Lucas do Rio Verde

>Bom dia Lucas do Rio Verde! Luverdense vence Operário por 1 a 0

Posted on fevereiro 7, 2011. Filed under: Lucas do Rio Verde |

>

O representante da cidade de Lucas do Rio Verde no campeonato matogrossense de futebol, o Luverdense se reabilitou da goleada sofrida para o Cuiabá na abertura do Campeonato Mato-grossense ao vencer o Operário de 1 a 0, ontem à tarde, no estádio Dutrinha. O único gol da sofrível partida foi marcada pelo atacante Buiú, aos 48 minutos do segundo tempo, quando o duelo caminhava para placar em branco.
Luverdense
Com o resultado, o time tricolor continua no Estadual sem vencer e muito menos sem marcar gol. Já o time de Lucas do Rio Verde passou a ocupar a terceira colocação da Chave A com três pontos ganhos, mesma pontuação do Mixto. Na quarta posição, aparecem Sinop, Sorriso e Operário, todos com um ponto cada.
O Cuiabá, apesar de empatado em 2 a 2 com o Sinop, continua na liderança com quatro pontos somados.
Na terceira rodada do turno, que será aberta na próxima quinta-feira com Mixto e Sorriso, no Dutra e Primavera e União, no estádio Cerradão, em Primavera do Leste, o Operário irá enfrentar o líder Cuiabá. O clássico local está marcado para as 17h, no Dutrinha. Já o Luverdense recebe o Mixto, às 18h, no Passos da Ema, em Lucas do Rio Verde.
Em jogo típico de raras oportunidades de gol, o árbitro Vágner Reway chegou a anular dois gols, um de cada lado. O primeiro foi anotado pelo zagueiro Marcelo Caixa D” Água, que cometeu falta em cima do goleiro Laênio. Já o Leandro Kivel também balançou a rede, de cabeça, mas Reway assinalou impedimento.
Ao término do jogo, o Operário saiu reclamando da arbitragem de Vágner Reway, hoje considerado o melhor árbitro do futebol mato-grossense. A queixa dos tricolores se dá em função do lance que originou o gol de Buiú, que aproveitou uma rápida cobrança de falta do volante Velber para vencer o goleiro Max.
Para o técnico Júlio César Fumanchu, que ontem estreou como técnico após cumprir suspensão, o lance da falta em cima do atacante Leandro Kivel não existiu.
“É inadmissível esta arbitragem. É uma sacanagem, uma palhaçada com o Operário. Se tem punição para a comissão técnica, precisa ter também para a arbitragem quando erra. Esse tipo de coisa tem que ser revista no futebol de Mato Grosso”, se queixou o técnico, que foi punido pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) justamente por reclamação a arbitragem.
A vitória apertada acabou dando sobrevida ao técnico Gaúcho no comando técnico do Luverdense. Um resultado negativo poderia deixar o ex-jogador balançando no cargo.
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Cidade de Brasnorte vira ‘ilha do atraso’ comparada a Lucas do Rio Verde, separadas apenas por 150 km

Posted on maio 31, 2010. Filed under: bransnortenses, Brasnorte, IBGE, Lucas do Rio Verde |

>

 Abaixo reproduzimos matéria publicado pelo site RDNews, postada pelo jornalista Romilson Dourado, a quem agradecemos.


Em Brasnorte, as poucas ruas pavimentadas são do centro e os 
15 mil moradores enfrentam economia estagnada
Foto: Ednilson Aguiar

A cidade de Brasnorte (a 600 km de Cuiabá) e Lucas do Rio Verde (a 350 km da Capital) são separados por apenas 150 km, mas vivem dois extremos. Com 15 mil habitantes, o primeiro município figura nas estatísticas do IBGE como espécie de “ilha de atraso” porque não consegue acompanhar o dinamismo da economia. Boa parte dos habitantes está sem ocupação. Já Lucas, com cerca de 50 mil moradores, revela uma realidade de um Brasil interiorano que cresce a passos largos, fazendo jus ao símbolo do município, uma ema.
    
