preso

>Criador do site WikiLeaks é preso pela Polícia do Reino Unido

Posted on dezembro 7, 2010. Filed under: preso |

>

Procurado pela Interpol sob acusações de estupro e assédio sexual pela Justiça sueca, o criador do site WikiLeaks, Julian Assange, foi preso nesta terça-feira no Reino Unido, afirma a emissora de TV britânica Sky News.

Ainda de acordo com emissora a polícia chegou até o australiano e deve conduzi-lo ainda hoje até a corte de Westminster, no centro de Londres.
Os juízes britânicos devem decidir se o mandado de prisão emitido pela Suécia levará à extradição do criador do site que desde a semana passada divulgou mais de 250 mil documentos secretos do Departamento de Estado dos EUA.

Martial Trezzini/Efe
Imagem de arquivo mostra o criador do site WikiLeaks durante uma entrevista coletiva em Genebra, na Suíça
Imagem de arquivo mostra o criador do site WikiLeaks durante uma entrevista coletiva em Genebra, na Suíça

Ainda na semana passada Assange já tinha deixado claro que caso fosse preso pelas autoridades britânicas resistiria à qualquer tentativa de extradição.
 
NEGOCIAÇÃO
Ainda na noite de segunda-feira (6) o advogado de Assange afirmou que ele e seu cliente estavam negociando um encontro com a polícia britânica. Assange estava sob alerta vermelho da Interpol, a polícia internacional, depois que a Justiça sueca emitiu uma ordem de prisão por acusações de estupro e agressão sexual.

“Nós estamos negociando um encontro voluntário com a polícia, para facilitar o preenchimento do questionário, como solicitado”, disse Mark Stephens ao canal britânico BBC.
Stephens reiterou, contudo, que “Julian Assange não foi acusado de nada” — e, portanto, não haveria motivo para sua prisão. Ele não deu detalhes sobre quando ou onde ocorreria o encontro.

Mais cedo, a BBC informou que a polícia britânica recebeu a nova ordem de busca internacional, emitida perla Suécia, contra Assange. A Scotland Yard não quis comentar.
A Suécia emitiu na sexta-feira passada (3) que emitiu um novo documento, com a informação que faltava, e que foi entregue ao Reino Unido. O novo mandado permitiria a prisão de Assange, que está no Reino Unido, em endereço supostamente conhecido pelas forças britânicas.


Reprodução
Página da Interpol na internet mostra Julian Assange entre os procurados, por crimes sexuais na Suécia
Página da Interpol na internet mostra Julian Assange entre os procurados, por crimes sexuais na Suécia

Segundo a imprensa britânica, as autoridades não puderam detê-lo na semana passada devido a um erro no primeiro mandado emitido pela Suécia. Assange enfrenta acusações de estupro e assédio sexual, mas a primeira versão do mandado incluiria apenas a sentença máxima para o mais grave dos crimes. As autoridades britânicas exigem que a pena máxima seja descrita para todos os crimes alegados.

Na sexta-feira, a porta-voz da Promotoria sueca, Karin Rosander, não soube informar se a nova versão do mandado já fora aprovada pelas autoridades britânicas como suficiente para realizar a prisão de Assange.

Já o advogado Stephens disse na quinta-feira (2) à agência de notícias Reuters que o mandado de prisão foi enviado de volta à Scotland Yard porque “não cumpria com a lei e era falho”.

O paradeiro de Assange é desconhecido. Mas o jornal “Independent” afirma que ele está no sudeste da Inglaterra. Stephens disse apenas que os serviços de inteligência britânicos, como de outros países, sabem sua localização, mas não confirmou se é na Inglaterra.

“A polícia (britânica) está sendo um pouco evasiva em suas respostas, mas sabe exatamente como entrar em contato com ele, assim como a procuradoria sueca”, completou o advogado, que trabalha em Londres.
 
INTERPOL
A Interpol informou na terça-feira (30) que emitiu um pedido de captura internacional contra Assange, procurado na Suécia por uma investigação de “estupro e agressão sexual”.

Em 18 de novembro a Justiça sueca divulgou uma ordem de prisão contra o australiano de 39 anos com o objetivo de interrogá-lo por “suspeitas razoáveis de estupro, agressão sexual e coerção” em um caso ocorrido em agosto.

A Promotoria do país declarou que pediu o alerta internacional da Interpol para a prisão de Assange por que não conseguir realizar o interrogatório do acusado. Stephens disse que as autoridades suecas rejeitaram diversas ofertas para conversar com Assange.


Editoria de arte/Folhapress

Assange vive entre o Reino Unido e a Suécia. Na mesma terça-feira, um advogado apresentou uma apelação à Suprema Corte sueca para contestar a ordem de captura.

