influenciada pelo custos da educação.
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Dinheiro e Economia

Posted on fevereiro 2, 2010. Filed under: algodão, Conhecimento, Dinheiro e Economia, Encomendas, Inflação, leilão, Modernização |

>

Modernização

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) vai modernizar o sistema de multas às empresas em casos de descumprimento de obrigações na prestação de serviços. A ideia é dar transparência e agilidade aos processos, e incentivar a solução rápida de problemas. Muitas multas são aplicadas para punir as operadoras pelo não cumprimento de metas de qualidade, como problemas de atendimento ao cliente e falhas nos serviços. O Novo Regulamento deve ser apresentado hoje.


Conhecimento

Com o objetivo de incentivar o hábito de leitura e garantir o acesso gratuito à internet aos trabalhadores e comunidade em geral, o Serviço Social da Indústria (Sesi-MT) inaugurou a 3ª unidade do “Indústria do Conhecimento”, na sexta-feira (29). A estrutura foi montada na indústria Refrigerantes Marajá, em Várzea Grande.


Algodão

A safra 2009/2010 de algodão começou com novidades. Estimativa divulgada pelo

Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária aponta para aumento de 9,3% na área plantada com a fibra, na comparação com o ano anterior, atingindo uma produção de 1,55 milhão de toneladas. E alguns produtores já começaram a plantar o algodão adensado.


Leilão

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apoia, nesta quinta-feira (4), a comercialização de 150 mil (t) de milho da safra 2008/2009, por meio de Prêmio de Escoamento do Produto (PEP). O preço mínimo será mantido em R$ 19, até julho. O leilão, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vai beneficiar produtores rurais da Bahia.


Encomendas

A fabricante de aviões brasileira Embraer espera que as encomendas de jatos comerciais sejam mais fortes neste ano, em comparação com o ano passado. No entanto, a Embraer não acredita que a produção e as entregas ganharão força, já que a indústria aérea ainda precisa se recuperar completamente do impacto da crise econômica global. Em 2010, não há previsão de um nível crescente de produção e entregas, mas está ocorrendo antecipação de um número melhor de encomendas.


Inflação

A estimativa para a inflação apresentou uma nova alta na pesquisa semanal Focus divulgada nesta segunda-feira (1º) pelo Banco Central (BC). No levantamento realizado junto à instituições financeiras, a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2010 subiu de 4,60% para 4,62%. Na mesma pesquisa, a estimativa para o IPCA em 2011 permaneceu em 4,50%. A estimativa para a inflação de janeiro também teve leve alta. Para este mês, a previsão para o IPCA passou de 0,62% para 0,63%. Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

« Entradas Anteriores

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...