Os bransnortenses estão entre os que assistem ao espetáculo do crescimento, sem usufruir dos benefícios gerados. São vários fatores que impedem regiões de avançar, como o isolamento geográfico, causa e efeito da falta de infraestrutura essencial, condições do clima e do solo, dificuldades de conciliar o progresso com a preservação ambiental e a questão da organização local da sociedade, em diferentes combinações de fatores. Reportagem da Folha de S. Paulo deste domingo mostra que Brasnorte pertence a uma região onde a economia se encontra estagnada ou cresce abaixo da média do Estado. Isso leva os jovens a tentar a sorte em outros municípios. Os recursos que brotam não criam empregos e nem são investidos no desenvolvimento local para melhorar a qualidade de vida de sua população. Assim, não há progresso de fato.
   
Para se ter ideia, em Brasnorte, um dos 141 municípios mato-grossenses, as poucas ruas asfaltadas são do centro. As demais são de terra batida. Com isso, os habitantes convivem ou com a poeira em época de estiagem ou com lama no período de chuva. Para piorar, não contam com saneamento básico. A prefeitura não consegue implantar sistema de esgoto, o que obriga as famíliares a abrirem fossas nos seus quintais. Resta aos moradores buscar culturas alternativas de grãos para substituir a extração de árvores, que foi o alicerce da economia nas décadas de 70 e 80 e que se esgotou.

     
Outro extremo
   

Lucas do Rio Verde registra um dos melhores indicadores sociais e de renda do país. Desde a década passada começou a receber “invasão” de migrantes do Sul a convite de parentes que já tinham se instalado no município. Predestinados a “agregar valor”, os pioneiros e os recém-chegados uniram forças. A chegada de grandes grupos e empresas contribuíram para com o desenvolvimento, como uma esmagadora de soja do grupo Amaggi e uma fábrica de aves e suínos da Sadia. Ambas foram instaladas em 2008 e hoje empregam cerca de 4 mil funcionários. Os produtores ampliaram a atividade, passando a fornecer os animais para o abate. Num efeito cascata, essa locomotiva traz emprego e renda, com melhoria substancial da qualidade de vida.


Lucas do Rio Verde, que tem ema como símbolo, registra os melhores 
índices sociais e já tem 50 mil habitantes
Foto: Edson Rodrigues
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Lucas do Rio Verde busca apoio para o clube Luverdense na série C

Posted on maio 5, 2010. Filed under: Campeonato, FUTEBOL, Lucas do Rio Verde, Luverdense, série C |

> por Luiz Esmael

Em seu projeto de ascender ao Brasileirão da Série B de 2011, o Luverdense pode ter a ajuda do governo do Estado para a disputa da Série C, marcada para ser aberta no dia 18 de julho. Em reunião com o governador Silval Barbosa, o presidente do clube Helmute Lawisch recebeu uma sinalização de que é possível receber apoio do Executivo estadual para tentar uma das quatro vagas de acesso à segunda série mais importante do futebol nacional: à Segunda Divisão.
 Luverdense, clube de Lucas do Rio Verde(MT)
Otimista com o encontro, que contou com a presença do prefeito de Lucas do Rio Verde, Marino Franz, Lawisch não descarta montar uma equipe competitiva caso venha ter suporte financeiro para disputar em condição de igualdade com seus adversários. O dirigente evitou tocar em valores que podem ser destinados ao clube ao torneio nacional.
“Não iremos fazer loucura. O importante é manter os pés no chão, mas se tivermos condições de contratar jogadores competitivos, faremos com maior prazer”, disse o dirigente, ressaltando que o lateral-esquerdo Paulinho, eleito melhor lateral-esquerdo do Campeonato Gaúcho defendendo as cores do Novo Hamburgo, está com a reapresentação marcada para o dia 17 como os demais jogadores contratados pelo clube – Paulinho têm contrato com o Luverdense até o final desta temporada.
Valorizado, Paulinho tem seu nome especulado em vários clubes que vão disputar à Série A do Brasileirão como o Internacional, Grêmio, Vasco e Atlético Mineiro. Caso nenhuma negociação se concretize, o jogador será um dos principais reforços do Luverdense à Série C. 
“Se o Paulinho não tiver nenhuma proposta que o agrade, ele estará no nosso grupo”, disse.
A diretoria do Luverdense está aguardando com certa expectativa o anúncio por parte da CBF o sorteio dos grupos da Série C. A pedido da diretoria do clube, o presidente da FMF Carlos Orione solicitou a mudança de chaves, tirando o time da região Norte, formada pelo Rio Branco (AC), Paysandu, Águia de Marabá, ambos do Pará e Sampaio Corrêa, do Maranhão, para o grupo Sudoeste, com times como Marília (SP), Ituiutaba (MG), Macaé (RJ) e Gama (DF). A alteração visa menos gastos com transporte e também físico.
Mas o presidente do Luverdense, Helmute Lawisch, não crê muito em benefícios, tanto financeiro quanto técnico. Para ele, o clube, estando na Norte ou Sudoeste, terá que desembolsar com transporte de ônibus de Lucas a Várzea Grande para em seguida viajar de avião.
Já em termos técnico, o dirigente ressalta ser uma incógnita, já que todos os clubes estão se reforçando. “É difícil prever como os adversários vão vir”. Fonte: A Gazeta
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Produção de soja sustentável em MT