Na quinta-feira (2), a Suprema Corte sueca negou-se a examinar o recurso, ratificando a ordem de prisão a Assange. “A Suprema Corte analisou o expediente e concluiu que não havia motivos para examinar o recurso”, afirmou a mais alta instância sueca.

O advogado de Assange, que também representa a agência de notícias Associated Press, disse que seu escritório em Londres investigará se a o caso sueco está ligado com as promessas dos Estados Unidos de processar quem estivesse por trás dos vazamentos.

Stephens reclamou que Assange ainda não recebeu uma notificação formal das denúncias impostas — o que é descrito como uma requisito legal pela lei da União Europeia.
 
CASO

Segundo a Justiça sueca, ele cometeu estupro, assédio sexual e coerção ilegal contra duas mulheres. Os argumentos usados pela promotoria não estão claros, mas a prática de sexo desprotegido pode ser considerada uma categoria leve de estupro na Suécia. Assange manteve relações sexuais com duas mulheres, em datas distintas, enquanto dava palestras em Estocolmo.
Assange afirma que as relações foram consensuais. Segundo depoimentos das vítimas, o preservativo estourou com uma delas e com a outra Assange teria se recusado a usá-lo. A defesa de Assange alega que a ação da Suécia é uma retaliação em relação a vazamentos divulgados pelo WikiLeaks sobre o país.
Em um imbróglio judicial, a Justiça sueca chegou a reabrir a investigação sobre a acusação de estupro. A decisão reverte sentença da procuradora-geral em Estocolmo, Eva Finné, que fechou o caso de estupro pro falta de indícios, mantendo apenas uma denúncia, por outra vítima, de assédio sexual. Finné, por sua vez, havia revertido a decisão de uma instância inferior de investigar a denúncia.
O caso chegou a render uma ordem de prisão contra Assange no dia 21 de agosto, retirada pouco depois. Assange nega as acusações e diz que as denúncias são uma tática do Pentágono para desmerecer seu site.
Há uma semana, a promotora federal, Marianne Ny, voltou a emitir uma ordem de detenção de Assange, que acabou escalada no alerta vermelho da Interpol.
Caso seja condenado, Assange pode receber sentença de até quatro anos de prisão. 
Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Artigo na Folha de S. Paulo denuncia Lula por tentar abusar sexualmente de um colega de cela, quando foi preso

Posted on novembro 29, 2009. Filed under: abusar sexualmente, cela, colega, denuncia, Folha de S. Paulo, Lula, preso |

>

São Paulo/AE

“Isso é coisa de psicopata, só a psicopatia pode explicar”, disse o chefe de gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, ao comentar acusações feitas pelo cientista político e ex-militante petista César Benjamin contra o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Em artigo publicado na “Folha de S. Paulo”, Benjamin afirma que Lula tentou abusar sexualmente de um colega de cela, quando esteve preso no DOPS, em São Paulo, no ano de 1980.

Carvalho também relatou que o presidente ficou “triste” ao ler o artigo. “Ele disse que é uma loucura”, afirmou o assessor. “Não entendi porque a Folha publicou aquilo. Se a imprensa for por esse caminho é muito ruim”, completou. Benjamin ajudou a fundar o PT e se manteve ligado ao partido até 1995. No artigo publicado, ele se dedica sobretudo ao relato da convivência com os presos nos anos em que ficou encarcerado, na ditadura militar, por causa de suas posições políticas.

Enfatiza que, apesar de ser muito jovem e de ter convivido com presos comuns, nunca sofreu nenhum tipo de abuso sexual. A ênfase é uma espécie de contraponto ao que vem a seguir, sobre Lula. O autor narra um encontro que teria tido, em 1994, com Lula, então em campanha. Na ocasião o ex-líder sindical lhe teria feito perguntas sobre a prisão e revelado que não suportaria o isolamento – por não conseguir viver sem relações sexuais com mulheres.

Em seguida, Lula teria narrado a tentativa de violação sexual do companheiro de cela. O trecho do artigo de Benjamin é claro: “Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos 30 dias em que ficara detido. Chamava-o de “menino do MEP”, em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do “menino”, que frustrara a investida com cotoveladas.”

E prossegue: “Foi um dos momentos mais kafkianos que vivi. Enquanto ouvia a narrativa do nosso candidato, eu relembrava as vezes em que poderia ter sido, digamos assim, o “menino do MEP” nas mãos de criminosos comuns considerados perigosos, condenados a penas longas”. A conversa teria ocorrido durante um almoço, com a participação de mais três pessoas: o publicitário Paulo de Tarso Santos, que coordenava campanha; um segundo publicitário, cujo nome o autor não recorda; e um americano, também não nomeado.

Fonte: A Gazeta

Ler Post Completo | Make a Comment ( 1 so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...