Rosas

>Entre As Rosas e Os Loucos

Posted on janeiro 8, 2010. Filed under: Barbacena, Belo Horizonte, Loucos, Mato Grosso, Minas Gerais, Ministério das Comunicações, Rosas, São João Del Rey, Tiradentes |

>

Barbacena não faz parte do circuito das cidades históricas mineiras. Portanto, não tem porque incluí-la em tal roteiro, a despeito da construção de uma ou outra igreja datar por volta do século XVIII. Mas vale muitíssimo visitá-la. No mínimo, duas razões asseguram isso, a saber: a primeira, ela pode servir de elo entre São João Del Rey e Tiradentes. Pólos bastante distantes dos demais, e, por conta disso, dificilmente Belo Horizonte poderia ser a ponte. Sem contar no fato do baixo custo, comparado ao que seria despendido pelo visitante, caso este estivesse hospedado naquelas localidades.


Já a segunda razão. Talvez a mais relevante em termos de ganhos não apenas monetário. Ainda que se esteja bem longe da época das “vacas gordas”, apesar dos discursos sempre “pra cima” do presidente da República. Também a dita autoridade deve primar pelo otimismo. Sobretudo em termos eleitorais, pois trabalha diuturnamente para fazer seu sucessor, apesar da indicada não estar à altura de tão elevado cargo e embora o atual momento seja bem outro, pois o sinal do “epa” há muito se faz presente, contrariando assim o quadro desenhado pelo governo. “O dinheiro está curto”, como se diz lá no interior de Mato Grosso. Isso nos tempos em que os dois Estados mato-grossenses estavam interligados administrativamente e o diamante e o ouro, não tanto fartos. Famílias inteiras da zona garimpeira tiveram que migrar, na busca de melhores dias. Script que se repetiu em várias partes do país, inclusive em Minas Gerais. O que explica, de certo modo, o inchaço populacional de sua capital. Não foram poucos os que tomaram o rumo de BH saídos de Barbacena que, vale a pena grifar, tem origem diversa das chamadas históricas e tampouco conta, como essas, com a produção do minério. Sua economia se deve à raiz diferente, mais ligada à agropecuária e a meia dúzia de pequenas indústrias, pois as maiores, segundo se comentam por aqui, “não podem ser instaladas por falta de água”. Precariedade que o seu filho mais ilustre nada pode fazer, uma vez que a sua pasta é a do Ministério das Comunicações e seu objetivo político-eleitoreiro imediato passa por direção distinta, mais próxima evidentemente da implantação de emissoras de rádio na região para massificação de seu nome, o que lhe pode render a renovação do contrato de trabalho pelo eleitorado, embora sua permanência no Senado não excedesse a dois ou três meses no primeiro mandato.


Barbacena, então, “fica a ver navios”. Apesar dos pesares, deve-se fazer justiça, essa cidade supera seus obstáculos. Cresce e se mostra com bastante vigor. Até mesmo o deixar de ser a “capital gastronômica”, título que perdeu para Tiradentes, não se constituiu em óbice para o seu progresso, embora lhe tenha tirado levas de turistas por ano.


Por falar em turistas. É preciso acrescentar a segunda razão que se deve visitá-la. Trata-se do museu da loucura. Museu bastante sugestivo. Isso porque Barbacena, que fora conhecida por ser a “Cidade das Rosas”, também ficou famosa pelos seus dez hospícios. Pois seu clima, acredita-se, proporcionava o bem-estar dos doentes. Vinham eles de vários lugares. Para tal, viabilizou-se o “trem dos loucos”. “Loucos” que poderiam ser qualquer um, inclusive uma “moça namoradeira”, “abandonada pela família”, “gente drogada”, “alcoólatra” ou “gente que se deixava cair pelas ruas e calçadas”. A discriminação e o preconceito foram a argamassa na qual a sociedade da época assentou os trilhos que desembocavam nos hospitais, em estilo “muito parecido” com os vividos na Alemanha nazista. Histórias que são contadas pelas fotografias, textos, instrumentos de tratamento e por uma ou outra ex-funcionária das instituições. Conjunto que, certamente, leva o visitante a fazer uma série de reflexão, principalmente o do seu papel decisivo nas questões político-sociais.

Autor: Lourembergue Alves é professor universitário e articulista –

Fonte: A Gazeta, E-mail: lou.alves@uol.com.br

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...