Posted on abril 28, 2010. Filed under: agricultura, agropecuária sustentável, Aprosoja, Lucas do Rio Verde, Produção, soja |

> por Amado de Oliveira Filho

Um assunto que não deve exaurir-se é a produção sustentável da agricultura no Estado de Mato Grosso. Vejamos o caso da soja. Nas décadas de 70 e 80, milhares de produtores rurais aqui chegaram e trouxeram pouca coisa nas carrocerias dos pequenos e velhos caminhões. No entanto, o conhecimento disponível à época era, sem dúvidas, extraordinário.
 http://jornaloexpresso.files.wordpress.com/2009/12/lavoura-de-soja.jpg
Passados aproximadamente quarenta anos desde o início deste processo migratório vemos as belíssimas cidades que surgiram e uma fortíssima sacudida na economia estadual. Assim, são inquestionáveis os benefícios da expansão da agricultura em Mato Grosso. Negar esta realidade é desconhecer uma das mais belas histórias de sucesso de uma saga de grandes brasileiros que para cá vieram.
A agricultura praticada em Mato Grosso gera uma produção invejável. Ultrapassamos o Estado do Paraná e hoje, somos o maior produtor agrícola do Brasil. Em relação ao meio ambiente caminhamos celeremente para uma produção sustentável. Várias iniciativas de parcerias, esforços das entidades de classe e dos produtores rurais apontam o caminho da sustentabilidade ambiental como meta a ser superada.
O extraordinário volume de produção agrícola e resultado de investimentos em tecnologia onde se inclui a prática do plantio direto, excelente manejo de embalagens de agrotóxicos e uma frenética busca das boas práticas agrícolas. Assim, o extraordinário volume de produção agrícola do Estado de Mato Grosso só preocupa aqueles integrantes do ambientalismo de gabinetes.
Mas, como a sustentabilidade não pode e não deve ser apenas ambiental é necessário refletirmos sobre a sustentabilidade econômica desta produção. Neste mês estão em curso seminários técnicos nas regiões produtoras através da Aprosoja, com eventos denominados de “Circuito Aprosoja”. Já em sua 5ª edição, o Circuito Aprosoja, traz o tema “Agronegócio no Novo Contexto Político e Econômico”. Trata-se de uma discussão de cenário futuro que se desenha para a atividade agrícola, com as perspectivas de mercado e de políticas governamentais para o setor.
Defende a Aprosoja e seus palestrantes que todos devemos pensar e discutir logística, se possível, 24 horas por dia. Claro que tudo isto tem sentido. Quando avaliam a área da safra colhida em 2010, verificam uma área plantada de 6,2 milhões de hectares, exatamente a mesma área plantada em 2005, a diferença é que lá em 2005 se colheu pouco mais de 16 milhões de toneladas de soja e nesta safra colheu-se uma produção de 19 milhões de toneladas.
E como fica a sustentabilidade econômica? As estradas são as mesmas, a ferrovia está parada no mesmo lugar, não utilizamos hidrovias, a rede de armazenamento é praticamente a mesma, portanto, tudo está como estava, ou seja, a nossa intermodalidade liga nada a coisa nenhuma. Continuamos exportando a metade da nossa produção de soja via porto de Santos. A grande novidade é o PAC 2, ao apagar das luzes de dois mandatos consecutivos o governo do PT, no papel, faz chegar a Lucas do Rio Verde os trilhos de uma nova ferrovia.
Em 2007 escrevi, aqui neste mesmo espaço, um artigo com o título – Pelo amor de Deus não plantem! Se republicarmos aquele artigo veremos que ele está extremamente atual. Falta-nos renda! Mas, veremos também os “ambientalistas” se juntando a governos num processo frenético de produção de leis, decretos, portarias e outros arranjos, normalmente financiados com dinheiro público ou de organismos internacionais. De outro lado, os governos com suas mirabolantes promessas de obras que não sabem se farão, e ainda, os produtores descapitalizados, as dívidas aumentando, etc.
Sinceramente! Plantar para quê? Antes que a última alternativa seja a de mudar de ramo ou de rumo, vamos encarar a realidade, ou será que nós desconhecemos que os governos governam ouvindo o barulho das ruas?
Amado de Oliveira Filho é produtor rural, economista, pós-graduado em mercados de commodities agrícolas e direito ambiental. Fonte: A Gazeta. E-mail: amadoofilho@ig.com.br
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Mato Grosso não vai ver o "trem"

