votar

>Mais de 2 milhões de eleitores estão aptos a votar este ano em Mato Grosso

Posted on julho 16, 2010. Filed under: CUIABÁ, eleições 2010, eleitores, Mato Grosso, TSE, Várzea Grande, votar |

>

Eleições 2010 – Nas eleições deste ano, Mato Grosso terá 2,095 milhões de eleitores aptos a votar. Os dados foram divulgados pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso esta semana, com base no fechamento do cadastro realizado até 5 de maio deste ano. De acordo com a Seção de Estatística e Cadastro Eleitoral do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Groso, o eleitorado matogrossense até abril de 2010 era de 2,064 milhões de eleitores.

Com a atualização dos dados, em Cuiabá verificou-se um aumento de mais de 7 mil eleitores aptos a votar nas eleições de 2010, saltando de 379.867 para 386.991. Em Várzea Grande de 165.604 eleitores, o número subiu para 168.258 aptos a votar.

O alistamento eleitoral foi suspenso no dia 6 de maio, inclusive para o título net. A partir desta data várias ações foram realizadas pela Corregedoria e Cartórios Eleitorais como envio dos lotes de Registro de Alistamento Eleitoral, inclusive os diligenciados ao TSE, identificação e cancelamento das inscrições atribuídas a eleitores falecidos, regularização de inscrições com operações equivocadas, processamento dos dados incluídos no sistema ELO e auditoria das bases de dados do cadastro eleitoral.

Fonte:TVCA

Anúncios
Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

>Congresso acerta votar aumento de 7,7% para aposentados

Posted on abril 15, 2010. Filed under: Aposentados, Congresso, votar |

>

Sérgio Lima/Folha Imagem

  O presidente da Câmara, Michel Temer (esq.), conversa com o líder do governo na Casa, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP)

Oposição e base aliada desafiam Planalto e fecham acordo que prevê reajuste maior aos que ganham acima de um salário mínimo

Medida provisória enviada pelo Executivo estabelece aumento de 6,14%, mas governo cedeu e aceitou mudar o índice para 7%

  À revelia do governo, líderes da base aliada e da oposição no Congresso fecharam acordo ontem para conceder um aumento de 7,7% para os aposentados que ganham acima de um salário mínimo.

O impasse em torno do índice do reajuste já dura quase um mês. A medida provisória enviada pelo Executivo concedeu o aumento de 6,14%, mas, pressionado por partidos aliados e com medo de uma derrota ainda maior, o governo cedeu e aceitou mudar o índice para 7%, o que corresponde à inflação de 2009 mais dois terços da alta do PIB de 2008.
Os senadores não ficaram satisfeitos, propondo o índice de 7,7% e levando os deputados a também optarem pelo mesmo valor -correspondente à inflação do ano passado mais 80% do crescimento do PIB.

“Não podemos ficar com a imagem de que aqui [Câmara] é a maldade e lá [no Senado] é a bondade”, disse o líder do PMDB, Henrique Alves (RN).

Sabendo que tem grandes chances de ser derrotado, Cândido Vaccarezza (PT-SP), relator da proposta e líder do governo, manteve o seu relatório com o reajuste de 7%. “É tudo o que o presidente da República me autorizou a dar”, disse.

Ontem pela manhã, antes da reunião entre deputados e senadores que fechou o acordo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou que indicará ao presidente para vetar um reajuste acima de 6,14%.

À noite, após participar de um evento em São Paulo, o presidente Lula afirmou que só vai analisar a questão quando o projeto chegar à sua mesa.

“Vou esperar votar e tomarei uma decisão. Não posso dizer que vou manter ou não porque preciso saber as condições políticas em que foi votado e as da Previdência para suportar isso”, disse. “Não quero fazer injustiça com o aposentado, mas preciso levar em conta a disponibilidade do dinheiro”, disse o presidente.

Viabilidade
Mantega foi o terceiro ministro a apontar o patamar de 7,7% como inviável. Alexandre Padilha (Relações Institucionais) rejeitou aumentos acima de 7% e Paulo Bernardo (Planejamento) reiterou que o governo havia fechado acordo com as centrais para reajuste de 6,14%. Já o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, disse que não seria possível garantir nem o reajuste de 7%.

Apesar das diversas afirmações do governo, congressistas disseram duvidar da possibilidade de o presidente Lula vetar o reajuste em ano eleitoral. Deputados e senadores também rejeitam a tese de deixar a MP vencer, para forçar o governo a editar uma nova, com um índice diferente.

A ideia, levantada pelo líder do PTB, Jovair Arantes (GO), seria deixar para votar o assunto depois das eleições. “Essa possibilidade não existe. Demos nossa palavra, na Câmara e no Senado, que vamos votar o reajuste de 7,7% o mais rápido possível”, disse o senador Paulo Paim (PT-RS).

Em todos os índices que estão sendo discutidos, o benefício seria retroativo a janeiro deste ano e 2011 ficaria desvinculado da discussão atual.

A MP começou a ser discutida ontem no plenário, mas sua votação deve ser concluída apenas no dia 27. Líderes da base disseram ainda ter esperança de convencer o governo a conceder o aumento maior. “Não queremos derrotar o nosso governo, ainda temos esperança”, disse Alves.

De acordo com eles, a diferença no impacto nos cofres da Previdência é de cerca de R$ 800 milhões. Com 7%, o impacto a mais seria de R$ 1,1 bilhão e com 7,7%, R$ 1,9 bilhão.

Fonte: Folha de S. Paulo

Ler Post Completo | Make a Comment ( None so far )

Liked it here?
Why not try sites on the blogroll...