Posted on março 30, 2010. Filed under: Bom Dia Mato Grosso, Café com o Presidente, Ciretran, CUIABÁ, Ferronorte, ferrovia Centro Oeste, Lucas do Rio Verde, PAC 2 |

>

Amigos do Bom Dia Mato Grosso, meu dia foi bem cheio, passei quase 3 horas na 5ª Ciretran de Várzea Grande esperando por um sistema voltar ao ar, e como dezenas de outras pessoas que tem o que fazer, saimos sem ser atendidos.
Trilhos da Ferronorte paralisados em Alto Araguaia(MT) desde 2002
Como não sou jornalista formado, fui pesquisar a repercursão do anuncio por parte do governo federal no PAC 2, o tal Programa de Aceleração do Crescimento, que de acelerado nada tem, mas os sites dos grandes jornais e portais deram exatamente esta dimensão da informação, acrescentando que o tal programa nem seguer tem projetos, a não ser o rascunho de susgestões de obras para o próximo governo, que será eleito em outubro e assume o comando em 2011. 
 
 
Nos blogs e site de Mato Grosso, vejo reclamções por a Ferronorte, aquela que está parada em Alto Araguaia desde 2002, e que já era pra ter chegado em Cuiabá, mas em comum acordo Blairo Maggi e Lula decidiram que não vão mesmo fazer esta obra. Eles não tem nenhum interesse por ela. Também tem que levar em conta que trata-se projeto iniciado por FHC e Dante, que já é um bom motivo para não ter continuidade. 
 
 
Assim como o governo do estado descartou a Termoelétrica Mário Covas instalada em Cuiabá, o gasoduto Bolívia/Mato Grosso, que também está enferrujando e deteriorando por falta de uso,  consequentemente manutenção,  inlui-se aí a Hidroelétrica de Couto Magalhães que também foi paralisada no início do governo Lula/Blairo.
 
 
Não faz diferença a Ferronorte não ter sido incluída no PAC 2, assim como não faz diferança a tal ferrovia Centro Oeste, com 1600 quilômetros de extensão, ligando os municípios de Uruaçu (GO) até Lucas do Rio Verde, e que custará cerca de R$ 5 bilhões à União, estar incluida, ambas não passa de promessas eleitoreiras. Esses obras não serão feitas e esses valores não serão aplicados, pois são programas a ser iniciado a partir de 2011. Tanto é verdade que a ministra Dilma arranjou uma desculpa para não comparecer ao “lançamento” em Lucas do Rio Verde.
 
 
Quem ouviu o programa de rádio do presidente Lula, o Café com o Presidente, desta segunda-feira, 29 de março, nota que ele citou diversas ferrovias pelo Brasil, mais nenhuma dessas que estão propagando em Mato Grosso.  
 
  • Agora pode comentar a vontade. Escreva o que você pensa sobre o assunto
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Campo Verde é a 2ª cidade entre as 100 no ranking do PIB agropecuário do Brasil

Posted on dezembro 18, 2009. Filed under: Campo Novo do Parecis, Campo Verde, Diamantino, Lucas do Rio Verde, Mato Grosso, Nova Mutum, Primavera do Leste, Sapezal, Sorriso |

>

Das 100 cidades com maior Valor Adicionado Bruto (VAB) da agropecuária em 2007, 22 são de Mato Grosso. Campo Verde aparece com a segunda melhor posição no ranking nacional, perdendo apenas para São Desidério, na Bahia. Entre os 15 primeiros da lista, 8 cidades são mato-grossenses e além de Campo Verde aparecem Sapezal (3º lugar), Sorriso (4º), Primavera do Leste (7º), Campo Novo do Parecis (8º), Diamantino (10º), Nova Mutum (12º) e Lucas do Rio Verde (15º). As cidades estaduais tiveram um VAB de R$ 5,8 bilhões naquele ano. A lista consta no estudo sobre o Produto Interno Bruto dos Municípios (2003 a 2007), divulgado nesta quarta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Campo Verde MT

O VAB é a medida econômica para mensurar o Produto Interno Bruto (PIB). A participação das cidades mato-grossenses nesta lista é, na análise do economista Anaor Carneiro, uma demonstração da força do agronegócio local, que vem proporcionando o desenvolvimento de várias regiões do Estado. “Tanto é que essas cidades estão registrando um crescimento médio de 8% a 10% a cada ano, puxado pelo setor agropecuário”.

Na opinião do economista, este resultado positivo para o Estado de uma maneira geral também é reflexo de um trabalho que vem sendo feito pelo governo estadual, na atração de novos investimentos. Como consequência, ele cita a geração de emprego e renda para os municípios, fazendo com que o crescimento seja pulverizado e tenha um efeito multiplicador, que é justamente as conseqüências positivas registradas por outros setores econômicos como comércio e serviços.

“Para o futuro prevemos perspectivas favoráveis, para essas mesma cidades, que se transformaram em um pólo agroindustrial”, diz ao complementar que isso é motivado pela instalação de indústrias de beneficiamento, que está começando a operar nos municípios produtores de grãos e gado. Nos próximos anos, Carneiro que o Estado terá condições de exportar produtos semielaborados, agregando valor ao que é produzido em solo mato-grossense.

Além do VAB da Agropecuária, o IBGE divulgou também a posição ocupada pelos 100 maiores municípios no que se refere ao PIB Per Capita. Na lista, não ocupando as primeiras posições, aparecem a cidade de Campos de Júlio, com PIB de R$ 239,506 milhões em 2007; Alto Taquari com R$ 82,477 milhões; Santa Rita do Trivelato, com R$ 76,238 milhões, entre outras. O economista explica que neste caso, o PIB per capita é calculado pela soma das riquezas dividido pela população. “Geralmente essas cidades são pequenas, e o valor por pessoa acaba sendo elevado, o que não reflete em qualidade de vida no município”. Autora: Fabiana Reis Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Cidade de Lucas do Rio Verde MT recebe pela 5ª vez, prêmio nacional de Gestor Eficiente da Merenda Escolar

Posted on dezembro 14, 2009. Filed under: Fome Zero, Gestor Eficiente, Gestor Eficiente da Merenda Escolar, Lucas do Rio Verde, Merenda Escolar, nutricionista |

>

Presidente Lula da Silva, prefeito Marino Franz (PPS) e o vice-presidente
José Alencar, durante a premiação
Pela 5ª vez o prêmio nacional de Gestor Eficiente da Merenda Escolar é conquistado pelo município de Lucas do Rio Verde (a 285 km ao Médio-Norte de Cuiabá), sob Marino Franz (PPS). Criado pela Ong Fome Zero em parceria com o governo federal, o prêmio foi entregue ao prefeito diretamente pelo presidente Lula (PT). Tem o propósito de estimular prefeituras a melhorar a qualidade da merenda escolar e incentivar os arranjos produtivos, como a agricultura familiar. A merenda escolar sai a R$ 0,73 por aluno. Deste valor, R$ 0,22 são repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Escolar e o restante é bancado pelo município. De R$ 1,1 milhão investidos anualmente, R$ 930 mil são custeados pela prefeitura.

A forma adotada pelo município para complementar, de maneira saudável e a baixo custo, a alimentação que as crianças da rede pública recebem em casa foi através da criação de um centro de produção voltado especialmente para servir a merenda escolar. Além disso, o que não é produzido no centro é adquirido dos pequenos produtores inseridos na agricultura familiar, o que gerou emprego e renda à população carente. Já a padaria municipal entra com o restante da produção que falta, como massas e pães. Essas medidas garantiram 2 milhões de refeições aos alunos e, segundo a secretaria de Saúde, que acompanha a nutrição das crianças através do Programa Saúde da Família, não há registro de desnutrição aguda.

Segundo o prefeito Marino Franz, o projeto da merenda escola virou modelo de gestão para outros municípios. Vê uma forma organizada de produção de alimento. “Existe na sociedade local uma nova mentalidade de gestão municipal e é o próprio conselho de alimentação escolar que determina prioridades e investimentos, junto com os gestores municipais, assim, se acertamos na receita é porque é feita por muitas mãos”, enfatiza Marino.

A declaração agradou às merendeiras, serventes e nutricionistas. A qualidade da merenda contribui também para a melhora no ensino. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) aponta de Lucas do Rio Verde está entre os mais altos do país e bem acima da média nacional, com 0,768 pontos. (Lislaine dos Anjos)

Fonte: RDNews

Kit Azzaro Pour Homme EDT 30ml + Miniatura Azzaro Pour Homme 7mlVinho Chileno Don Santa Helena - 750mlNotebook Core 2 Duo 2.0GHz 4GB 320GB Webcam 1.3MP 14" - SIM
Click no produto e compare a variedade, preços e prazo de entrega, grátis
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Cuiabá é destaca no índice de Desenvolvimento Humano

Posted on agosto 25, 2009. Filed under: CUIABÁ, desenvolvimento, idh, IFDM, Lucas do Rio Verde |

>

Cuiabá é o segundo município de Mato Grosso em desenvolvimento humano, de acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), pesquisa que é divulgada anualmente pela Federação das Indústrias no Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e que leva em consideração o desempenho dos municípios brasileiros nas áreas de emprego e renda, educação e saúde.

Capital só foi superada em Índice de Desenvolvimento Humano

para Lucas do Rio Verde, no Norte de MT

Numa escala de zero a um adotada no cálculo do IFDM, Cuiabá obteve a média, considerando as três áreas avaliadas, de 0.76, sendo superada no Estado apenas por Lucas do Rio Verde, que ficou com um percentual um pouco superior, de 0.79.

No quesito emprego e renda, a capital obteve o índice de 0.83 e no de Saúde 0.80, que se enquadram na mais alta faixa de classificação, de 0.8 a 1.0, considerada, pelos critérios do IFDM, como de “alto desenvolvimento”.

“O desempenho do nosso município no IFDM, que é uma pesquisa da mais alta credibilidade, realizada por uma entidade do porte da Firjan, comprova que as políticas públicas do nosso Governo, focadas no desenvolvimento econômico com geração de empregos e renda, na Saúde e na Educação de qualidade, estão no caminho certo e apresentam resultados mais que satisfatórios”, comentou o prefeito Wilson Santos.

A pesquisa da Fijam, versão 2009, utiliza dados de 2006 e essa defasagem de tempo é explicada pelo fato de se basear única e exclusivamente em estatísticas oficiais, portanto de plena confiabilidade, e somente em 2009 foi possível reunir concomitantemente as informações dos Ministérios da Educação, da Saúde e do Trabalho e Emprego.

A pesquisa tem periodicidade anual, recorte municipal e abrangência nacional. A geração de emprego e renda e a qualidade dos serviços de saúde e a educação estão entre os principais indicadores do nível de desenvolvimento humano da população.

Saúde acima da média

O secretário de Saúde da capital, Luiz Soares, destaca que o percentual obtido pela área de saúde no IFDM ficou acima da média das demais capitais brasileiras, como resultado, principalmente, dos investimentos realizados pela administração municipal na rede básica, com destaque para as unidades do Programa Saúde da Família (PSF).

“Esse bom desempenho reforça a importância do Sistema Único de Saúde. Fica demonstrado que, apesar da insuficiência de recursos, de ser necessário haver mais investimentos dos governos federal e estadual, o SUS é uma política pública perfeitamente viável”.

Já o secretário de Educação, Carlão do Nascimento, comentou que a administração do prefeito Wilson Santos vem priorizando os investimentos na área educacional e que os resultados só tendem a melhorar. Ele cita o exemplo do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que considera dados de aprovação, reprovação e abandono escolar.

Em 2005, portanto no início da primeira gestão de Santos, Cuiabá obteve a pontuação de 3.7 (numa escala de zero a 10), ficando em 17º lugar entre as capitais. Já em 2008, Cuiabá recebeu a pontuação de 4.1, subindo para 13º lugar entre as capitais do país.

Fonte: Midianews

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Seis empresas que arremataram Blocos Exploratórios desistiram

Posted on julho 9, 2009. Filed under: gás, licitação, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Nova Ubiratã, Paranatinga, petróleo, Santa Rita do Trivelato, Sorriso |

>

Seis empresas que arremataram blocos na 10ª Rodada de Licitação de Blocos Exploratórios desistiram dos contratos. O leilão foi realizado em dezembro do ano passado, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), quando 17 companhias arremataram áreas para futuras explorações. As empresas que desistiram foram Alvorada Petróleo, Silver Marlim, Synergy Group, Severo Villares Projetos e Construções, Nord Oil & Gas e o consórcio formado entre a STR Projetos e a Agemo. As desistências não afetam Mato Grosso.

As empresas haviam arrematado 14 blocos e agora terão que arcar com um prejuízo de R$ 50 mil por bloco desistido. Os contratos deveriam ser assinados em abril deste ano, quando a Petrobras – que arrematou as seis bacias ofertadas em Mato Grosso (Bacia do Parecis) – , assinou os contratos para concessão dos 27 blocos que arrematou sozinha ou em parceria.

No Estado, as seis bacias ofertadas estão localizadas em Lucas do Rio Verde, Paranatinga, Sorriso, Nova Mutum, Nova Ubiratã e Santa Rita do Trivelato em uma área de 14,025 mil km2. O secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme), Pedro Nadaf, afirma que a desistência dessas empresas não afeta o Estado, já que as bacias foram arrematadas pela Petrobras.

Informações do Sistema de Informações Gerenciais de Exploração e Produção (SIGEP), da ANP, divulgadas no dia 6 deste mês, mostram que os seis contratos da Bacia do Parecis têm como concessionária a Petróleo Brasileiro S.A.

A desistência das companhias foi confirmada na reunião da comissão de licitação realizada na sexta-feira passada (3). Fecharam contrato com o órgão regulador o consórcio formado pelas empresas Comp (30%), Sipet (10%), Orteng (11%), Cenug (24,5%) e Codemig (24,5%); além das empresas Integral de Servicios Tecnicos e a Shell. Agora, os segundos colocados no leilão para os blocos com mais de uma oferta serão chamados. Os demais voltam para a agência.

Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Luverdense é campeão de Mato Grosso em 2009

Posted on maio 18, 2009. Filed under: Araguaia Atlético Clube, Copa Mato Grosso, futebol mato-grossense, Lucas do Rio Verde, Luverdense |

>

Luiz Esmael
Da Redação

Após faturar duas Copa Mato Grosso – 2004 e 2007 -, o Luverdense, enfim, conquistou o título mais importante do futebol mato-grossense. Sob comando do técnico Tarcísio Pugliesi, a equipe de Lucas do Rio Verde sagrou-se campeão mato-grossense deste ano ao derrotar o Araguaia Atlético Clube nas cobranças de pênaltis de 4 a 2, ontem à noite, após empate sem gols nos 90 minutos de bola rolando.


O goleiro Ronaldo foi o grande herói da primeira conquista do Luverdense ao defender as cobranças do meia Marcelo Newman e do atacante Pesão. Converteram as penalidades para o time de Lucas o meia Maycon Gaúcho, o atacante Odil, o zagueiro Zé Roberto e o atacante Leandro.


Pelo lado do Araguaia, fizeram o meia Verona e o atacante Gaúcho. O meia Marcelo Newman e o atacante Pesão pararam nas mãos do goleiro Ronaldo, que foi decisivo ao Luverdense.


Com o estádio Bilinão completamente lotado, Araguaia e Luverdense fizeram uma decisão equilibrada desde do primeiro jogo da final quando empataram em 2 a 2, em Lucas do Rio Verde.


Uma das raras jogadas de perigo no primeiro tempo, o goleiro Ronaldo interviu o que poderia ser o primeiro gol do Araguaia. De frente para o gol, o volante Valtinho chutou de primeira, mas esbarrou na boa colocação de Ronaldo, que espalmou para o escanteio. Na etapa final, as equipes partiram ao ataque, mas o placar ficou em branco.


Ficha Técnica:

Araguaia – Flávio Mendes; Eduardo, Marinho, Luiz Carlos e Sulliman (marcelo Newman); Valtinho, Alessandro, Fabinho (Pesão) e Verona; Dinei e Gaúcho. Técnico: Pedro Mendes.

Luverdense – Ronaldo; Éder, Marquinhos, Zé Roberto e Paulinho; Felipe, Bogé (Fabinho), Paulinho (Lê) e Maycon Gaúcho; Odil e Júnior Rocha. Técnico: Tarcísio Pugliesi.

Árbitro: Edílson Ramos da Mata.

Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

« Entradas Anteriores

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...